JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Bem penhorado e bem empenhado: qual é a diferença?


Autoria:

Thiago Borges Mesquita De Lima


É Graduado em Direito pelo Instituto Cuiabá de Ensino e Cultura, Advogado inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso e Conciliador credenciado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Mandado de Segurança para impugnação de decisão interlocutória em razão das alterações no CPC

O PRINCÍPIO DA COOPERAÇÃO EM SEDE RECURSAL: INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO

A APLICABILIDADE DAS TUTELAS DE URGÊNCIA NO PROCESSO CIVIL À LUZ DO PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA RAZOÁVEL DURAÇÃO DO PROCESSO

OS DESAFIOS DA AUTOCOMPOSIÇÃO

A FUNGIBILIDADE ENTRE AS MEDIDAS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: BREVES CONSIDERAÇÕES

DA AÇÃO DE USUCAPIÃO DE TERRAS PARTICULARES: ANÁLISE DE UM CASO

DENUNCIAÇÃO E EVICÇÃO

A EFICIÊNCIA DAS TUTELAS PROVISÓRIAS COMO INSTRUMENTOS DE CELERIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO JURISDICIONAL À LUZ DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL - LEI. 13.105/2015.

DAS TUTELAS PROVISÓRIAS DE URGÊNCIA NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

RECURSO DE TERCEIRO PREJUDICADO

Mais artigos da área...

Resumo:

O objetivo do presente artigo é abordar as diferenças entre penhora e penhor e o nome correto que é dado aos bens sujeitos aos mencionados institutos jurídicos.

Texto enviado ao JurisWay em 09/05/2018.

Última edição/atualização em 19/05/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

 

O site de notícias R7, em 08.02.2010, divulgou a seguinte matéria jornalística:

Juro baixo atrai clientes para o penhor de jóias

(...)

Antes de penhorar um bem, o advogado do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), (...), recomenda alguns cuidados. O primeiro é procurar instituições financeiras idôneas. (...) - Grifamos [1]

 

 Matéria semelhante foi veiculada no portal de notícias UOL, em 19.04.2013:

Penhor de jóia de família paga menos juros que empréstimo em banco

(...)

Com o financiamento da casa própria atrasado, o securitário (fulano de tal) decidiu pegar um empréstimo para quitar algumas parcelas. Juntou anéis, brincos e correntes da família e levou até uma agência da Caixa Econômica Federal. Penhorou as jóias e saiu de lá com R$ 1.000. (...) – Grifamos. [2]

 Conforme se vê, os dois conceituados portais de notícias equivocaram-se ao dizer que os bens foram “penhorados”. O erro existe porque as matérias não diziam respeito à “penhora”, mas sim ao “penhor”. Trata-se, a bem da verdade, de um erro recorrente na imprensa em geral.

Antes de dizermos qual é o nome correto que o bem sujeito a penhor deveria receber nas matérias jornalísticas citadas acima, veremos quais as diferenças entre penhor e penhora.

O Penhor é uma garantia real. É constituído, em regra, sobre bens móveis, ocorrendo a transferência efetiva da posse do bem do devedor ao credor (também em regra). Diz-se duplamente em regra porque em algumas modalidades de penhor (rural, industrial, mercantil e de veículos) o bem continua em poder do devedor, que deve guardá-lo e conservá-lo. [3]

A Penhora, por sua vez, consiste no ato de se vincular bens do executado, com apreensão judicial e depósito, suficientes para saldarem sua dívida. Repise-se, porém, que a apreensão nem sempre ocorre, podendo os bens continuar em poder do executado, que também pode ser o seu depositário. [4] A penhora é, em outras palavras, a constrição judicial de bens do devedor/executado para garantia do processo.

Acerca da diferença entre os mencionados institutos, vale registrar as lições de De Plácido e Silva (2010, págs. 574/575):

(...) penhor e penhora claramente se distinguem. O penhor é a garantia dada pelo devedor, espontaneamente ou por imposição legal. A penhora é a apreensão de bens, dados ou não em garantia, para que por eles se cobre o credor do que lhe é devido pelo executado. Pela penhora, os bens são retirados do poder ou da posse do devedor, para servirem de garantia à execução. A penhora é ato sempre determinado pelo juiz, em vista da liquidez do crédito posto em execução. (...) [5]

 Os bens dados em penhor são denominados de bens empenhados. Este é o nome que as reportagens dos portais R7 e UOL e a imprensa em geral deveriam usar quando fizerem matérias a respeito do mencionado direito real de garantia. [6] De outra banda, bens penhorados – nome usado pelo R7 e UOL – são os bens do devedor sujeitos a penhora.

Em conclusão, quando alguém deseja obter um financiamento junto a Caixa Econômica Federal e oferece bens móveis – ex. jóias – em garantia real, transferindo a posse deles ao banco, diz-se que esses bens estarão “empenhados”. [7] De outro giro, se o juiz determina, no bojo de um processo de execução ou na fase de cumprimento de sentença, a apreensão de um veículo automotor – ou de outro bem - para satisfazer crédito constante de um título executivo, diz-se que esse bem estará “penhorado”.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 TARTUCE, Flávio. Manual de Direito Civil: volume único. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2011

 GUIMARÃES, Deocleciano Torrieri. Dicionário Técnico Jurídico. 12. ed. São Paulo: Rideel, 2009.

 SILVA, De Plácido e, 1982-1964. Vocabulário Jurídico Conciso; atualizadores Nagib Slaibi Filho e Gláucia Carvalho. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

 NOTAS:

 [1] Disponível em: http://noticias.r7.com/economia/noticias/juro-baixo-atrai-clientes-para-o-penhor-de-joias-20100208.html Acessado em 03.02.2016

 [2] Disponível em: http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2013/04/19/taxa-baixa-e-pouca-burocracia-impulsionam-busca-pelo-penhor.htm Acessado em 03.02.2016. Preferimos a expressão “fulano de tal” a usar o nome da pessoa indicada na matéria.

 [3] TARTUCE, Flávio. Manual de Direito Civil: volume único. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2011.  pág. 947.

[4] GUIMARÃES, Deocleciano Torrieri. Dicionário Técnico Jurídico. 12. ed. São Paulo: Rideel, 2009. pág. 467.

[5] SILVA, De Plácido e, 1982-1964. Vocabulário Jurídico Conciso; atualizadores Nagib Slaibi Filho e Gláucia Carvalho. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

[6] O Código Civil de 2002 trata do instituto do penhor nos artigos 1.431 a 1.472.  Vale registrar que o próprio Código, usando de boa técnica legislativa, nem sempre presente em nossa vasta legislação, usa a expressão “coisa empenhada” para referir-se aos bens dados em “penhor”. (Cf. arts. 1.431, § único; 1.433, incisos I, III e V, etc.). Aproveitando o ensejo, vale salientar que a expressão “pignoratício” diz respeito, também, ao penhor. Tal vocábulo é usado para nominar as partes do penhor, que são o devedor pignoratício – aquele que dá a coisa em garantia, tendo a dívida em seu desfavor, e o credor pignoratício – aquele que tem o crédito e o direito real de garantia a seu favor.

[7] TARTUCE, Flávio. op. cit. pág. 947.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Thiago Borges Mesquita De Lima) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados