JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Estilo Feminino de Gestão em Empresas Familiares Gaúchas


Autoria:

Julia Dullius Porn


Sou estudante do curso de Direito do Centro Universitário Univates da cidade de Lajeado - RS, estou aproximadamente no 8º semestre.

Texto enviado ao JurisWay em 19/03/2013.

Última edição/atualização em 24/03/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Apesar de alguns avanços que ocorreram nas últimas décadas em relação às mulheres que ocupam cargos gerenciais nas empresas, o preconceito e a discriminação ainda são intensas barreiras à presença feminina nos negócios. Mais focadas na figura do gênero masculino estão as empresas familiares, aquelas em que o processo sucessório está na segunda geração ou mais, possuem características tradicionais na direção das atividades gerenciais.

 

            Segundo Druker, a sociedade de conhecimento promove uma organização empresarial que provoque o livre fluxo de informações, que encoraje a utilização plena da capacidade intelectual do indivíduo e que assegure rápida resposta às mudanças. O administrador precisa ser capaz de gerar ações transformadoras radicais, seja alterando conceitos, produtos e procedimentos, seja refletindo o conjunto de valores e crenças que possui para conduzir sua vida na empresa.

 

            O sucesso da empresa contemporânea pode estar diretamente ligado à sua competência de criar novas formas de conhecimentos e traduzi-lo para a ação, por meio de novas tecnologias incorporadas aos produtos e processos. O segredo está na criação de um senso de identificação entre funcionário e organização, enfatizando a importância de a informação estar livremente disponível à todos.

 

            Na parte da gestão das empresas familiares a paralisia que o planejamento gerou em muitas empresas em prejuízo da ação mostrou que ser apenas gerente, em seu conteúdo clássico, já não é suficiente.

 

            Já Lodi entende que os administradores encontram diariamente conflitos travados entre membros da família proprietária, que repercutem diretamente no processo de tomada de decisão na empresa.

 

            Quando o assunto são as mulheres executivas nas empresas familiares é citado que elas encorajam a participação, a partilha do poder e da informação e tentam incluir a auto-estima dos seguidores. Logo os homens pretendem adotar um estilo mais diretivo de comando e controle e apelam a autoridade formal de seu cargo como base para sua influência.

 

            Raras são as vezes em que a mulher consegue ascender à cargos diretivos de organizações administradas por homens, para Lodi a promoção da mulher como presidente do conselho ou da empresa é uma exceção facilmente compreensível em todo o mundo. Enquanto as mulheres procuram métodos oficiais e formais de promoção, os homens apóiam - se nas redes de amizade.

 

            As mulheres geralmente operam nas áreas humanas, áreas essas que raramente acontece a escolha dos presidentes. Já os homens estão mais disponíveis para dedicação total a carreira pois não têm compromisso com a maternidade, criação de filhos ou mesmo administração da casa.

 

            É importante avaliar que, as mulheres não se declaram felizes com o sucesso. É citado como exemplo as mulheres americanas, que buscam trabalhar nas pequenas empresas ou mesmo fundar seu próprio negócio, aonde as pessoas podem sentir-se construtoras e não assessoras.

 

            Foi feito uma pesquisa composta por 26 mulheres executivas de empresas familiares de Passo Fundo/RS. O resultado foi que a presença feminina é maior nas empresas cuja família proprietária é de origem italiana e alemã. As de origem italiana chegam a 53,19 % e as alemãs 17,2 %, ainda na pesquisa é possível perceber que grande parte dessas mulheres são filhas dos fundadores (44,68 %) ou mesmo esposas (36,17%).

 

            O perfil dessas mulheres é separado mais ou menos assim: 53,85% possuem grau de instrução superior e 19,23% têm apenas primeiro grau completo. Dessas com grau superior a maioria optou pelo curso de Administração e justificam essa escolha pelo grande interesse em compreender a atividade que exercem.

 

            Conclui-se depois de toda essa pesquisa que as mulheres executivas permanecem nas empresas familiares muitas vezes por amor à empresa, e que a discriminação e o preconceito com as mulheres que ocupam cargos gerenciais ainda é grande apesar de todos os avanços ocorridos, com isso elas enfrentam ainda muitas barreiras quanto a sua presença nos negócios.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Julia Dullius Porn) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados