JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Do trabalho da mulher: liberdade, igualdade e discriminação


Autoria:

Tatiana Takeda


Tatiana de Oliveira Takeda é advogada, professora do curso de Direito da PUC/GO, assessora do Tribunal de Contas do Estado de Goiás, articulista de sites e revistas jurídicas, mestre em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento, especialista em Direito Civil, Processo Civil e Gestão Ambiental e Pós-graduanda em Direito Imobiliário.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

GESTÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS
Direito Ambiental

PRIVATIZAÇÃO DA ÁGUA
Direito Ambiental

ESTADO, GOVERNO E ADMINISTRAÇÃO
Direito Constitucional

IMINENTES CONFLITOS A VISTA
Direito Ambiental

A cobrança pelo uso da água
Direito Ambiental

Mais artigos...

Texto enviado ao JurisWay em 23/03/2009.

Última edição/atualização em 31/03/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

DO TRABALHO DA MULHER: LIBERDADE, IGUALDADE E DISCRIMINAÇÃO

 

 

Ana Paula Fleuri de Bastos

é advogada, assessora do TCE/GO, é advogada, proprietária da

Contrato Serviços Gerais e Portaria Ltda e especialista em

Direito do Trabalho e Proceso do Trabalho

 

Tatiana de Oliveira Takeda

professora do curso de Direito da UCG, especialista

em Direito Civil e Processo Civil e mestranda em

Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento

 

A crescente mão-de-obra da mulher no mercado de trabalho é algo de extrema relevância econômica e social para todos os países do globo. No Brasil, em particular, prega-se que não existe mais diferenciação entre o trabalho exercido entre homens e mulheres, porém, tanto esta afirmação não procede, que o próprio legislador se viu praticamente compelido a incluir/manter no texto constitucional dispositivo que ressalta a igualdade de direitos e obrigações, consubstanciando-se inconstitucionais quaisquer diferenciações de salários, exercícios de função, critérios de admissão, etc.

Acerca do presente assunto indaga-se: Se a mulher encontra-se no mesmo patamar do homem no mercado de trabalho, qual o motivo da preocupação do legislador em evitar a discriminação por parte dos empregadores?

Ocorre que, infelizmente, ainda é latente a existência de uma sociedade preconceituosa que se esconde por trás de apologias à igualdade entre sexos, todavia, seja de forma sutil ou escancarada, não é incomum deparar com situações em que emergem motivos que vêm a prejudicar a atuação da mulher no mercado de trabalho.

Veja-se como exemplo o caso de uma professora do ensino municipal de Crixás/GO, que se viu compelida a ingressar com Mandado de Segurança em desfavor do Município pelo fato de ter sido impedida de voltar ao seu trabalho após o período denominado licença maternidade (Proc. 200501704412, Acórdão em 06/12/2005-Comarca de Crixás- 2º Câmara Cível, Des.Gilberto Marques Filho).

Percebe-se dos inúmeros exemplos da jurisprudência brasileira, que a discriminação nas relações de trabalho ainda são atuais, consubstanciadas na ausência prática de garantias constitucionais, o que acaba por eventualmente ensejar a perda da autonomia feminina frente ao espaço de trabalho dividido com os homens.

Como mencionado, a Constituição Federal tenta coibir a discriminação de forma a igualar direitos e obrigações entre homens e mulheres. Neste diapasão, o legislador começou a adotar uma série de medidas de proteção à trabalhadora, sendo que o empregador passou a ser observado pelo Estado. A exemplo cite-se medidas que ensejaram a proteção do salário, da jornada de trabalho, da licença maternidade, entre outros.

Todavia, mister se faz salientar que existem expoentes femininos que têm conquistado um espaço ímpar dentro o mercado de trabalho nacional e internacional, desempenhando tarefas de forma a superar publicamente a mão de obra masculina.

De modo geral, conclui-se que apesar da tutela Constitucional, das normas de direito internacional ratificadas pelo Brasil e das normas infraconstitucionais, as práticas discriminatórias continuam a ocorrer nas relações de trabalho e a mulher é sim discriminada, principalmente a pertencente à classe baixa, tendo que provar dia após dia sua competência e dedicação, sendo necessário ainda a atuação do poder judiciário trabalhista e do Ministério Público do Trabalho na fiscalização dos empregadores, punindo-os nos excessos e abusos.

Saber o real valor do Potencial Humano e aprender a ser igual pelo único sentido de viver-se bem com o próximo, aceitando as diferenças e reunindo num mesmo ambiente de trabalho, indivíduos com experiências, habilidades e talentos diversificados contribui para o que se espera do novo mercado de trabalho.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Tatiana Takeda) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados