JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

O segurado pode perder o direito a ser indenizado.


Autoria:

Isadora De Moraes Pinheiro Murano


Isadora de Moraes Pinheiro Murano, advogada, formanda em Direito na Faculdade ANHANGUERA/UNIDERP, CAMPO GRANDE - MS. Experiência no contencioso de volume nos segmentos seguro e bancário.

envie um e-mail para este autor

Texto enviado ao JurisWay em 23/04/2014.

Última edição/atualização em 24/04/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A atividade seguradora no Brasil teve início com a abertura dos portos ao comércio internacional no ano de 1808, mas apenas em 1916 é que ocorreu o maior avanço de ordem jurídica no campo do contrato de seguro, ao ser sancionada a Lei n° 3.071, que promulgou o Código Civil Brasileiro, com um capítulo específico dedicado aos contratos de seguro.

 

Os objetivos das regras formuladas pelo Código Civil foram implantar os princípios essenciais do contrato e disciplinar os direitos e obrigações das partes, de modo a evitar e dirimir conflitos entre segurados e seguradoras.

 

Muito embora tenham se criado normas para evitar e dirimir os conflitos entre os interessados no seguro, nos últimos anos o judiciário brasileiro vem sendo abarrotado de ações contra seguradoras, entretanto, grande parte delas sem fundamento. De um lado, a seguradora que, por um motivo plausível, nega a indenização ao segurado, e de outro, este mesmo segurado inconformado, acreditando ser indevida a justificativa apresentada. 

 

Na maioria desses casos, o segurado alega abusividade por parte das seguradoras, afirmando que os contratos de seguro possuem cláusulas leoninas e ilegais, no entanto, esta nem sempre é a realidade, já que o consumidor precisa ter ciência de que seus direitos também podem e devem sofrer certas limitações.

 

Ora, como uma seguradora pode pagar uma indenização, muitas vezes milionária, se o contrato de seguro foi pautado na -fé do segurado que, mesmo respondendo a um questionário especifico, escondeu que era portador de uma doença grave? Como pode uma seguradora arcar com as despesas materiais de um segurado que provocou o acidente porque dirigia embriagado, infringindo as leis de trânsito?  Como pode uma seguradora indenizar um segurado se sua invalidez sequer restou comprovada? 

 

Ao contratar um seguro, o consumidor conta com a garantia de diversos benefícios e coberturas, porém, alguns comportamentos, como os alegados acima, podem fazer o mesmo perder o direito a indenização.

 

Por essas e outras, é que os contratos de seguro devem sim conter clausulas limitativas, já que, não seria licito a seguradora arcar com indenização em toda e qualquer espécie de sinistro.

 

Cabe ainda mencionar que, embora os contratos de seguro sejam tratados como contratos de adesão, os mesmos estão estabelecidos em consonância com as Leis, normas e regulamentos da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), que é o órgão responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguro, inexistindo, portanto, qualquer ilegalidade ou abusividade nas cláusulas que limitam os direitos dos segurados.

 

Ao aderir uma apólice de seguro, o consumidor anui, livre e espontaneamente, com todas as cláusulas, coberturas e valores constantes no contrato, de tal modo que, posteriormente, ao sofrer um sinistro, não pode por puro interesse próprio, delas discordar, já que, desde o início da relação, esteve ciente de todos os termos contratados.

 

O que deve ser levado em consideração pelo consumidor/segurado é que ele também possui deveres perante o contrato e, acaso não respeite algumas das cláusulas pactuadas, como dirigir embriagado ou omitir doença grave, pode vir a perder o direito a ser indenizado.

 

 

Isadora Murano, advogada do Escritório Mascarenhas Barbosa & Advogados Associados.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Isadora De Moraes Pinheiro Murano) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados