JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Duplo homicídio culposo da igualdade


Autoria:

Lincoln Lopes Barros Junior


Advogado, regularmente inscrito na OAB/MG sob o número 163.881. Graduado em Direito pela Instituição de Ensino Superior Presidente Tancredo de Almeida Neves, em São João Del Rei. Atualmente atua em diversas áreas do Direito em toda a região mineira de São João Del Rei.

Endereço: Av. Tiradentes, 12
Bairro: São João Del Rei

São João del Rei - MG
36307-348

Telefone: 32 33239216


envie um e-mail para este autor

Texto enviado ao JurisWay em 10/09/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Com surpresa que recebi no noticiário de hoje, quinta-feira, dia 10 de setembro de 2015, a informação de que o motorista do cantor Cristiano Araújo foi indiciado por duplo homicídio do próprio músico e de sua namorada Allana Coelho Pinto de Moraes, que faleceram em um acidente de carro na madrugada do dia 24/06/2015 no Estado de Goiás.

O espanto em ver essa notícia se dá por variadas motivações, dentre muitas, o tempo que se levou para concluir um inquérito policial e principalmente por tentar imaginar o incontável número de vítimas do trânsito que deixam de estar entre nós, dia-após-dia e nenhuma atitude se toma.

O que de tão especial tinha Cristiano Araújo? Ser possuidor de uma voz mais apurada que a maioria dos brasileiros? Ou será que falamos de seu carisma, sua conduta com sua filha e família, sua forma de tratar os que menos possuem...? ou será que estamos em mais um caso de vilipêndio do cadáver da ética e moral no Brasil?

E por falar em Vilipêndio, quem não se recorda do assombroso vídeo onde os - nada engraçados - agentes funerários fizeram do preparo do corpo do cantor em um espetáculo público que se espalhou em questão de segundos por toda uma rede social e telefones celulares de todo o Brasil e mundo, composta por milhares de hipócritas que clicavam o botão “compartilhar” e repudiavam a atitude dos autores do “curta-metragem”.

Acho que estamos matando, dia-após-dia, a chance de vivermos em uma sociedade igual e justa.

Que me desculpem os e as fãs descontroladas, mas em que difere Cristiano Araújo do “Cristianos Silvas”, “Joãos Limas”, “Marias Aparecidas” e outros tantos brasileiros e tantas brasileiras que têm suas vidas retiradas por conta da imprudência de variados motoristas? A resposta é muito clara: O DINHEIRO!

Ter posses, bens, capital, fama e riqueza não me parecem ser um dos casos de foro privilegiado para questões que envolvem o judiciário – ainda que em fase preliminar. Ou talvez eu esteja extremamente ultrapassado quanto à tentativa quase que incansável de se buscar um país mais justo, e por necessário, igualitário.

Recordo-me de quando surgiu a “estória” de que os agentes funerários - cineastas nas horas vagas – seriam condenados pelo tipo penal descrito no artigo 212 do Código Penal, ou seja, “Vilipêndio a Cadáver”. Logo me veio ao pensamento os milhares de “cadáveres vilipendiados vivos” que habitam essas terras Tupis e Guaranis, desde o extremo norte até o mais remoto sul, e perguntei-me: Quem os defendeu? Quem acusou seus vilipendiadores? E obtive a resposta mais chocante da minha vida: Eles são invisíveis. São “Zé e Maria ninguém”. Não são importantes para esse Estado que se baseia na igualdade de hipocrisias, onde os “Cristianos Araújos” são justiçados, onde as “mulheres ricas” fazem o que querem e todos aplaudem “badalos” e champanhes ao despertar do dia – a cachacinha no bar da esquina às 8 da manhã é doença, por quê? -, o rei do camarote vira estrela e a prefeita ostentação... ahh, a prefeita ostentação!

 

Teremos em breve, se a justiça for feita, um Estado igualitário na cadeira dos réus sendo julgado pelo triplo homicídio doloso da igualdade, do bom senso e da justiça!

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Lincoln Lopes Barros Junior) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados