JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Somos Todos Bento Rodrigues


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Somos Todos Bento Rodrigues

Texto enviado ao JurisWay em 11/11/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Somos Todos Bento Rodrigues

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Inconscientemente a vida nas cidades nos torna seres impassíveis, indiferentes ao que se passa fora dessas verdadeiras fortalezas de aço, concreto e vidro. O habitante das grandes cidades muitas vezes acredita ser aquele cosmonauta hóspede daquela sofisticada estação espacial dos filmes de ficção científica hollywoodianos.

 

Para o cidadão urbano, a existência de vida fora dos limites de sua cidade ecoa como algo incompreensível. Afinal, quem conseguiria imaginar um ser vivo sem wi-fi, internet, celular e tv paga? Sem oxigênio até que seria possível supor a existência de uma vida orgânica qualquer, mas no dias de hoje é humanamente inconcebível a probabilidade de alguém ou alguma coisa sobreviver sem acessar seu perfil na rede social ou dar uma espiadinha no seu whatsapp – escrevo com letras minúsculas, sem itálico no estrangeirismo, pois acredito que a expressão já deva ter virado substantivo até o encerramento deste texto –.

 

Pois bem, tenho uma grande novidade a revelar para muitos, talvez uma notícia inédita para os mais jovens, notadamente para aqueles da geração “y”, também chamada geração do milênio ou geração da internet: existe, sim, vida fora das cidades. Há seres sencientes por toda a parte fora das cidades, inclusive seres humanos, todos também dotados de sensibilidade e almejando buscar e obter a felicidade.

 

Ora, aonde você imaginava que ficavam instalados os abatedouros, as usinas nucleares, as mineradoras e siderúrgicas, as fábricas de fundição de chumbo, a produção de curtume e substâncias químicas, as refinarias e os grandes lixões? Lamento revelar que nenhum dos bens e produtos que você consome é produzido na casa daquele seu vizinho excêntrico ou em alguma galeria florida de seu bairro.

 

Pois é. Tudo que eu e você consumimos, sem exceção, importa na perda ou destruição daquilo que se encontra ao nosso redor, muitas vezes fora de nossas grandes cidades, nas zonas rurais, nos distritos e vilarejos mais distantes de nossos doces e sofisticados lares. Desde o momento que acordamos até o adormecer estamos a todo instante mortificando nossa fauna e flora, nossos recursos minerais, tudo aquilo que a Terra levou cerca de cinco bilhões de anos para criar.

 

Sabe porque o rompimento das barragens de Mariana, em Minas Gerais, causou tanto furor e destaque? Porque essa tragédia não se limitou a aquela gente do interior pobre e sofrida do subdistrito de Bento Rodrigues. Porque essa catástrofe não atingiu somente aquelas pessoas e aqueles animais que todo o dia fingimos não existir ou nem sequer queremos notícias.

 

Todos nós fomos e somos diretamente atingidos pela desgraça que começou no esquecido subdistrito de Bento Rodrigues. O rio Doce, o mais importante da bacia hidrográfica da Região Sudeste, em seus quase novecentos quilômetros de extensão, foi duramente atingido pela tsunami de lama de rejeitos de minério. Duzentas e vinte e oito grandes cidades, entre mineiras e capixabas, foram abaladas por essa contaminação. Algumas delas estão até hoje com a captação, abastecimento e fornecimento de água interrompidos.

 

Quanta ironia. Aquele morador das grandes cidades com wi-fi, internet, celular e tv paga, mas sem água, sem água sequer para beber. Isso sim nos incomoda. Agora, que venham as duras sanções e reprimendas da lei em vigor. Que sejam exemplarmente punidos os envolvidos, doa a quem doer, que cortemos na carne esse câncer que impediu que a água gelada chegasse aos nossos filtros e purificadores de carvão ativado e aos frigobares de nossas varandas. E como fica o gelo do uísque do nosso sagrado happy hour de cada dia? Neste último caso o dano moral é in re ipsa.

 

Em verdade, ufanados pelo capitalismo cruel e pelo american way of life, todos os dias destruímos uma Bento Rodrigues, sem nenhuma comiseração. Mas enquanto nossa aparentemente inexpugnável estação espacial não é atingida está tudo bem, dentro dos limites do aceitável e do tolerável. O homem do interior e sua família, esses intrometidos seres sem wi-fi, que se lixem, juntamente com seus animais, que prestem toda a reverência ao homem-deus das cidades.

 

 Diz um velho ditado holandês, “Deus perdoa, a natureza não”.

 

___________________  

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público no Estado do Espírito Santo  

 

 

  

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados