JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Produção de Textos com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

REAJUSTES DE MENSALIDADES NOS PLANOS DE SAÚDE


Autoria:

Janine Bertuol Schmitt


Advogada. Bacharel em direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Pós-graduanda em Direito Imobiliário pela Escola Paulista de Direito. Atua na esfera cível, com destaque na área de direito imobiliário.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O DIREITO DO CONSUMIDOR E A INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA: Estudo acerca da obrigação do Magistrado de analisar ex officio os requisitos para a inversão do ônus da prova.

A RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DA EMPRESA E O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

Breves Considerações sobre a Produção da Prova Segundo o Direito do Consumidor

Enchentes, um caso de responsabilidade moral!

DANOS MORAIS E SUA VALORIZAÇÃO PELOS TRIBUNAIS

Bagagem Extraviada - Conheça seus direitos

Cobranças indevidas nos financiamentos de veículos

4ª PARTE DO ESTUDO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR - DOS PRAZOS PARA RECLAMAR NA LOJA OU NA FÁBRICA,DISTRIBUIDORES E TODOS AQUELES QUE SÃO SOLIDÁRIOS E RESPONSÁVEIS PELO PRODUTO OU SERVIÇO - DEFEITOS NO PRODUTO OU NO SERVIÇO - LEI Nº 8.078 DE 11 DE SETE

Perdi a comanda na balada, e agora?

O Código de Defesa do Consumidor e o envio de cartão de crédito não solicitado

Mais artigos da área...

Resumo:

Os contratos de planos de saúde submetem-se ao Código de Defesa do Consumidor e desta forma precisam observar e se absterem de práticas irregulares. O reajuste de mensalidade é permitido, entretanto precisa respeitar as determinações da legislação.

Texto enviado ao JurisWay em 13/05/2015.

Última edição/atualização em 14/05/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O DIREITO A SAÚDE 

O direito à saúde é assegurado pela Constituição Federal de 1988, que determina em seu artigo 196: 

A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para a sua promoção, proteção e recuperação.

 

 

Embora tal previsão venha estampada em nossa Carta Magna, sabemos que comumente o Estado não consegue fornecer e garantir os direitos oriundos do preceito constitucional a todos os cidadãos. Neste contexto, surgem as seguradoras e administradores dos planos de saúde privados, solução encontrada pelos consumidores que desejam ter acesso à saúde e qualidade de vida.

 

LEGISLAÇÃO NACIONAL 

Conforme a legislação infraconstitucional, os contratos de planos de saúde submetem-se ao Código de Defesa do Consumidor e assim, conforme determinado pelo CDC, tais contratos são protegidos contra práticas irregulares e cláusulas abusivas, neste sentido o artigo 6º, inciso VI:

 

São direitos básicos do consumidor:

IV – a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais bem como contra práticas e  cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços; (…).”.  

Em que pese a existência da proteção legal, são comuns e inúmeros os casos no judiciário em que planos de saúde adotam práticas abusivas em relação aos consumidores tal como a limitação de internações e consultas, a proibição de determinados procedimentos, a rescisão de contrato em razão do custo, reajustes abusivos, etc.

 

OS TIPOS DE PLANOS 

O plano de saúde pode ser individual, quando o consumidor procura e adquire o plano diretamente com a operadora. Pode se enquadrar no plano coletivo empresarial quando o plano é contratado pela empresa em que o consumidor trabalha ou, ainda, o coletivo por adesão. Estes dois últimos grupos são aqueles contratos em que os segurados fazem parte de um grupo setorial ou profissional (sindicatos, conselhos, associações) e aderiram a um contrato pronto, sem discutir os termos do seu conteúdo.

 

Os planos coletivos correspondem a 80% dos planos de saúde existentes no país e não se submetem as regras da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

 

REAJUSTES DAS MENSALIDADES

 

O aumento de mensalidades é permitido, mas o critério de reajuste precisa estar previsto no contrato e somente ocorrer uma vez a cada 12 (doze) meses.

 

O Código de Defesa do Consumidor também restringe o reajuste, tornando a prática abusiva e por consequência, nula as cláusulas contratuais que permitam ao fornecedor variação do preço de maneira unilateral, bem como aquelas que estabeleçam obrigações consideradas injustas e que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada.  

            A presença de cláusulas abusivas no que tange ao reajuste de mensalidades, em especial o reajuste em razão da mudança da faixa etária viola, especialmente, a lei nº 10.741/03, conhecida como Estatuto do idoso, já que esta, em seu artigo 15, § 3º veda a discriminação do idoso nos planos de saúde. 

 Além da previsão legislativa, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), determinou em 2014 o índice máximo de reajuste permitido para os planos individuais: 9,65%. 

Nos casos em que a ANS são controla os reajustes realizados, como nos planos coletivos empresariais e por adesão, é válido dizer que o Judiciário tem na grande maioria dos casos, reconhecido a ilegalidade dos aumentos que não estejam de acordo com este limite determinado pela ANS.

 

O QUE O CONSUMIDOR DEVE FAZER AO SOFRER O ABUSO 

            O consumidor deve estar atento aos seus direitos, ter o hábito de ler contratos e verificar os reajustes. 

Para os momentos em que se faz necessária a intervenção estatal, o Poder Judiciário deve reprimir os abusos praticados em desfavor dos consumidores. 

 

Por isso, se o consumidor ver-se diante de uma postura abusiva por parte das seguradoras de planos de saúde, no que diz respeito aos reajustes abusivos, este deve buscar amparar-se da lei, com orientação técnica de advogado, podendo inclusive ingressar com ação judicial solicitando a revisão do aumento e a devolução dos valores pagos a maior.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Janine Bertuol Schmitt) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2017. JurisWay - Todos os direitos reservados