JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

VALORAÇÃO DAS PROVAS À LUZ DO PRINCÍPIO DA VERDADE MATERIAL.


Autoria:

Jackson Pacheco Jaques


ADVOGADO- SÓCIO DO ESCRITÓRIO: R&J ADVOGADOS ASSOCIADOS. PÓS GRADUAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

DECADÊNCIA
Direito Tributário

como se dá a tributação (ou não) do ISS sobre as atividades bancárias
Direito Tributário

DELAÇÃO PREMIADA
Direito Tributário

TRIBUTO VS MULTA
Direito Tributário

Outros artigos da mesma área

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO NO PROCESSO ADMINISTRATIVO: UMA ANÁLISE DA (IN) CONSTITUCIONALIDADE DA LEI 105/2001

PRESUNÇÃO LEGAL DE OMISSÃO DE RENDIMENTOS: CONSIDERAÇÕES E (IN)CONSTITUCIONALIDADES

TEMAS DAS SÚMULAS CONSOLIDADAS DO CARF/MF GANHARAM IMPORTÂNCIA APÓS PORTARIA 2.025 DA PGFN

A COMPLEXIDADE DO SISTEMA TRIBUTARIO BRASILEIRO

IRPF 2013 EXIGE DECLARAÇÃO ENXUTA E PERFEITA

Tributação e orçamento

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA DE TERCEIROS RELACIONADA ÀS MULTAS MORATÓRIAS

A INCONSTITUCIONALIDADE DA BASE DE CÁLCULO DA PIS/PASEP-IMPORTAÇÃO E COFINS-IMPORTAÇÃO - BREVE ANÁLISE DA JURISPRUDÊNCIA

IMPOSTO DE RENDA E O PRINCÍPIO PECÚNIA NON OLET

Tratamento Tributário diferenciado para as farmácias de manipulação: incidência de ISS, não de ICMS

Mais artigos da área...

Resumo:

TRATA DAS DEFESAS ADMINISTRATIVAS EM FACE AOS ÓRGÃOS COMPETENTES, RFB, INSS E ETC.

Texto enviado ao JurisWay em 19/03/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

INTRODUÇÃO

 

Prova (probatio) transmite a ideia de exame, comprovação, buscando demonstrar a existência de um fato jurídico, com o objetivo de influenciar convencimento e de fundamentar decisão. Contudo, a administração só pode fazer aquilo que a lei manda, pois, goza do princípio da presunção da veracidade.

 

Nessa ótica, buscaremos através da doutrina e da legislação como se deve dar, no processo administrativo tributário, a valoração das provas à luz do princípio da verdade material.

 

 

A PROVA NO QUE TANGE A LEGISLAÇÃO

 

Preconiza o art. 333, I e II do Código do Processo Civil Brasileiro que:

 

O ônus da prova incube:”

 

“I- ao autor, quanto ao fato constitutivo do seu direito:

 

II- ao réu, quando à existência de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor.”

 

No mesmo sentido, à Carta Magna disciplina que:

 

Art. 5º, LIV, LV eLVI.

 

“LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal;

LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes;

LVI - são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos;”

 

No que tange o Artigo supracitado, incube a responsabilidade do auto no que tange seu direito constitutivo, ou seja, aquilo que nasce na alegação ‘originária’.

 

Em outro giro, é do réu a incumbência objetiva de demonstrar que o fato levantado pela parte contrária, nesse caso o autor, apresentou provas infrutíferas ou inequívocas, ou seja, modificar, impedir ou extinguir.

 

Todo direito material necessita da formalidade que irá reger o processo, isto é, não há de se falar de material antes de tratarmos da forma.

 

 

A PROVA NA VISÃO DOUTRINÁRIA

 

Para Celso Antônio Bandeira de Mello, “se a Administração tem por finalidade alcançar verdadeiramente o interesse público fixado na lei, é óbvio que só poderá fazê-lo buscando a verdade material, ao invés de satisfazer-se com a verdade formal, já que esta, por definição, prescinde do ajuste substancial com aquilo que efetivamente é, razão por que seria insuficiente para proporcionar o encontro com o interesse público substantivo”. (MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 26. ed., São Paulo: Malheiros Editores, 2009, p. 502.) (Grifos nossos)

 

A prova em abstrato encontra-se no plano da existência, validade e eficaz, portanto, não há como declarar um fato sem demonstrar a veracidade das alegações.

 

Para Celso Antônio Bandeira de Mello, a verdade é um bem do interesse público.

 

De igual modo, James Marins assevera que “a exigência da verdade material corresponde à busca pela aproximação entre a realidade factual e sua representação formal: aproximação entre os eventos ocorridos na dinâmica econômica e o registro formal de sua existência; entre a materialidade do evento econômico (fato imponível) e sua formalização através do lançamento tributário”. (MARINS, James. Direito Processual Tributário Brasileiro. São Paulo: Dialética, 2001, p. 177) (Grifo nosso).

 

 

Destarte, os autores buscaram elementos objetivos quanto à matéria de fato e de direito, no qual “[...] a administração tem por finalidade alcançar verdadeiramente o interesse público fixado na lei”.

 

CONCLUSÃO

 

        Conclui-se, que o princípio da verdade real, ou seja, buscar respostas contundentes a fim de resguardar o interesse público, independe de provas, admitindo documentos para ser analisados fora dos autos, isto é, com a finalidade da busca da verdade real.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Jackson Pacheco Jaques) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados