JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Somos Todos Bento Rodrigues


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

MEIO AMBIENTE DO TRABALHO: A LEI 12.551/2011 QUE REGULAMENTOU O TRABALHO À DISTÂNCIA OU EM DOMICÍLIO E AS NOVAS PERSPECTIVAS DO PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO

NOÇÕES DE DIREITO AMBIENTAL

Nanotecnologia e direito ambiental: princípio da precaução e da prevenção

MERCADO DE CRÉDITOS DE CARBONO: COMÉRCIO DE PERMISSÕES EM BOLSAS

O PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA PROPRIEDADE URBANA E SUA APLICABILIDADE NA PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE.

AS NECRÓPOLES, SUA SIMBOLOGIA CULTURAL E IMPACTO NA PAISAGEM LOCAL: aspectos ecológicos e patrimoniais dos sete cemitérios da capital mineira

Breves comentários acerca da Lei dos Crimes Ambientais e respectiva regulamentação

ASPECTOS DA TUTELA DO MEIO AMBIENTE E ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO

Áreas de Proteção Especial - Melhor conhecê-las, para melhor defendê-las.

O CAMINHO DAS ÁGUAS III

Mais artigos da área...

Resumo:

Somos Todos Bento Rodrigues

Texto enviado ao JurisWay em 11/11/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Somos Todos Bento Rodrigues

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Inconscientemente a vida nas cidades nos torna seres impassíveis, indiferentes ao que se passa fora dessas verdadeiras fortalezas de aço, concreto e vidro. O habitante das grandes cidades muitas vezes acredita ser aquele cosmonauta hóspede daquela sofisticada estação espacial dos filmes de ficção científica hollywoodianos.

 

Para o cidadão urbano, a existência de vida fora dos limites de sua cidade ecoa como algo incompreensível. Afinal, quem conseguiria imaginar um ser vivo sem wi-fi, internet, celular e tv paga? Sem oxigênio até que seria possível supor a existência de uma vida orgânica qualquer, mas no dias de hoje é humanamente inconcebível a probabilidade de alguém ou alguma coisa sobreviver sem acessar seu perfil na rede social ou dar uma espiadinha no seu whatsapp – escrevo com letras minúsculas, sem itálico no estrangeirismo, pois acredito que a expressão já deva ter virado substantivo até o encerramento deste texto –.

 

Pois bem, tenho uma grande novidade a revelar para muitos, talvez uma notícia inédita para os mais jovens, notadamente para aqueles da geração “y”, também chamada geração do milênio ou geração da internet: existe, sim, vida fora das cidades. Há seres sencientes por toda a parte fora das cidades, inclusive seres humanos, todos também dotados de sensibilidade e almejando buscar e obter a felicidade.

 

Ora, aonde você imaginava que ficavam instalados os abatedouros, as usinas nucleares, as mineradoras e siderúrgicas, as fábricas de fundição de chumbo, a produção de curtume e substâncias químicas, as refinarias e os grandes lixões? Lamento revelar que nenhum dos bens e produtos que você consome é produzido na casa daquele seu vizinho excêntrico ou em alguma galeria florida de seu bairro.

 

Pois é. Tudo que eu e você consumimos, sem exceção, importa na perda ou destruição daquilo que se encontra ao nosso redor, muitas vezes fora de nossas grandes cidades, nas zonas rurais, nos distritos e vilarejos mais distantes de nossos doces e sofisticados lares. Desde o momento que acordamos até o adormecer estamos a todo instante mortificando nossa fauna e flora, nossos recursos minerais, tudo aquilo que a Terra levou cerca de cinco bilhões de anos para criar.

 

Sabe porque o rompimento das barragens de Mariana, em Minas Gerais, causou tanto furor e destaque? Porque essa tragédia não se limitou a aquela gente do interior pobre e sofrida do subdistrito de Bento Rodrigues. Porque essa catástrofe não atingiu somente aquelas pessoas e aqueles animais que todo o dia fingimos não existir ou nem sequer queremos notícias.

 

Todos nós fomos e somos diretamente atingidos pela desgraça que começou no esquecido subdistrito de Bento Rodrigues. O rio Doce, o mais importante da bacia hidrográfica da Região Sudeste, em seus quase novecentos quilômetros de extensão, foi duramente atingido pela tsunami de lama de rejeitos de minério. Duzentas e vinte e oito grandes cidades, entre mineiras e capixabas, foram abaladas por essa contaminação. Algumas delas estão até hoje com a captação, abastecimento e fornecimento de água interrompidos.

 

Quanta ironia. Aquele morador das grandes cidades com wi-fi, internet, celular e tv paga, mas sem água, sem água sequer para beber. Isso sim nos incomoda. Agora, que venham as duras sanções e reprimendas da lei em vigor. Que sejam exemplarmente punidos os envolvidos, doa a quem doer, que cortemos na carne esse câncer que impediu que a água gelada chegasse aos nossos filtros e purificadores de carvão ativado e aos frigobares de nossas varandas. E como fica o gelo do uísque do nosso sagrado happy hour de cada dia? Neste último caso o dano moral é in re ipsa.

 

Em verdade, ufanados pelo capitalismo cruel e pelo american way of life, todos os dias destruímos uma Bento Rodrigues, sem nenhuma comiseração. Mas enquanto nossa aparentemente inexpugnável estação espacial não é atingida está tudo bem, dentro dos limites do aceitável e do tolerável. O homem do interior e sua família, esses intrometidos seres sem wi-fi, que se lixem, juntamente com seus animais, que prestem toda a reverência ao homem-deus das cidades.

 

 Diz um velho ditado holandês, “Deus perdoa, a natureza não”.

 

___________________  

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público no Estado do Espírito Santo  

 

 

  

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados