JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Sobre o médico que escrevia nas pacientes:


Autoria:

Moises Pacheco


Moises Pacheco,servidor publico,estudante de direito,instrutor de CFC

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Sobre o médico que escrevia nas pacientes: Breves considerações:

Texto enviado ao JurisWay em 10/07/2009.

Última edição/atualização em 13/07/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O fato de profissionais da saúde indicar outro local para os pacientes serem melhor atendidos, com mais infra-estrutura não é nenhuma novidade devido à situação caótica de nossa saúde publica, tanto no eixo Rio - São Paulo, mas como também aqui no Rio Grande do sul.

Muitos estabelecimentos de saúde, tanto das redes básicas, ou seja, os postos de saúde, como na rede avançadas; os pronto-antendimentos (PAM) e os hospitais de referencia muitas vezes não tem a menor infra-estrutura pra atender caso graves.

Exemplos destes locais, por exemplo, são os hospitais da região metropolitana de Porto Alegre, refiro-me por conhecimento o Hospital da Cachoeirinha que não tem atendimento traumatológico e pra onde a SAMU leva todos os casos de acidentes, obrigando os pacientes, em caso de fratura, ficarem por dias esperando um atendimento especializado em um hospital de grande porte como o Hospital Cristo Redentor, caso similar acontece também no hospital deViamão.

Em Gravataí o PAM, também referencia pra acolhimento de pacientes trazidos pelo SAMU, não tem obstetra ou ginecologista de plantão, porem possui clinico, pediatra e traumatologista de plantão.

Esses casos não são pontuais e mostram as falhas no sistema de saúde publica, deixando na mão dos profissionais de saúde a decisão de atender pacientes sem ter as condições necessárias, como o caso do medico no Hospital Miguel Couto no Rio de Janeiro que escreveu na pele do paciente um hospital onde ela teria melhores condições de atendimento.

Este fato em especial revoltou a mídia porem a mesma não esta avaliando bem esta situação, jogando toda a culpa no profissional, mas se analisarmos imparcialmente o fato veremos por trás deste ato uma tentativa por parte do profissional em ajudar a paciente, devido à gravidade do seu caso, prova é que a paciente ao dar a luz perdeu seu filho. Talvez se tivesse ficado no Hospital Miguel  Couto viesse a morrer também.Não é querer amenizar os fatos,nem hipocritamente agradecer por ela ter sobrevivido,mas a situação é mais complexa.

Quando o paciente chega a um hospital e este não tem condições de atendê-lo, este hospital não pode deixar o paciente abandonado a pro pia sorte, começa então uma corrida aos telefones para fazer tentativas de transferência do paciente para um hospital que possa atender o caso grave deste paciente. Ocorre que com a super-lotação destes hospitais de maior complexidade este paciente entra para uma fila de espera,a chamada “central de leitos”que tenta em todos os hospitais um leito,enquanto isto o paciente tem que ficar no hospital de origem,o mesmo que não tem muitas vezes a menos condição de atender o caso especifico,gerando,muitas vezes,o agravamento do caso do paciente.

A atitude deste medico no Rio de Janeiro deveria ser visto por outro lado, visto como uma tentativa de salvar a vida desta paciente, visto como uma declaração de incompetência, de incapacidade para salvar vidas, deveria ser visto também como um pedido de socorro, um sinal de alerta para as autoridades e para a sociedade, para que alguém tome uma atitude.

A saúde publica pede socorro os fatos estão ai, na mídia, eles acontecem não só no Rio de Janeiro, não só em Porto Alegre ou na Regia Metropolitana, mas em todos os cantos deste Brasil. 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Moises Pacheco) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Beatriz (07/08/2009 às 23:18:13) IP: 201.82.85.117
Infelizmente os meios televisivos de comunicação em nosso país distorcem a realidade em busca de um 'furo jornalístico'. Com a desregulamentação da profissão de jornalista vai ficar ainda pior... No caso em tela devemos analisar a situação da forma mais próxima da realidade. Naquela circunstância emergencial o médico não foi "politicamente correto" mas foi criativo ao utilizar um meio eficaz para encaminhar a parturiente certificando-se que a mesma não iria se esquecer/perder o endereço.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados