JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

As contribuições de Aristóteles para o conceito de Justiça atual


Autoria:

Menderson Rocha Santana


Curso-Habilitação:Direito-Bacharelado_ Faculdades Santo Agostinho - FASA_ Cidade: Montes Claros_ 6º Período_ Foi estagiário da Justiça Federal-Subseção Judiciária de Montes Claros no período de fev.a dez. de 2009.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

A partir da compreensão dos conceitos de Justiça para Aristóteles, foi possível diluí-los em um texto, cujo objetivo é explicar de que forma eles colaboraram para compreendermos o conceito de justiça atual.

Texto enviado ao JurisWay em 03/05/2010.

Última edição/atualização em 11/06/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 
 Para tratar do tema de maneira objetiva e sem abandonar nenhum detalhe que pudesse nos levar até o principal objetivo desse breve comentário, utilizei a obra Ética a Nicômacos, de Aristóteles, e, ao final, aludi à Constituição da República Federativa do Brasil.
                 No livro V desta obra, Aristóteles fundamenta seus conceitos sobre justiça, explicando o que é ser justo e o que é ser injusto, nada mais conveniente para iniciar este trabalho. Ele considera que o homem injusto é aquele que toma mais do que lhe é devido, aquele que se apropria dos bens materiais dos outros, ou seja, este homem é aquele que viola a lei. Do outro lado o homem justo é completamente o oposto daquele, pois este respeita os bens dos outros e obedece ao princípio da “igualdade entre os iguais”. Num dado momento dessa mesma obra, o autor encontra-se no meio de duas espécies de justiça, a Corretiva e a Distributiva. Um exemplo de Justiça Corretiva: Quando um indivíduo comete um delito, consequentemente acarreta um conflito entre si próprio e a parte prejudicada, a partir desse momento surge a necessidade da figura de um juiz de direito para arbitrar sobre o assunto e decidir qual a penalidade que incidirá sobre o individuo que praticou o ato delituoso, se deverá ser preso, se deverá restituir o prejudicado pelo dano causado, é uma maneira abstrata de corrigir o delito. Esta espécie de justiça subdivide-se em Comutativa ou Sinalagmática (que preside os contratos em geral, uma forma de medida preventiva igualando as prestações recíprocas antes de haver a transação) e Reparativa (visa reprimir a injustiça, reparar ou indenizar o dano, estabelecendo, se for o caso, punições). A Justiça Distributiva consiste-se na distribuição ou repartição de bens e honrarias segundo os méritos de cada um. Desta idéia surgiu a frase clássica: “Dar a cada um que lhe pertence”.
                  Aristóteles diz que só há justiça onde existe lei e só há lei onde existe poder comum. Logo, nada é injusto no Estado de natureza. A Justiça é um fenômeno social. Não faria sentido imaginá-la em um homem solitário no mundo. A justiça e a injustiça, portanto, não pertencem à lista das faculdades naturais do espírito ou do corpo; como acontece com seus sentidos ou suas paixões, portanto a justiça não é nenhuma virtude.                
                Isto posto, é possível perceber a grande contribuição do conceito aristotélico de Justiça para elaboração dos manuais jurídicos que temos a nossa disponibilidade, pois todos eles, principalmente a nossa atual Constituição, que é fundada a partir do princípio da “igualdade entre os iguais”, denominado pela doutrina de “Princípio da Isonomia”, que dispõe expressamente no caput do art.5º que todos são iguais perante a lei sem distinção de qualquer natureza. Esse princípio também serve como esteio para o direito contratual que estabelece igualdade de tratamento entre as partes no cumprimento das prestações firmadas no contrato.
Outro ponto é aquele citado no início do 2º parágrafo deste texto: “o homem injusto é aquele que toma mais do que lhe é devido (Ética a Nicômacos-Aritóteles)”, subtende-se que este homem se apropria de bens pertencentes a outras pessoas, ou seja, ele viola a lei quando se trata do art. 5º, XXII da CF/88 que dispõe: “é garantido o direito de propriedade”. A frase clássica de Aristóteles “dar a cada um o que lhe pertence” assegura muito bem este direito de propriedade sobre tudo aquilo que foi adquirido por méritos próprios. Na esfera criminal, não só a previsão das penas, como a reprimenda dos delitos, comum a todos os códigos criminais contemporâneos, mas também as suas espécies e características de aplicação são manifestações contundentes e talvez inalteráveis em sua essência, da Justiça corretiva de Aristóteles, desde os primórdios.
                 
 
 
 
Referência Bibliográfica:
 
Aristóteles. Ética a Nicômacos. Tradução portuguesa de Antônio de Castro Caeiro. Quetzal, 2004.
 
Bittar, Eduardo C. B. A justiça em Aristóteles.Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Menderson Rocha Santana) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Antonio (01/12/2012 às 20:50:37) IP: 189.110.216.156
Texto muito bem escrito
2) Lauro (02/07/2014 às 23:56:31) IP: 177.134.42.242
Você está completamente enganado. É claro que há justiça natural na concepção aristotélica, tanto é que o Estagirita distingue justiça natural de justiça convencional. Mesmo que não houvesse uma lei proibindo o assassinato, tal ato é considerado naturalmente injusto por Aristóteles. Você precisa reler Ética a Nicômaco com mais cuidado.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados