JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Do Agravo de Instrumento no Novo CPC/2015


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Sentença e seus efeitos depois da Lei 11.232, de 22 de dezembro de 2005

A Justiça Gratuita e o Novo CPC

Breves considerações sobre a representatividade adequada e os limites subjetivos da coisa julgada nos processos coletivos

Tutela de evidência solucionará demandas de educação no Novo CPC

Alguns apontamentos sobre a nova liquidação de sentença

O papel da Advocacia Colaborativa na nossa sociedade com o novo CPC (Lei 13.105/2015)

AS NOVAS PREMISSAS DO PROCESSO DE EXECUÇÃO REFORMADO

O reconhecimento da fraude à execução no novo CPC

A FUNGIBILIDADE ENTRE AS MEDIDAS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: BREVES CONSIDERAÇÕES

ANÁLISE DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO NO CONCERNENTE À APLICABILIDADE DOS REQUISITOS DO RITO ORDINÁRIO: CABIMENTO EM RAZÃO DO VALOR DA CAUSA E MATÉRIA

Mais artigos da área...

Resumo:

Do Agravo de Instrumento no Novo CPC/2015

Texto enviado ao JurisWay em 28/03/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Do Agravo de Instrumento no Novo CPC/2015

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

O recurso de Agravo de Instrumento é previsto nos Arts. 1.015 a 1.020 do Novo Código de Processo Civil, que entrou em vigor neste mês de Março (2016).

 

Diferentemente do que fez o CPC/1973, o NCPC não prevê o cabimento indiscriminado do recurso de Agravo de Instrumento para toda e qualquer decisão interlocutória.

 

O NCPC acaba com o Agravo Retido.

 

O Art. 1.015 do NCPC prevê o cabimento do Agravo de Instrumento para onze hipóteses, quais sejam:

 

I - tutelas provisórias;

 

II - mérito do processo;

 

III - rejeição da alegação de convenção de arbitragem;

 

IV - incidente de desconsideração da personalidade jurídica;

 

V - rejeição do pedido de gratuidade da justiça ou acolhimento do pedido de sua revogação;

 

VI - exibição ou posse de documento ou coisa;

 

VII - exclusão de litisconsorte;

 

VIII - rejeição do pedido de limitação do litisconsórcio;

 

IX - admissão ou inadmissão de intervenção de terceiros;

 

X - concessão, modificação ou revogação do efeito suspensivo aos embargos à execução; e,

 

XI - redistribuição do ônus da prova.

 

Também caberá o Agravo de Instrumento contra decisões interlocutórias proferidas na fase de liquidação ou de cumprimento de sentenças, no processo de execução e no processo de inventário.

 

Afora essas hipóteses, só poderá ser interposto o Agravo de Instrumento nos casos expressamente previstos em lei, sob pena de não conhecimento da irresignação.

 

O prazo para interpor o Agravo de Instrumento e para responder-lhe é de quinze dias.

 

O Agravo de Instrumento deverá ser dirigido diretamente ao Tribunal competente, por meio de petição com os seguintes requisitos:

 

I - os nomes das partes;

 

II - a exposição do fato e do direito;

 

III - as razões do pedido de reforma ou de invalidação da decisão e o próprio pedido; e,

 

IV - o nome e o endereço completo dos advogados constantes do processo.

 

Oportuno registrar que o NCPC acaba com a oportunidade do manejo do Mandado de Segurança e outros meios alternativos/criativos de impugnação de decisões interlocutórias, quando expressamente previsto o cabimento do Agravo de Instrumento.

 

É que o CPC/1973 estabelecia o Agravo de Instrumento como recurso para se atacar estritamente o error in judicando, para se ver reformada a decisão interlocutória combatida dando-se melhor interpretação jurídica ao caso em apreciação à luz do Direito vigente.

 

O NCPC fala expressamente de razões do pedido de “invalidação da decisão”. O que também abarca agora os casos de error in procedendo.

 

A decisão interlocutória inválida seria aquela que a par de encontrar margem interpretativa no direito positivo, esbarra nos pressupostos extrínsecos de sua existência, como, p. ex., quando proferida pelo juiz não-natural, em contrariedade a súmula vinculante, a tese fixada em repercussão geral.

 

Assim, chega ao fim a possibilidade de acesso a meios alternativos de impugnação nos casos de invalidade das decisões judiciais interlocutórias, sempre que expressamente previsto o cabimento do Agravo de Instrumento.

 

Talvez seja o fim de muitas correições parciais requeridas como sucedâneo recursal.

 

A petição de agravo de instrumento será instruída:

 

I - obrigatoriamente, com cópias da petição inicial, da contestação, da petição que ensejou a decisão agravada, da própria decisão agravada, da certidão da respectiva intimação ou outro documento oficial que comprove a tempestividade e das procurações outorgadas aos advogados do agravante e do agravado;

 

II - com declaração de inexistência de qualquer dos documentos referidos no inciso I, feita pelo advogado do agravante, sob pena de sua responsabilidade pessoal; e,

 

III - facultativamente, com outras peças que o agravante reputar úteis.

 

Acompanhará a petição o comprovante do pagamento das respectivas custas e do porte de retorno, quando devidos, conforme tabela publicada pelos Tribunais.

 

Uma grande e bem-vinda inovação foi a possibilidade do Agravo de Instrumento ser interposto por protocolo realizado na própria Comarca.

 

Advogados e Defensores Públicos sabem muito bem da dramática e custosa dificuldade de interposição de recursos diretamente nos protocolos físicos dos Tribunais.

 

Muitas Comarcas do País ficam a centenas ou milhares de quilômetros de distância dos Tribunais, as condições das estradas, trafegabilidade, riscos de acidentes e os custos de locomoção etc, em muito contribuem para dificultar o acesso ao duplo grau de jurisdição.

 

Nos casos das Varas Federais a situação é ainda pior. P. ex., uma decisão proferida pelo juiz federal de Boa Vista em Roraima desafiará recurso de Agravo de Instrumento para o Tribunal Regional Federal em Brasília. Uma distância de aproximadamente 4.000 quilômetros.

 

Assim, a previsão de interposição do Agravo de Instrumento na própria Comarca sem nenhuma dúvida é fator de promoção de acesso à Justiça em toda a sua amplitude, democratizando o papel do Poder Judiciário.

 

A Emenda Constitucional nº 45, de 2004, autorizou aos Tribunais de Justiça a funcionar descentralizadamente, constituindo Câmaras regionais, a fim de assegurar o pleno acesso do jurisdicionado à justiça em todas as fases do processo (Art. 125, §6º, da CF/88). Mas essa boa inovação não foi adiante nos Estados.

 

Na falta da cópia de qualquer peça ou no caso de algum outro vício que comprometa a admissibilidade do Agravo de Instrumento, deverá o Desembargador-Relator conceder o prazo de cinco dias ao recorrente para que seja sanado vício ou complementada a documentação exigível.

 

O CPC revogado não previa a hipótese de emenda do Agravo de Instrumento para sanar vícios extrínsecos de admissibilidade recursal.

 

Não sendo eletrônicos os autos, o Agravante requererá a juntada, aos autos do processo, de cópia da petição do Agravo de Instrumento, do comprovante de sua interposição e da relação dos documentos que instruíram o recurso, sob pena de inadmissibilidade do recurso, desde que arguido e provado pelo Agravado.

 

O Relator solicitará dia para julgamento em prazo não superior a um mês da intimação do Agravado.

 

______________   

 

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

  

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados