JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

O PRIMEIRO ERRO JUDICIÁRIO DA HUMANIDADE - A SENTENÇA DE CRISTO. (CONTINUAÇÃO).


Autoria:

José Luciano Malheiros De Paiva


Advogado, formado pela Universidade Federal Fluminense, graduado ainda erm Ciências Biológicas pela Fundação Técnica Educacional Souza Marques- RJ, professor de inglês, português e matemática. Telefone 86-33236404 / e-mail: ad.lumar@ig.com.br

Endereço: Rua Dico Caldas, 2092
Bairro: São Judas Tadeu

Parnaíba - PI
64216-260

Telefone: 86 33236404


envie um e-mail para este autor

Texto enviado ao JurisWay em 29/01/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Ei-la na íntegra. Seria possível a correção à luz da evolução do Direito. Este o desafio proposto.

A SENTENÇA DE CRISTO - PRIMEIRO JULGAMENTO DA HUMANIDADE SEM DEFESA VERBAL OU ESCRITA.            SILÊNCIO DE UM INOCENTE.

                     No ano dezenove de TIBÉRIO CESAR, imperador romano de todo o mundo, Monarca invencível na Olimpíada cento e vinte e um, e na Elíada vinte e quatro, da criação do mundo, segundo o número e cômputo dos Hebreus, quatro vezes mil cento e oitenta e três, e na libertação do cativeiro de Babilônia, no ano mil duzentos e sete, sendo governador da Judéia QUINTO SÉRGIO, sob o regimento e governador da cidade de Jerusalém, Presidente Grantíssimo, PONCIO PILATOS; regente na Baixa Galiléia, HERODES ANTIPAS; pontífice do sumo sacerdote, CAIFÁS; magnos do Templo, ALIS ALMAEL, ROBAS ACASEL, FRANCHINO CEUTAURO; cônsules romanos da cidade de Jerusalém, QUINTO CORNÉLIO SUBLIME e SUXTO RUSTO, no mês de março e dia XXV do ano presente ---- EU, PONCIO PILATOS, aqui Presidente do Império Romano, dentro do Palácio e arqui residência, julgo, condeno e sentencio à morte, Jesus, chamado pela plebe --------  CRISTO NAZARENO ----  e galileu  de nação, homem sedicioso, contra a Lei Mosaica --- contrário ao grande Imperador TIBERIO CESAR. Determino e ordeno por esta, que se lhe dê morte na cruz, sendo pregado com cravos como todos os réus, porque congregando e ajustando homens, ricos e pobres, não tem cessado de promover tumultos por toda a Judéia, dizendo-se filho de DEUS e REI de ISRAEL, ameaçando  com a ruína de Jerusalém e do sacro Templo, negando o tributo  a César, tendo ainda o atrevimento  de entrar  com ramos e triunfo, com grande parte da plebe, dentro da cidade de Jerusalém. Que seja ligado e açoitado, e que seja vestido de púrpura e coroado de alguns espinhos, com a própria cruz aos ombros para que sirva de exemplo a todos os malfeitores, e que, juntamente com ele, sejam conduzidos  dois ladrões homicidas; saindo logo pela porta sagrada, hoje ANTONIANA, e que se conduza JESUS ao monte público da justiça, chamado CALVÁRIO, onde, crucificado e morto ficará seu corpo na cruz, como espetáculo para todos os malfeitores, e que sobre a cruz se ponha, em diversas línguas, este título: JESUS NAZARENO, REX JUDEORUM. Mando, também, que nenhuma pessoa de qualquer estado ou condição se atreva, temerariamente, a impedir a Justiça por mim mandada, administrada e executada com todo o rigor, segundo os Decretos e Leis romanas, sob as penas de rebelião contra o Imperador Romano. Testemunhas da nossa sentença: Pelas doze tribos de Israel: RABAIM DANIEL, RABAIM JOAQUIM BANICAR, BANBASU, LARÉ PETUCULANI. Pelos fariseus: BULLIENIEL, SIMEÃO, RANOL, BABBINE, MANDOANI, BANCURFOSSI. Pelos hebreus: MATUMBERTO. Pelo Império Romano e pelo Presidente de Roma: LUCIO SEXTILO e AMACIO CHILICIO.

(Copia autêntica da Peça do Processo de Cristo, existente no Museu da Espanha).

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (José Luciano Malheiros De Paiva) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Helder (28/04/2011 às 01:15:01) IP: 187.80.189.55
Ao Autor da postagem do texto muito interessante, por sinal, indago se o primeiro "erro do judiciário" de que se tem notícia na história da humanidade não seria a sentença de Deus à Adão e Eva, "condenando-os" ao exílio do paraíso, em especial, às dores do parto no caso de Eva?
2) Claudio (09/08/2011 às 12:42:57) IP: 201.25.163.98
Dr. muito interessante mesmo, particularmente isto é um grande achado que muitos como eu desconhecia tal conteúdo.
Parabéns


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2017. JurisWay - Todos os direitos reservados