JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Causas Extintivas da Punibilidade


Autoria:

Diego Jardim Machado


-Bacharelado em Direito. Urcamp, conclusão em 2018. -Curso de aperfeiçoamento em Assistência Administrativa(2013). -Curso de Manutenção em Computadores(2013). -Participação na X Jornada Acadêmica de Direito do Diretório Acadêmico Tarcísio Taborda da Urcamp(2014). -Congrega Urcamp(2017).

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

Como recorrer de uma multa de trânsito?
Direito de Trânsito

Resumão - ECA
Outros

O que é o trânsito?
Direito de Trânsito

DESCENTRALIZAÇÃO DE AUTORIDADE
Direito Administrativo

Ação Popular com pedido liminar
Direito Administrativo

Mais artigos...

Outros artigos da mesma área

Liberdade provisória com ou sem fiança

A IMPORTÂNCIA DA HERMENÊUTICA JURÍDICA E A GARANTIA CONSTITUCIONAL DA TUTELA PENAL

O direito ao esquecimento dos condenados, após o cumprimento de suas penas.

Compatibilidade Constitucional do Latrocínio

O DIREITO AO SILÊNCIO / PRIVILÉGIO CONTRA A AUTOINCRIMINAÇÃO (CF, ART. 5º, LXIII) VERSUS MODALIDADE PROBATÓRIA DO RECONHECIMENTO PESSOAL (CPP, ART. 226):

A SIMILIDADE PENAL ENTRE OS CRIMES DE ROUBO X EXTORSÃO E OS RISCOS DA DUPLA PUNIÇÃO.

O papel da perícia psicológica na execução penal

A EMBRIAGUEZ AO VOLANTE E O "HOMICÍDIO" DO DIREITO PENAL

SURGIMENTO DO REGULAMENTO DISCIPLINAR MILITAR NO BRASIL

A inexigibilidade de conduta diversa na prática da Eutanásia como causa supralegal de exclusão da culpabilidade

Mais artigos da área...

Resumo:

tenho estudados os mais variados assuntos de Direito e acredito que algum resumo ira ajudar quem se interesse pelos temas, como também irá fazer eu colocar aqui o que aprendi até agora, assim, também será uma forma de estudo.

Texto enviado ao JurisWay em 16/07/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Causas Extintivas da Punibilidade

Nem todas as causas estão previstas no art. 107 do Código penal, como por exemplo, o cumprimento da pena, que não consta no rol, extingue a punibilidade, bem como o cumprimento fiel da suspensão condicional do processo.

O rol do art. 107 do CP é o seguinte: 

  • Morte do Agente: Será provada por Certidão;
  • Abolitio criminis: Lei revogadora do tipo incriminador. Faz cessar efeitos penais, mesmo havendo sentença condenatória transitada em julgado;
  • Anistia: Lei penal com efeitos retroativos. Promove o esquecimento jurídico penal de uma infração já praticada. Competência da União, por meio de lei, concedida antes ou depois da sentença, condicionada ou não. Incabível para crimes hediondos e equiparados. 

-> Pode ser Revogada? A lei que concede tem efeitos retroativos, beneficiando os envolvidos com a imediata extinção da punibilidade. Não teria qualquer eficácia sua revogação, pois não poderia retroagir para prejudicar o réu.

  • Graça e Indulto: Competência do Presidente da República (a principio), via decreto, têm efeito de afastar a pena. A Graça pode ser condicional, e o Indulto pode ser apenas parcial, reduzindo a pena. A graça é individual e provocada (precisa ser pedida), o indulto é coletivo e espontâneo. A constituição veda expressamente a anistia e a graça em caso de crimes hediondos e equiparados. 
Súmula 535 do STJ. "A prática de falta grave não interrompe o prazo para fim de comutação de pena ou indulto".
  • Renúncia ao direito de queixa: Ofendido abdica do direito de promover queixa. Como efeito extingue a punibilidade na ação penal originariamente privada, e não na subsidiáriaA renúncia pode ser expressa ou tática, feita até o oferecimento da queixa. A renúncia a um dos ofensores se comunica aos demais, em razão do princípio da indivisibilidade da ação penal privada.
  • Perdão do Ofendido: Iniciada a ação penal exclusivamente privada, o ofendido(ou seu representante legal) oferece o perdão e o consequentemente encerramento do processo. Apenas na ação exclusivamente privada, desde o oferecimento da queixa até o trânsito em julgado. Precisa ser aceito. Tanto o oferecimento como o aceite do perdão podem ser expressos ou tácitos. O perdão em relação a um dos querelados se comunica aos demais, princípio da indivisibilidade.

-> Diferença entre o perdão do ofendido e o perdão judicial: O perdão judicial é concedido pelo juiz, seja a ação pública ou privada e ha casos previstos em lei. No perdão do ofendido, sempre será possível na ação penal privada e não há casos previstos em lei.

  • Retratação: Retirar o que disse. Até o momento da sentença. Não é necessária aceitação do querelante.
  • Perempção: Sanção imposta ao querelante que deixa de promover o devido andamento á ação penal privada.

->Hipóteses mais importantes

  1. Querelante deixa de promover devido andamento na ação por mais de 30 dias;
  2. Morre o querelante sem que apareça sucessor em 60 dias;
  3. Não comparece a ato no qual deveria estar presenta;
  4. Não formula pedido de condenação nas alegações finais (memoriais).
  • Decadência: Perda do direito. Prazo, em regra, é de 6 (seis) meses a partir do conhecimento da autoria. Só existe em ação penal privada ou pública condicionada. Não confundir com prescrição, essa pode acontecer em qualquer tipo de ação.
  • Perdão Judicial: Juiz deixa de aplicar a pena nas hipóteses previsas em lei. Pressuposto básico: reconhecimento da culpabilidade do acusado. Primeiro reconhece que é culpado e depois o juiz perdoa. Só quando o texto legal autorizar.Pode ocorrer em ação penal pública e em ação penal privada.

 

Fonte de Estudo: Reta Final OAB 7ª Edição. 

Essa publicação lhe ajudou de alguma forma? Se sim, clica em gostar. Isso significaria muito pra mim, de verdade.

Todo comentário é bem-vindo.


Por Diego Machado

Contato: diegowjardim@gmail.com

Instagram: @diegojardim

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Diego Jardim Machado) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados