JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Violência Financeira contra a Mulher - Contra o Abuso e a Fraude Sentimental


Autoria:

Walkyria Carvalho


Wallkyria Carvalho - Advogada; Especialista em Ciências Criminais pela UFPE; Master em Ciências Jurídicas com foco em TPI, crimes de Genocídio, Crimes contra a Humanidade, Terrorismo; professora da Pós-Graduação da Faculdade Joaquim Nabuco e OAB/PE.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

RACISMO E INJÚRIA RACIAL NOS ESTÁDIOS E REDES SOCIAIS. O Direito Penal como instrumento de repressão ao preconceito

A inconstitucionalidade da redução da maioridade penal à luz da dignidade da pessoa humana

A ampliação da adoção do instituto da delação premiada para os tipos penais em geral

A cobrança de período pelos estacionamentos privados: breve análise sobre a ilicitude de tal conduta

CONTRABANDO DE CIGARROS PODE TER SUA INSIGNIFICÂNCIA RECONHECIDA.

Condenado por tráfico de drogas pode cumprir pena alternativa e regime inicial aberto

HABEAS CORPUS: O "BARBEIRO DE SEVILHA" PARA A GARANTIA DA LIBERDADE NO DIREITO BRASILEIRO

Carta testemunhavel

Análise da aplicação da pena no âmbito do direito penal

O LIVRO DO TERROR EM A LEI DO MORRA POR ELLO

Mais artigos da área...

Resumo:

Combate ao abuso financeiro realizado pelo namorado/companheiro/esposo.

Texto enviado ao JurisWay em 26/04/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

As estatísticas são reais: milhares de mulheres, somente no Estado de Pernambuco, sofrem algum tipo de violência doméstica em decorrência do exercício da prevalência de força masculina sobre a mulher. No Brasil, este número é alarmante: aproximadamente ¼ das mulheres, compreendidas na faixa etária dos 18 aos 50 anos, registram casos de violência nas delegacias especializadas, em detrimento do engodo, do engano, da fraude sentimental em que se encontram inseridas. Sabe-se que a Lei Maria da Penha prevê vários tipos de violência e não deixa margens para a impunidade, quando abre a possibilidade de incluir atos eivados de cerceamento de defesa perante as mulheres, atos estes não previstos pela própria cultura adquirida com os anos de vida.

No entanto, há uma determinada forma de violência que, por não deixar hematomas ou não causar constrangimento explícito, não é registrada devidamente por vários juristas, embora deixe marcas indeléveis no espírito feminino (e nas suas respectivas contas bancárias também). Trata-se da violência financeira (ou abuso financeiro), ato descrito como cassação de economia alheia, da conta bancária da vítima, que é lesada a ponto de entregar suas senhas, seus extratos, seus cartões, bem como a fazer compras em seu nome para o homem que se sente dono de sua vida.

A violência financeira se imprime como mácula na humanidade sob diversas modalidades. Pode-se acrescer, em linhas gerais, que a vítima passa por determinadas fases, todas imiscuídas de lesão à boa fé e de decréscimo patrimonial em qualquer de suas esferas.

O modus operandi é bastante sui generis. Nem todos os crimes possuem um andamento tão pormenorizado e friamente calculado. Primeiramente, o algoz gerencia sua tática de aproximação da vítima. Pesquisas realizadas defendem que o perfil de mulheres procuradas pelos usurpadores da fé humana são solteiras, geralmente têm nível intelectual alto ou, pelo menos, são instruídas (universitárias, autônomas, profissionais realizadas), porém sem filhos e visivelmente independentes dos pais. Perguntou-se o porquê deste perfil ter sido traçado de forma a excluir as pessoas menos instruídas dos alvos desses criminosos. A resposta é simples: pessoas de inferior nível educacional, na maioria dos casos, ainda não se realizaram profissionalmente ou trabalham para sua subsistência, não dispondo de capital suficiente para gastos extras que não correspondam à manutenção de sua própria vida. O fraudador procura, em suas vítimas, uma oportunidade de extirpar-lhes o seu ganho patrimonial, o que só seria possível com pessoas de alto (ou até mediano) poder aquisitivo. É a configuração da perversa subida de degraus do incapacitado fraudador.

Após a aproximação, terminada a fase de primeiro encantamento, que geralmente dura de dois a três meses, inevitavelmente vem a proposta de noivado repentino. Embora os relacionamentos-relâmpago não sejam genericamente indicativos de ataque de um “gigolô” (terminologia coloquial para determinar homem que abusa financeiramente de uma mulher), reside nessa ocorrência a suspeita de que algo ainda não concreto, muito frágil, que parta de duas pessoas que nada conhecem uma à outra, seja indiciário de golpe financeiro. E em 90% dos casos isso é absolutamente fatídico.

Impressiona dizer, no entanto, que essa praxe não se encerra neste episódio. Ao se comprometer com a vítima, o homem passa a ostentar um estigma de vitimização de sua própria existência, causando penúria da companheira e acredite: quanto mais lamento por sua condição social inadequada, maiores os gastos que ela dispensará para suportar a orgia financeira do homem que ela pensa que ama.

Os resultados desta modalidade criminosa alçam as mais variadas formas. Há aquelas que têm seu cartão de banco retido nas mãos de seu esposo; há aquelas que não têm noção do que percebem como salário ao final do mês, por conta da usurpação de sua conta bancária e de seus contracheques; há aquelas mulheres que sustentam o vício do amado, seus costumes, suas manias, fazendo de sua própria conta bancária o início de uma auto-falência, que se inicia em campos financeiros, corroendo, enfim, sua moral e sua auto-estima.

A violência financeira é um tema abrangente, porém dificilmente discutido na imprensa. Esta indisposição em se falar sobre este tipo de violência recai na possibilidade de se estabelecer que as mulheres que, porventura, se encontrem inseridas neste campo hipotético, raramente percebem os prejuízos, até que a realidade lhes bata à porta. Como este tipo de crime pode ocorrer através do exercício do livre arbítrio da mulher que, por sua conta e risco, entrega seus bens e seus cartões de banco ao seu companheiro (evidentemente, submetidas ao engodo), a violência que se instala na prática destes atos de cerceamento não está incluída entre aquelas lesões que deixam vestígios na vítima ou ainda aquelas involuntariamente sofridas; no entanto, mais que as próprias lesões visíveis, os hematomas da alma são mais difíceis de curar, imperceptíveis em exames periciais, e que, infelizmente, cicatrizam a passos lentos na alma feminina. Os rastros da criminalidade de locupletamento através da lesão à boa fé são encontrados nas contas bancárias, através de transações não-autorizadas ou pela superação dos limites impostos por sua companheira. A violência financeira pode se consumar através da fraude, onde se apela pela livre disposição dos seus próprios bens em nome do relacionamento ou pela violência concreta, aquela que usurpa a paz da mulher e instaura o medo, a insegurança e, porque não, a Síndrome de Estocolmo, fragilizando a vítima, para que ela sinta dependência e carência de segurança, típicos sentimentos dos reféns das ações de flagrante perigo e violência.

            Através de estudos da psicologia criminal, traça-se um perfil da vítima e do agressor, a ponto de se realizar a comparação do comportamento antígeno de ambos envolvidos.

           

PERFIL DO CRIMINOSO

PERFIL DA VÍTIMA

Homem geralmente mais novo que a vítima, com idade compreendida entre 23 e 35 anos de idade;

Mulher de faixa etária compreendida entre 25 e 50 anos;

Baixo nível intelectual ou pouca formação. Na maioria dos casos, ainda não completou o segundo grau. Há casos, inclusive, de pessoas que tenham comprado sua ficha 19 para ingressar em faculdade;

Alto nível intelectual, formação superior satisfatória ou com carreira profissional já consolidada;

Não pensa em casar, até mesmo porque não se compromete sequer com as obrigações familiares;

Geralmente nunca se casou;

Ainda vive dependente na casa dos pais e dela não pretende sair; não tem filhos porque é incapaz de assumir obrigações;

Não tem filhos ou, se tem, negligencia sua prole em nome do relacionamento;

No decorrer da relação, comete um número variado de ilícitos dos quais não se arrepende (e geralmente reincide); a maioria dos crimes perpetrados serve para fundamentar a sua imagem perante terceiros (ex.: aumento de crédito de banco perante uso de documento falso de contracheque; falsificação da Ficha 19 para ingresso em faculdade; pequenos furtos em supermercados etc).

Não tem personalidade criminosa, geralmente é portadora de boa fé e, quando conclui que seu consorte é criminoso, tem esperança de que as pessoas mudam com o tempo. Ledo engano.

Utilizam das violências física e psicológica para conseguirem seus intuitos.

Algumas mulheres chegam a admitir que apanham de seus companheiros e, quando a violência física não ocorre, nunca percebem a violência psicológica a que são submetidas.

 

            Um relacionamento comprometido neste tipo de envolvimento criminoso pode gerar conseqüências nefastas para a vítima. A mulher, na maioria das vezes, por estar envolvida em um sentimento que, segundo suas convicções, se torna maior que a atitude pequena e mesquinha de negar um empréstimo a seu companheiro, pode desencadear uma dívida de grandes montantes ou, se tiver usurpados seus dados financeiros ou cadastrais de âmbito pessoal, pode se encontrar inserida em crimes e, inclusive, ser presa em nome de um homem que ela definitivamente desconhece.

            A violência de cunho financeiro contra a mulher envolve uma série de variados fatores. Homens que mentem sobre sua situação financeira, não somente para a mulher que deseja conquistar, mas para os bancos e instituições financeiras, são a maioria hoje. Eles geralmente agem demonstrando criminosamente extratos bancários falsificados aos gerentes de contas bancárias, com alto valor de um salário que, na maioria das vezes, ao menos existe. Após conseguirem aprovação de aumento de crédito, passam a usufruir desse benefício particular, adquirindo vestuário, fazendo pequenas (e insignificantes) surpresas para a mulher que ele deseja vitimizar. Após ter ciência de que o relacionamento se iniciou, conta-se o período de até 3 meses para que um “salto significativo” aconteça (e geralmente é um pedido de noivado).

            V.N. é uma vítima desse tipo criminoso. Após ter se envolvido com alguém que ela julgava ser o homem de sua vida, soube que ele não apenas a traía deliberadamente com uma mulher que ele achava ser financeiramente abastada, como teve conhecimento de sua teia de crimes perpetrados ao longo do relacionamento e até antes mesmo de se conhecerem. Seu noivo, C.M.P., não somente havia falsificado seu extrato bancário para obter maior linha de crédito com seu gerente, no maior banco do país, como lhe enganava e iludia, fazendo-a pagar pelos programas, como as idas a restaurantes, teatro, cinema, gastar seu dinheiro com seus caprichos e atender à sua própria família, aniquilando sua convivência com seus próprios familiares em prol da manutenção do relacionamento; sua conduta reprovável abrangia também a subtração de bens dos supermercados sem pagar, difamação dos amigos, suspeita de relação íntima com homens, ausência de ajuda nas despesas da casa dos pais, onde ainda mora e, pasmem, seu único lamento era a provável perda do pai doente, já que ele era “a única fonte de dinheiro que mantinha a casa”, enquanto tratava a mãe como uma pessoa desprezível, sempre ressaltando a vergonha e desprezo de suas mãos, calejadas pelo excesso de lavagem das roupas do filho. O perfil do criminoso é estruturalmente o mesmo inserido na tabela previamente mencionada: não tinha o segundo grau completo, pois havia “comprado” sua ficha 19 e, com o documento, ingressou na faculdade, onde se formou e hoje atua professor de faculdade particular no Recife.

            Casos como o supra narrado são mais comuns que julgamos ser, pois estão acobertados pelo manto da criminalidade oculta, aquela que não é relatada aos registros policiais, nem denunciadas ao Ministério Público, dada a grande vergonha da própria vítima de se submeter a uma ação criminal. Os criminosos são geralmente pessoas invejosas e dissimuladas, sem capacidade própria para alcançar a vida estável e confortável que eles tanto almejam, então procuram os meios mais fáceis de conseguir realizar seu intuito.

            O importante de se constatar a violência financeira é saber impor os limites da conduta do outro frente ao seu próprio capital. Histórias como a de V.N. podem gerar problemas ainda maiores, caso perdure a relação, como ocorreu com A.L.M., gerente de uma grande empresa, casada com um dos funcionários de uma empresa concorrente. O salário da vítima ultrapassava em mais de 3 mil Reais o salário com acusado, fator que poderia, de alguma forma, desencadear o abuso financeiro de maneira uniforme e repentina. Depois de um breve relacionamento de 6 meses, casaram sem festas ou anunciados, que julgaram desnecessários. Em um mês de matrimônio, a vida de A.L.M. virou a sucursal do inferno que ela jamais poderia prever. Seus cartões foram todos usurpados pelo então marido, suas senhas foram modificadas, seus contracheques foram cobrados mensalmente, todos lacrados, para que ela não soubesse da quantia que percebia. Em troca, ele a envolvia com a idéia de que ele estava lutando pelo patrimônio comum, comprando o que fosse útil para ambos, fazendo de sua evolução financeira a estabilidade que ela desejava ter em conjunto com seu esposo. Como os móveis de sua casa estavam sendo substituídos e seu carro havia sido trocado no último ano, ela imaginou que realmente havia sido bem aplicado seu dinheiro. Em um ano de casamento, a vítima descobre que o veículo estava em nome de uma mulher (foi a forma como descobriu que ele tinha uma amante), que todo o seu dinheiro era sacado de uma só vez e que em sua conta nada constava para cobrir o almoço do dia. Resultado: um divórcio nada amigável, uma conta bancária em nome do usurpador-esposo dissimulado de, aproximadamente, 80 mil Reais, a inclusão de seu nome nos órgãos de proteção pela aquisição indevida e não-autorizada dos móveis de sua residência que, evidentemente, não foram devidamente pagos e várias idas à delegacia de Proteção à Mulher.

            No caso relatado, houve a presença do elemento anímico, qual seja, a vontade de entregar seus bens. É claro, essa vontade é viciada, vez que baseada em um contexto inexistente de acréscimo ao seu próprio patrimônio. Nesta situação encontram-se o esposo da vítima e a amante, em autoria colateral, com unidade de desígnios, no intuito de ludibriar a vítima e dela subtrair seus benefícios financeiros.

            Ocorre que a violência financeira pode se desencadear de maneira mais agressiva, fazendo jus à violência velada e estigmatizada pela ameaça ou tratamento humilhante. É o que ocorre quando a mulher não deixa, a priori, que seja submetida a tal desiderato, fazendo-o depois em decorrência de ameaças perpetradas pelo próprio esposo. É o que ocorreu com N.J.S., que, por muitos anos, se submeteu à violência das ameaças de seu esposo para que entregasse suas senhas e cartões e para que não saísse de casa durante o dia, tendo, inclusive, sido acorrentada diversas vezes ao pé da cama, evitando, desta forma, que evadisse a residência do casal.

            A Lei 11340/06, ao contrário do que muitos asseveram, não faz do abuso financeiro um ato impune. De maneira difusa, a lei Maria da Penha, como é popularmente conhecida, assegura tratamento digno às mulheres ao dispor, em seu texto, o seguinte mandamento:

Art. 3o  Serão asseguradas às mulheres as condições para o exercício efetivo dos direitos à vida, à segurança, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, à moradia, ao acesso à justiça, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária.

Ao defender a dignidade e o respeito como fontes primárias do tratamento para com a população feminina, a lei traça um patamar mínimo de relacionamento pessoal para com as mulheres. É lamentável, contudo, que uma lei deva estabelecer princípios e regras de convivência para os seres humanos, quando estes deveriam constar do comportamento das pessoas, como sentimento ínsito aos que respiram sobre a Terra.

A lei 11340/06 trata, mais detidamente, do abuso financeiro em seu artigo 7º, oportunidade em que faz a seguinte referência:

Art. 7o  São formas de violência doméstica e familiar contra a mulher, entre outras:

(...)

IV - a violência patrimonial, entendida como qualquer conduta que configure retenção, subtração, destruição parcial ou total de seus objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens, valores e direitos ou recursos econômicos, incluindo os destinados a satisfazer suas necessidades;

            Muitas mulheres ainda desconhecem a prerrogativa legal de buscar ajuda nas delegacias especializadas de apoio à mulher. A atenção dispensada, nesses casos, é fundamental; no intuito de escoimar seus companheiros e não chamá-los à responsabilidade, faz com que a situação não apenas se perdure, mas se estenda a outras vítimas. É essencial trazer à baila a informação de que muitas mulheres, vítimas dessa prática nefasta de violência moral, foram auxiliadas pelos órgãos de proteção aos direitos da mulher. É imprescindível, no entanto, que a vítima não sabote o seu próprio auxílio. No intuito de alijar as ações judiciais, muitas vítimas recorriam às delegacias de plantão ou as especializadas, relatavam seu sofrimento, em busca de uma polícia que apenas “desse um susto” em seus companheiros, e depois operavam o que se denominava incorretamente de “retirada de queixa”, como se a polícia fosse um mero instrumento de correição, um puxão de orelhas institucionalizado. Conforme é de conhecimento público, uma vez reportado o ato às autoridades, abdica-se da continuidade da ação apenas pelas vias judiciais.

            É  importante que se entenda que sufragar a atitude perversa do homem que deturpa toda e qualquer noção de dignidade e respeito próprios, através da usurpação de um dos mais protegidos bens jurídicos no Direito Criminal, qual seja, o direito patrimonial, equivale à sustentação de um mal dentro de sua própria casa. Há falsários que vivem durante anos na companhia de mulheres que jamais chegam a conhecer seu histórico criminoso e compartilhar uma convivência com pessoas desse tipo de estirpe, não raras vezes, pode trazer um prejuízo moral incalculável. De esposa, passa-se a coadjuvante de crime, a comparsa, a co-autora ou partícipe. Primeiro é a vida deste homem que se torna maculada pelas falsificações, pelos descaminhos da honra e da virtude. Depois é a da mulher. Há casos em que esposas tiveram seu nome e seu CPF comprometidos em aberturas de empresas-fantasmas, submerso ao total desconhecimento destas.

            A compreensão da bola de neve que pode se tornar um relacionamento doentio com um criminoso é fundamental para que as mulheres não recaiam na Síndrome de Estocolmo, para que se preserve o decoro íntimo de cada uma delas.

A mensagem que fica para as mulheres deste país é a seguinte: segundo dados do IBGE[i], existem mais de 6 bilhões de seres humanos no mundo, sendo residentes, somente no Brasil, mais de 193 milhões de habitantes[ii]. É inconcebível que a mulher sofra por apenas um dentre tantos milhões e, caso esteja sendo vítima de um engodo de natureza semelhante, é importante primeiramente ter discernimento suficiente para assumir que está sendo ludibriada e, depois, pulso forte para afastar o mal definitivamente de sua vida. Não se deve deixar à impunidade um criminoso que abusa da boa-fé de suas vítimas. Deve-se, efetivamente, possibilitar a aplicação da lei e fazer com que os infratores sejam devidamente punidos, mesmo que o sofrimento seja iminente e a alma lateje de dor. A lei deve ser cumprida.

 

 



[i] Dados do IBGE em 2007.

[ii] Dados do IBGE em 2008.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Walkyria Carvalho) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados