JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

PRIMARIEDADE


Autoria:

Jose Antonio Cantuaria Monteiro Rosa Filho


Advogado, especialista em Ciências Criminais pela Escola Superior do Legislativo do Piauí, Membro do comitê de combate a tortura; Dir. da Associação dos Advogados Criminalistas do Estado do Piauí.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

LAVAGEM DE CAPITAIS LEI N.º 9.613/98
Direito Penal

MARIA DA PENHA
Direito Processual Penal

Resumo:

Trata-se do tema muito comum em exames e concursos publicos, visando dessa forma a compreensão dos demais para a importância e o cuidado do pré julgamento, uma vez que ninguém será culpado sem sentença com transito em julgado.

Texto enviado ao JurisWay em 02/11/2015.

Última edição/atualização em 03/11/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O QUE É PRIMARIEDADE?

 

 

Não viemos tratar do que seria correto ou não,pois não buscamos o título de "dono da verdade", acreditamos que ninguém o seja, embora segundo as lições do apóstolo Paulo, quando a conhecemos somos libertos, porém, não obstante isto, o nosso desiderato precípuo é chamar atenção para o engano elementar, ou pior que isto, para o erro crasso, reiteradamente repetido no quotidiano de incontáveis operadores do direito, notadamente de alguns dignos representantes do Parquet e, sobretudo, de meritíssimos e ilibados membros da Magistratura, quando por ocasião da dosimetria da pena se fundamentam em conceito absolutamente errôneo e totalmente desamparado dos princípios e preceitos sustentadores do nosso ordenamento jurídico.

 

Com efeito, primariedade não implica na existência de duas ou mais condenações. O indivíduo pode haver sido condenado duas ou mais vezes, sem perder o atributo da primariedade. Na verdade, a primariedade consiste na inexistência de condenação, lembre-se, transita em julgado, por delito praticado após a existência de uma condenação "transita em julgado", repita-se, pré-existente ao fato delituoso ensejador da segunda condenação.

 

Colho do magistério do ilibado Procurador de Justiça do Estado de Goiás, e professor de Direito Processual Penal da Universidade Católica de Goiás, o Mestre Geraldo Batista de Siqueira, em excelente opúsculo, "Processo Penal" Comentários ä lei n.º 5.941, de 22/02/1973, Editora Jalovi, Bauru S. Paulo, ed. 1980, loc, cit., pag. 21, citando Damásio Evangelista de Jesus, magistral lição acerca do tema, que, diga-se, en passant, nos foi oferecida com o seguinte teor:

 

"Criminoso primário é não só o que foi condenado pela primeira vez, como também o que foi condenado várias vezes, sem ser reincidente. Suponha-se que o agente em meses seguidos cometa vários crimes em Comarcas diferentes. É processado várias vezes, sendo condenado em todas as comarcas. Embora tenha sofrido condenações irrecorríveis. Não se trata de réu, reincidente, pois não cometeu novo delito após o transito em julgado de nenhuma sentença condenaria por prática de crime, permanecendo, pois primário" (Direito penal, vol. l, 3ª edição, loc. cit., pag.529).

 

Desse modo, o conceito de primariedade, por ter grande relevância em diversas situações referentes ao status libertatis do sujeito passivo do processo penal, tais como: enquanto acusado, nos feitos relativos aos pedidos de liberdade provisória; no ato da condenação, em virtude das determinações do famoso artigo 59, orientador da pena; ou mesmo, e, principalmente na fase executiva, posterior a condenação em relação aos diversos direitos subjetivos consagrados na LEP, que alguns erroneamente preferem chamar de benefícios, e, até mesmo, em situações post mortem, ou após o cumprimento da pena, no que pertine a possibilidade ou não da concessão do indulto.

 

Ora, diante da máxima dormientibus non sucurrit, o operador do direito tem que estar atento ao reconhecimento da ocorrência, ou não, do instituto da primariedade, em todas as fases do processo.

 

O acusado, o condenado, ou mesmo o reeducando não pode ter sua situação jurídica agravada, por interpretação divorciada do sistema em que se aperfeiçoa o ordenamento jurídico, sob pena de se ver ferida de morte e, conseqüentemente, atestado o óbito da maior garantia do Direito Penal, em que se consubstancia o princípio da anterioridade da Lei, ou, em suma, o supra-princípio da reserva legal.

 

O grande mestre CESARE BECCARIA se expressava de forma lapidar:

 

"Somente a necessidade obriga aos homens ceder uma parcela de sua liberdade, disso advém que cada qual apenas concorda em pôr no depósito comum a porção possível dela, quer dizer, exatamente o necessário para empenhar outros sem mantê-lo na posse do restante. A reunião de todas essas pequenas parcelas de liberdade constitui o fundamento do direito de punir." (DOS DELITOS E DAS PENAS)".

 

Ora, o lema "libertas quae será tamen" não pode ser aceito, quando a LIBERDADE pode ser vivenciada agora.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Jose Antonio Cantuaria Monteiro Rosa Filho) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados