JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

PRINCIPAIS ASPECTOS DO PRINCÍPIO DA COMPETÊNCIA RESIDUAL DA UNIÃO EM FACE DAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E O ENTENDIMENTO PACIFICADO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL ACERCA DA QUESTÃO


Autoria:

Daniel Da Silva Tuerlinckx


Sócio do escritório Tuerlinckx & Dornelles Advogados; Formado na Faculdade Anhanguera de Pelotas/RS; Pós-Graduado em Direito Empresarial na Universidade Anhanguera-UNIDERP; Pós-Graduado em Direito Previdenciário na Universidade Anhanguera-UNIDERP.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O estudo tem como principal objetivo conceituar e explicar os principais aspectos do princípio da competência residual da união, bem como, demonstrar que o Supremo Tribunal Federal já consolidou entendimento dessa matéria, com base na jurisprudência

Texto enviado ao JurisWay em 12/09/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

PRINCIPAIS ASPECTOS DO PRINCÍPIO DA COMPETÊNCIA RESIDUAL DA UNIÃO EM FACE DAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E O ENTENDIMENTO PACIFICADO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL ACERCA DA QUESTÃO

 

 

Daniel da Silva Tuerlinckx[1]

 

 

RESUMO: O estudo tem como principal objetivo conceituar e explicar os principais aspectos do princípio da competência residual da união, bem como, demonstrar que o Supremo Tribunal Federal já consolidou essa matéria, com base na jurisprudência.

 

PALAVRAS CHAVES: Competência Residual. União. Supremo Tribunal Federal. Contribuição Previdenciária.

 

SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Da Competência Residual da União. 3. Do entendimento pacificado do Supremo Tribunal Federal. 4. Conclusão. 5. Referências Bibliográficas.

 

 

1. INTRODUÇÃO

 

O estudo realizado teve como principal prioridade a explicação do princípio da Competência Residual da União em face das Contribuições Previdenciárias.

Além disso, foi realizada uma pesquisa jurisprudencial das decisões do Supremo Tribunal Federal, a fim de identificar o entendimento pacífico dos ministros em relação a Competência Residual da União em face das Contribuições Previdenciárias.

 

2. DA COMPETÊNCIA RESIDUAL DA UNIÃO

 

A União tem a competência exclusiva para a criação de novas contribuições previdenciárias, entretanto o artigo 154, I e o artigo 195, § 4º da Constituição da República Federativa do Brasil dão a prerrogativa de que a competência da União para a criação de novas contribuições é residual, como pode ser observado nos artigos a seguir:

 

Art. 154. A União poderá instituir:

I - mediante lei complementar, impostos não previstos no artigo anterior, desde que sejam não-cumulativos e não tenham fato gerador ou base de cálculo próprios dos discriminados nesta Constituição;[2]

(...)

Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais:

(...)

§ 4º - A lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a manutenção ou expansão da seguridade social, obedecido o disposto no art. 154, I.[3]

 

Conforme fora observado há a necessidade de três requisitos para a criação da contribuição previdenciária, as quais são: (a) que seja por lei complementar, (b) que não tenha cumulatividade e (c) fato gerador e base de cálculos diferentes aos já existentes nos impostos descritos na Constituição Federal.

Assim, é necessário citar o doutrinador Fábio Zambitte Ibrahim acerca da implementação da criação de nova contribuição previdenciária: “Em síntese, para criar-se um novo imposto, a Constituição é clara: deve-se inovar no fato gerador, base de cálculo, ser não-cumulativo e instituído por meio de lei complementar.”[4]

Portanto, de acordo com o que fora supracitada fica evidenciado que a União tem Competência Residual para legislar sobre as contribuições previdenciárias.

 

3. DO ENTENDIMENTO PACIFICADO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

 

É importante, nesse estudo, trazer a tona o entendimento pacífico do Supremo Tribunal Federal, que vai ao encontro aos artigos da Constituição Federal do Brasil.

Dessa forma, se faz necessário aqui transcrever o entendimento da Ministra Carmen Lúcia, a qual aborda o entendimento de todos os ministros do Supremo Tribunal Federal em relação a Competência Residual da União em face das Contribuições Previdenciárias:

 

EMENTA. DECISÃO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONSTITUCIONAL E TRIBUTÁRIO. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. AGENTES POLÍTICOS. NECESSIDADE DE LEI COMPLEMENTAR. RECURSO EXTRAORDINÁRIO 351.717: DECLARAÇÃO DE CONSTITUCIONALIDADE DA ALÍNEA H DO INC. I DO ART. 12 DA LEI N. 8.212/91. RECURSO PROVIDO. (...) 2. O Recorrente afirma que o Tribunal a quo teria ofendido os arts. 154, inc. I, e 195, inc. I e II, e § 4º, da Constituição da República. Apreciada a matéria trazida na espécie, DECIDO. 3. Razão jurídica assiste ao Recorrente. (...); art. 195, § 4º; art. 154, I. I. - A Lei 9.506/97, § 1º do art. 13, acrescentou a alínea h ao inc. I do art. 12 da Lei 8.212/91, tornando segurado obrigatório do regime geral de previdência social o exercente de mandato eletivo, desde que não vinculado a regime próprio de previdência social. II. - Todavia, não poderia a lei criar figura nova de segurado obrigatório da previdência social, tendo em vista o disposto no art. 195, II, CF. Ademais, a Lei 9.506/97, § 1º do art. 13, ao criar figura nova de segurado obrigatório, instituiu fonte nova de custeio da seguridade social, instituindo contribuição social sobre o subsídio de agente político. A instituição dessa nova contribuição, que não estaria incidindo sobre ‘a folha de salários, o faturamento e os lucros’ (C.F., art. 195, I, sem a EC 20/98), exigiria a técnica da competência residual da União, art. 154, I, ex vi do disposto no art. 195, § 4º, ambos da C.F. (...). Publique-se. Brasília, 23 de novembro de 2009. Ministra CÁRMEN LÚCIA Relatora. RE 488206 / SC – SANTA CATARINA. RECURSO EXTRAORDINÁRIO. Relator(a): Min. CÁRMEN LÚCIA. Julgamento: 23/11/2009.[5]

 

4. CONCLUSÃO

 

Neste estudo restou evidenciado que a União possui a Competência Residual para a criação de novos impostos em relação as Contribuições Previdenciárias, bem como foi identificado que são três os aspectos pertinentes que sustentam a competência: lei complementar, não cumulativos e base de caçulo e fato gerador diferente de todos os outros existentes.

Além disso, ficou clarificado que o entendimento do Supremo Tribunal Federal é de que a União detém a Competência Residual para criação de novos impostos, conforme disposto nos artigos 154, I e 195, § 4º da Constituição da República Federativa do Brasil.

 

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Disponível em: ww.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm >. Acesso em 15 de novembro de 2012.

 

IBRAHIM, Fábio Zambitte. Resumo de Direito Previdenciário. 12. Ed. Niterói: Impetus, 2012.

 

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário. Matéria Previdenciária. Contribuições Previdenciárias. Competência Residual da União. Recurso Extraordinário n. 488206. Relator: Min. Carmen Lúcia. Brasília, DF, 23 de novembro de 2009.http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=%28%28488206%2ENUME%2E+OU+488206%2EDMS%2E%29%29+NAO+S%2EPRES%2E&base=baseMonocraticas



[1] Bacharel em Direito da Anhanguera Educacional/Faculdade Atlântico Sul de Pelotas, Pós-Graduando do curso: Especialização em Direito Empresarial da Rede de Ensino LFG/Universidade Anhanguera – UNIDERP, Pós-Graduando do Curso: Especialização em Direito Previdenciário da Rede de Ensino LFG/Universidade Anhanguera – UNIDERP.

[2]BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em 15 de novembro de 2012.

[3]BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em 15 de novembro de 2012.

[4] IBRAHIM, Fábio Zambitte. Resumo de Direito Previdenciário. 12. Ed. Niterói: Impetus, 2012. P. 59.

[5] http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=%28%28488206%2ENUME%2E+OU+488206%2EDMS%2E%29%29+NAO+S%2EPRES%2E&base=baseMonocraticas

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Daniel Da Silva Tuerlinckx) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados