JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Refugiados do Curdistão


Autoria:

Débora Borges De Moura


Acadêmica do curso de Direito. UniCEUB - Centro Universitário de Brasília.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

É grande e recorrente o deslocamento de pessoas que fogem da guerra, da fome, das ameaças, da condição precária de vida, do medo, e da perseguição . Essa é a realidade de milhões de pessoas no mundo. Os Curdos são nosso exemplo de hoje.

Texto enviado ao JurisWay em 24/06/2016.

Última edição/atualização em 27/06/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Chegou aqui no Brasil recentemente, uma jovem família de curdos. Região conhecida como Curdistão, que inclui partes do Irã, Iraque, Síria e Turquia.

Estão refugiados aqui em Brasília, na cidade satélite de Sobradinho, lugar onde permanecem por um certo período de tempo. O marido Shaswar e sua esposa Shoxan, que está gravida de oito meses, vem buscar uma nova esperança de vida para o bebê que irá nascer. Em sua região, no Curdistão, com as iminentes ameaças de ataques, as perseguições religiosas por grupos extremistas e a falta de condições mínimas de sobrevivência, os levam a fugir da sua terra natal.

Ao chegar aqui, depois de todo medo e incertezas vivenciados, encontram ainda mais obstáculos.  No entanto, tudo tem sido compensado com a ajuda e apoio de voluntários e amigos que a família conheceu. 

Eles não falam português, o que os impede de se comunicar melhor. Por esta razão, Shaswar não tem encontrado oferta de trabalho. Esse é o seu maior desafio desde que chegaram. As portas não tem se aberto para ele em três meses de busca, e as oportunidades ainda não apareceram. Shoxan também encontra problemas nas consultas do pré-natal por não entender a nossa língua, daí a falta de interação com o médico.

Nesse sentido, mais dificuldades vão surgindo, como por exemplo, o não acesso às orientações jurídicas, não acesso a serviços públicos, não acesso ao conhecimento da legislação protetiva e etc.

Lamentavelmente nosso país não tem dado um melhor suporte para os refugiados aqui chegados e não tem se mostrado muito eficiente no caso concreto dentro desse contexto de apoio tão necessário, visto que não há escolas suficientes onde possam aprender nosso idioma, e pouco, ou nenhum, apoio referente a conquista de um trabalho para sua subsistência.

Vale salientar, que é necessária a conscientização da população em geral, para que não haja discriminação com relação aos refugiados que chegam até nós.

Felizmente, a ajuda tem chegado de outras formas. O casal recebeu várias doações de roupinhas para bebê, fraldas, cesta básica e até de alguns móveis para casa tais como, um berço, um fogão e uma geladeira e, um amigo já se dispôs em levar Shoxan ao hospital assim que estiver para dar a luz.

O país juntamente com as ONGs, teem se esforçado para ajudar os refugiados, no entanto, ainda há carência no desenvolvimento de mecanismos para melhor integra-los, qual seja, o aumento de escolas que ofereçam o curso da língua portuguesa, maior divulgação de informações para os refugiados, conscientização da população em geral, e integração através de trabalho.

 
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Débora Borges De Moura) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados