JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

PROCESSO DE DESAPROPRIAÇÃO


Autoria:

Greice Schwingel


Estudante de Direito, 10º semestre, Universidade Univates Lajeado/RS.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

A POSSIBILIDADE DE PENHORA DOS VENCIMENTOS E SALÁRIOS DO DEVEDOR COMO FORMA DE SATISFAÇÃO DO CRÉDITO DO EXEQUENTE.

PROCESSOS CAUTELARES

O PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA NOS CASOS EM QUE NÃO SEJA CONSIDERADO DE REPERCUSSÃO GERAL E NOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS

O Procedimento Arbitral e a ausência de recurso - Um estudo sobre as possíveis alternativas ao reexame

A FUNÇÃO SOCIAL DA DECISÃO JUDICIAL

BREVES INOVAÇÕES NO PROCEDIMENTO COMUM DO CÓDIGO FUX

A PENHORA ON LINE COMO MECANISMO DE COMBATE A MOROSIDADE PROCESSUAL

PEDIDO DE DESISTÊNCIA

A prescrição ex officio no Código Processual Civil de 1973 (reformado) X Novo Código de Processo Civil - PLS 166/2010

Prisão civil por débito alimentício: Algumas considerações e compreensões acerca do período máximo de prisão

Mais artigos da área...

Resumo:

Resumo de como ocorre o processo de desapropriação e suas particularidades.

Texto enviado ao JurisWay em 06/03/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

                Abaixo está uma breve explicação como é a dinâmica do processo de desapropriação, o que é desapropriação indireta.

                Se é devida indenização nesse caso ao proprietário e como  proceder se houve desvio de finalidade no decreto expropriatório.

 

O procedimento de desapropriação envolve duas etapas:

A primeira etapa é conhecida como declaratória.

Trata-se de uma fase que se desenvolve no âmbito administrativo e se consolida com a realização do ato declaratório da autoridade competente para a desapropriação.

A segunda etapa é conhecida como executória.

Diferentemente da primeira etapa que sempre irá se realizar no âmbito administrativo, a etapa executória eventualmente, pode se desenvolver na esfera judicial.

Na realidade, a decisão será do expropriado, que concordando com os termos da desapropriação e por consequência, com o valor da indenização, entra em conciliação com o poder público, no próprio âmbito administrativo, não havendo necessidade do deslocamento para a esfera judicial.

Todavia, não havendo a composição amistosa, seja pela insurreição do expropriado em face da desapropriação propriamente dita, seja em face do valor da indenização, há a necessidade do deslocamento da questão para a esfera judicial, que irá decidir a questão.

 

A desapropriação indireta, segundo José dos Santos Carvalho Filho, é “o fato administrativo pelo qual o Estado se apropria de bem particular, sem observância dos requisitos da declaração e da indenização prévia”, sendo que o particular só terá direito a indenização por perdas e danos, que, diferentemente da desapropriação normal, será realizada posteriormente ao desapossamento do bem, cabendo ao proprietário pleitear no prazo máximo de cinco anos seus direitos de indenização.

 

Nesse sentido:

Ementa: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. DESAPROPRIAÇÃO INDIRETA. SERVIDÃO ADMINISTRATIVA. JUSTA INDENIZAÇÃO. LUCROS CESSANTES. JUROS COMPENSATÓRIOS. É de ser acolhida a aclaratória para sanar a contradição apontada, determinando que os juros compensatórios, na esteira da orientação consolidada neste Tribunal, são devidos desde a data da perícia, uma vez que atribuído, nesta ocasião, valor atual ao imóvel expropriado. Aplica-se, portanto, a dicção da Súmula nº 345, do Pretório Excelso. EMBARGOS ACOLHIDOS, COM EFEITOS INFRINGENTES. (Embargos de Declaração Nº 70054022678, Terceira Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Rogerio Gesta Leal, Julgado em 06/06/2013).

 

Alguns doutrinadores entendem que desvio de poder, ou finalidade, é onde há ânimo predestinado de atender a outros interesses distintos daqueles previstos na lei, e que seria um vício de legalidade, pois a concepção ética de desvio de poder estaria na própria lei.

O art. 2° da Lei n°. 4.717/65 afirma a nulidade dos atos lesivos ao patrimônio público no caso de desvio de poder, colocando-o assim, como vício de legalidade.

Nas palavras de Celso Antônio Bandeira de Mello, “se pode dizer que tomar uma lei como suporte para a prática de ato desconforme com sua finalidade não é aplicar a lei, é desvirtuá-l, é burlar a lei sob pretexto de cumpri-la. Daí porque os atos incursos neste vício – denominado desvio de poder ou desvio de finalidade – são nulos. Quem desatende ao fim legal desatende à própria lei”.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Greice Schwingel) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados