JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A LIBERDADE DE IMPRENSA, DIANTE DO CASO DO GOLEIRO BRUNO.


Autoria:

Sandra Mara Dobjenski


Acadêmica de Direito, Faculdade Curitibana.Licenciada em Pedagogia Faculdade Bagozzi. Participação em workshops, palestras e eventos.Autora de artigos.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

APROPRIAÇÃO DE COISA ACHADA: O INCOMUM CRIME QUE TANTO ACONTECE. OU NÃO. - OS PERIGOS DA DESCLASSIFICAÇÃO APRESSADA

RETROATIVIDADE DA LEI Nº. 12.015/2009

Do crime cometido por pessoa embriagada e por doente mental ou que tenha o desenvolvimento mental incompleto ou retardado

ASPECTOS DESTACADOS SOBRE O CRIME DE LESÃO CORPORAL E A CONTRAVENÇÃO PENAL DE VIAS DE FATO NA LEI Nº. 11.340/06

ITER CRIMINIS - AS ETAPAS DO CRIME

Estupro e Atentado Violento ao Pudor, Concurso Material ou Crime Continuado?

Mandado expresso de criminalização e princípio da codificação.

ANÁLISE DO ART. 33 DA NOVA LEI DE DROGAS E SUA EFICÁCIA PROCESSUAL

LEI DE CRIMES HEDIONDOS E MOVIMENTO DE LEI E ORDEM: justiça ou vingança?

A HERMENÊUTICA DOS PRINCÍPIOS DO PROCESSO PENAL E TUTELA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS

Mais artigos da área...

Resumo:

O presente artigo tem a finalidade de ressaltar as características de especularização no caso Goleiro Bruno a partir da abordagem fática da utilização excessiva dos meios de comunicação.

Texto enviado ao JurisWay em 16/02/2018.

Última edição/atualização em 21/02/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A LIBERDADE DE IMPRENSA, DIANTE DO CASO DO GOLEIRO BRUNO, CONFRONTADA COM O PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA.

RESUMO

O presente artigo tem a finalidade de ressaltar as características de especularização no caso Goleiro Bruno a partir da abordagem fática da utilização excessiva dos meios de comunicação diante dos casos criminais, bem como o desrespeito à Presunção de Inocência, princípio primordial do Sistema Acusatório e sustento de todas as garantias inerentes ao acusado, haja vista, o inegável fato de que os casos criminais cobertos pela imprensa funcionam como uma espécie de espetáculo, onde o principal objetivo é atrair a massa popular e, obter lucro com a informação transmitida. Ao se refletir sobre até que ponto a linguagem jornalística é trabalhada nas reportagens e onde inicia o espetáculo jornalístico, capaz de produzir efeitos parciais nos julgamentos que tomam a linha de frente dos programas sensacionalistas, nota-se uma troca de paradigmas entre os operadores do Direito e o povo descoberto do princípio base de compreender o fato como algo que deva ser analisado metodologicamente. Para solucionar o confronto entre estes princípios, será trazida a teoria da ponderação, com o escopo de demonstrar a necessidade de se impor limites ao exercício da Liberdade de Imprensa e, assegurar a efetiva garantia da Presunção de Inocência em todo o procedimento criminal.

PALAVRAS CHAVE: Liberdade de Imprensa; Casos Criminais; Presunção de Inocência; Teoria da Ponderação.

 

LIBERDADE DE IMPRENSA X PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA

 

A imprensa constitui uma espécie de veículo de comunicação, do qual a mídia é gênero. Apresentar temas que despertem a atenção do público e que tragam informações de qualidade é um desafio constante para todos os veículos de comunicação, entretanto é necessário o discernimento e a interação dos constantes legais, antes de lançar a linha tênue entre noticiar e espetacularizar, algo que não se domina, que não se conhece em busca de uma justiça, sem respaldos no devido processo legal. Assim, a valorização de certos acontecimentos em alguns meios de comunicação faz com que se pare e pense por que dos excessos de abordagem, do sensacionalismo, de uma mídia sem limites.

Nesse sentido cabe ao jornalista e ao veículo de comunicação buscar a verdade, buscar o agente entendedor para que possa expressar a real condição do fato cometido, bem como a interpretação da lei a cerca deste. Afinal, um mesmo fato pode ser contado de diversas maneiras, com focos distintos.

Atualmente, a mídia é conhecida como “o quarto poder”, expressão trazida pelo filme: Mad  City, em alusão aos três poderes típicos de um Estado Democrático: executivo, legislativo e judiciário. Um poder que se torna jurado, advogado, acusador, formador de opinião, que condena sem ter o processo penal como base para suas exposições efêmeras.

A discussão a cerca do Caso do goleiro Bruno é um exemplo da espetucalirazação promovida por uma mídia que a todo custo quer um culpado, sem levar em conta a metodologia do ato ou sequer analisar a materialidade da existência do crime.

O caso foi e é analisado e abordado exaustivamente na mídia, com uma imprensa investigativa e opinativa acompanhando passo a passo dos acontecimentos; um agendamento midiático que, na maioria das vezes, não significou necessariamente um incremento informativo, mas colaborou para que os personagens da história fossem construídos dia a dia, na forma de heróis ou vilões.

Vários meios de comunicação noticiaram este episódio, enaltecidos de fervor, pois nele estava envolvido Bruno Fernandes das Dores de Souza, na época goleiro e capitão de um dos maiores times do Brasil, o Flamengo e prestes a ser convocado para a seleção brasileira. O ex-atleta foi acusado de com a ajuda de amigos, ser responsável pelo sumiço de sua ex-amante Eliza Samudio, com quem supostamente teria um filho cuja paternidade não teria sido assumida. Estavam reunidos todos os elementos necessários para uma prolífera midiatização do caso.

Eis que surge a colisão da atuação da imprensa com a Presunção de Inocência, apontadas na fase pré-processual, conversas sendo divulgadas como se fossem confissões, uma mídia que investigava pessoas que tornava público atos sigilosos de um processo que por vias de fato deveria ser analisado a luz dos preceitos legais e da justiça.

A consequência foi o Júri popular do goleiro e muitas mortes, júri esse que decide por sua consciência, interpretação, sobre a culpabilidade ou não do acusado de crimes dolosos contra a vida, tentados ou consumados. O fato julgado se torna parcial do clamor público, visto que cada um dos sete jurados serem pessoas do povo, muitas vezes sem qualquer conhecimento sobre a área jurídica, munidos, apenas, da sua convicção interna de o que é “certo” ou “errado” para avaliar as provas trazidas até então, munidos das informações que leram ou ouviram, da metodologia traçada pelos programas de televisão a respeito do crime cometido. Nesse julgamento prévio, existe uma tendência para a aplicação da pena privativa de liberdade, exteriorizada através de afirmações como: “o lugar desse sujeito é na cadeia”.

Os efeitos dessa espetacularização da imprensa sobre casos penais podem ser claramente notados na constância de um processo, ou, antes mesmo deste existir, quando a imprensa já apresenta um condenado para a sociedade, sem ter respaldos técnicos para tal afirmação. Nesse sentido, questiona-se a liberdade de impressa abusiva de se tornar parte em um processo legal. Não se pode esquecer que a Constituição assegura como Princípio Fundamental, que norteia o Direito Penal, o Estado de Inocência, que deve ser respeitado até que a sentença transite em julgado em última instância. Entretanto, a imprensa anula este princípio, realiza uma espécie de inversão do ônus da prova, onde o acusado  necessita provar  sua inocência, quebrando-se a regra geral do processo penal, na qual cabe à acusação o ônus da prova e pior ainda esquece-se de respaldar a consonância da existência da materialidade para que exista crime de fato.

É nesse sentido que o confronto entre a Liberdade de Imprensa e a Presunção de Inocência, se faz necessária, a fim de se estabelecer limites a esta prática.

Por fim, é de relevante interesse que se pleiteie uma imprensa que exerça sua função de forma que seus limites de acusadora e condenadora sejam freados e que o povo seja cerceado de informações técnicas e respaldadas a respeito dos fatos, que se posicionem sim, mas munidos de conhecimentos verídicos, para que a justiça seja aplicada de fato e com imparcialidade na prolatação de sentenças condenatórias ou de cunho  absolutórios com base nos preceitos do contraditório e da ampla defesa.

Sandra Mara Dobjenski

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, Fábio Martins de. Mídia e Poder Judiciário. A influência dos Órgãos da Mídia no Processo Penal Brasileiro. São Paulo: Lúmen Júris, 2007.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Ed. Paulus. São Paulo, SP. 2003.

WEB REFERÊNCIAS

 VILLALVA, Ticiana Dantas. A Liberdade de Imprensa opressiva, diante de casos criminais, confrontada com o Princípio da Presunção de Inocência. Disponível em: http://investidura.com.br/biblioteca-juridica/artigos/direito-penal/328985-a-liberdade-de-imprensa-opressiva-diante-de-casos-criminais-confrontada-com-o-principio-da-presuncao-de-inocencia. Acesso em 26/11/17.

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Sandra Mara Dobjenski) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados