JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Prisão do Depositário Infiel: Penhora de Coisas Fungíveis (que podem ser substituídas ou trocadas)


Autoria:

Thiago Lauria


Mestre em Direito Processual Penal pela UFMG. Especialista em Ciências Penais pela UGF. Graduado em Direito pela UFMG.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O Processo Penal no Campo das Nulidades - Artigo 9

Quais princípios constitucionais são imperativos na aplicação e interpretação dos crimes contra a dignidade sexual ?

TEORIA DA QUALIFICADORA INEVITÁVEL/INAPLICÁVEL

A delação premiada e a lava jato

A razoabilidade na utilização de Armas não letais por Agentes de Segurança Pública

A PRISÃO PREVENTIVA NO PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 156 DE 2009 DE REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL

O Policial Militar executando o patrulhamento ostensivo ao praticar delito responderá pela pratica de crime considerado crime militar?

ARMA DE FOGO ABSOLUTAMENTE INIDÔNEA PARA PRODUÇÃO DE DISPARO: ATIPICIDADE DA CONDUTA

ACERTOS E DESACERTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PESSOAS COM FINALIDADE CRIMINOSA E SEUS REFLEXOS NA LEGISLAÇÃO PENAL NA CONCEPÇÃO DO PRINCÍPIO DA RESERVA LEGAL

Sistema carcerário

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 29/08/2006.

Última edição/atualização em 24/01/2007.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A Constituição Federal de 1988 prevê apenas duas hipóteses de prisão civil: a do devedor de alimentos, e a do depositário infiel. Enquanto a primeira sempre foi aceita por doutrina e jurisprudência, a segunda sempre foi alvo de diversos ataques por parte da doutrina.
 
A primeira grande discussão envolvendo a prisão do depositário infiel envolvia a sua constitucionalidade. Isso porque o Brasil é signatário do Pacto de São José da Costa Rica, no qual se comprometeu a adotar dentro de seu ordenamento jurídico interno a prisão do devedor de alimentos como a única hipótese de prisão por dívidas.
 
Tal questão, entretanto, foi resolvida pelo Supremo Tribunal Federal, que entendeu a superioridade da previsão constitucional em relação à norma oriunda de tratados internacionais. Apesar do descontentamento de parte da doutrina (inclusive desta Coordenadoria), a manifestação do Pretório Excelso fez calar as vozes discordantes.
 
Atualmente, a questão já é outra. O celeuma está centrado nas condutas que possibilitariam a prisão do depositário infiel. Nossa proposta nesse artigo é discutir apenas uma delas. É possível a prisão do depositário de bens penhorados, cuja natureza é fungível?
 
A doutrina se divide, existindo duas correntes a respeito do assunto. Uma primeira corrente admite a possibilidade de prisão do depositário infiel independentemente da natureza do bem. Ou seja, não importa se os bens são fungíveis ou não. O contrato de depósito tem como base a confiança existente entre as partes contratantes. A partir do momento em que a confiança é quebrada, está ferido mortalmente o princípio orientador dos contratos de depósito, o que autoriza a prisão do depositário, não importando a natureza dos bens penhorados.
 
Ressalte-se que só se pode falar em contrato de depósito em relação a bens penhorados quando o depositário firma o auto de penhora, comprometendo-se a agir diligentemente na guarda dos bens.
 
Essa primeira corrente encontra amparo em algumas decisões jurisprudenciais:
 
“Habeas Corpus – Decretação de Prisão Civil – Infidelidade do Depositário – Análise aprofundada de fatos e provas que foge do alcance do writ – Depósito de coisas fungíveis – Irrelevância – Subsistência do múnus público – Denegação da ordem”.( TJSC. Habeas Corpus 2005.001992-5. Relator: Des. Nicanor da Silveira. Data da Decisão: 24/02/2005).                   
 Uma segunda corrente, com a qual concorda essa Coordenadoria, entende por inadmissível a prisão do depositário infiel em razão da penhora de bens fungíveis. Isso porque, na verdade, nesse caso não haveria tecnicamente um contrato de depósito, mas um contrato de mútuo. Sendo a possibilidade de prisão por dívidas uma exceção dentre do ordenamento jurídico brasileiro, tem-se que a interpretação desse dispositivo deve ser restritiva (mormente porque institui uma possibilidade de coerção da liberdade do cidadão). A aplicação das regras do contrato de mútuo à penhora de bens fungíveis já foi amplamente reconhecida pelos Tribunais:
"EXECUÇÃO. PENHORA. BENS FUNGÍVEIS E CONSUMÍVEIS.DEPOSITÁRIO INFIEL. PRISÃO CIVIL. O depósito de bens fungíveis e consumíveis equipara-se ao mútuo. Não se admite prisão do depositário de tais bens". (STJ. HC 18749/SP, Rel. Min. Humberto Gomes de Barros, DJU 25/11/2002)
 
De fato, a jurisprudência do STJ já se posicionou de forma maciça no sentido de não se permitir a prisão civil do depositário de bens fungíveis, mormente porque o Código Civil define expressamente a aplicação das regras do mútuo aos bens dessa natureza (art. 586). 
 
Também o TST vem adotando de forma quase unânime esse entendimento:
 
De acordo com o artigo 1.280, do Código Civil, "o depósito de coisas fungíveis, em que o depositário se obrigue a restituir objetos do mesmo gênero, qualidade e quantidade, regular-se-á pelo disposto acerca do mútuo (arts. 1.256 a 1.264)". A jurisprudência dominante nos tribunais tem-se orientado no sentido de não cabimento da ação de depósito em que o seu objeto seja restituição de dinheiro ou de qualquer outro bem de natureza fungível. É o que já decidiu, por exemplo, o STJ, no julgamento do AI 114.217-RS-Ag-Rg, do qual foi Relator o Exmo. Sr. Ministro Waldemar Zveiter, em cuja ementa se registrou que "o depósito de bens fungíveis é regulado pelas regras do mútuo e não enseja ação de depósito". ACORDAM os Ministros da Subseção II Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho, por unanimidade, dar provimento ao recurso ordinário para, deferindo a ordem de habeas corpus , conceder o salvo-conduto ao Sr. Argeu Antonio de Freitas, Paciente, impedindo, assim, que ele seja reputado depositário infiel”. (PROCESSO: ROHC   NÚMERO: 799760   ANO: 2001 PUBLICAÇÃO: DJ - 19/03/2004. Relator: Gelson de Azevedo).
 
Conclui-se, portanto, que a prisão do depositário infiel deve se ater apenas às hipóteses de guarda de bens infungíveis, preservando-se, assim, a liberdade individual dos cidadãos.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Thiago Lauria) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Rosangela (08/12/2009 às 21:40:06) IP: 189.93.222.172
porque uma filha de 20 anos trabalhando com carteira assinada,sem estudar,independente financeiramente ainda pede na justiça pensão e esta justiça não da ao pai desempregado a exoneração?


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados