JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

CRÔNICA: Sobre Homens e Monstros


Autoria:

Fabiano Barroso


Advogado militante na Baixada Santista desde 1997, atuando nas áreas cível e criminal. Formado em Direito pela Unisantos - Universidade Católica de Santos. Pós-Graduado em Direito do Estado pela Universidade Cândido Mendes/RJ.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

crônica, bem e mal, humanidade

Texto enviado ao JurisWay em 17/03/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

“Decisões febris tomadas para toda a eternidade, mas imediatamente seguida de remorsos...” Acho que a frase encontra-se em algum dos livros de Dostoievski, não lembro qual.

 

Deveríamos nos arrepender somente do que deixamos de fazer, e não do que já fizemos.

 

Atos passados não podem ser modificados e já sabendo disso, creio que antes de tomar qualquer decisão, esta deve ser bem pensada.

 

Da mesma forma, quando se usa a palavra – às vezes mais poderosa que a espada – deve-se escolher bem o que se fala, sob pena de sermos mal interpretados, ou ferirmos os sentimentos de alguém.

 

Em verdade, o arrependimento pode matar uma pessoa, ainda que lentamente, envenenando-a com a cicuta do remorso, do pesar, tornando-a soturna, melancólica, abatida... desistindo de viver!

 

Não existem pessoas inteiramente más, assim como não existem pessoas completamente boas. Sempre acreditei que os seres humanos, movidos por suas paixões, medos, valores, angústias ou o que quer que seja, são dotados de livre arbítrio e, podem, de acordo com as circunstâncias, revelar uma face boa ou má. Vale dizer: ninguém é sempre bom, e nem sempre é mau.

 

O homem é o senhor de seu destino. O homem decide o que faz sobre a face da Terra. Ele pode ser bom ou mau, egoísta ou solidário, Deveríamos nos preocupar – e portanto, pensar antes de agir ou falar – com nosso semelhante antes de magoá-lo, explorá-lo, maltratá-lo ou torturá-lo.

Mas ao mesmo tempo em que é sua perdição, essa dualidade do homem é que o faz único, especial, digno das mais diversas paixões, opiniões, aplausos ou censuras.

 

A perfeição não existe, e jamais existirá. Um mundo perfeito poderia ser maravilho, mas seria, certamente, enfadonho. A imperfeição é que nos torna maravilhosos.

 

Bem, mal, solidariedade, egoísmo, interesse, apego, temperança, justiça, coragem, covardia, conformismo, rebeldia, humor, prudência, imprudência, lealdade, traição, fidelidade, infidelidade, pureza, malícia, amor, ódio, e muitos outros atributos fazem parte de nós, fazem parte de nosso dia a dia. Estão presentes em nossa consciência, em nossa alma.

 

Tudo isso está lá, no âmago do nosso ser, esperando para se mostrar. Alguns predicados mais fortes que outros, mas todos estão presentes, em maior ou menor grau, ainda que de forma latente. Talvez em muitas pessoas só em pensamento, mas mesmo assim, estão presentes.

 

É verdadeiro e certo que sempre é melhor lutar pelo que é bom, pelo justo, pelo correto. Mas também é correto e sensato que a luz não existe sem as trevas, que o bem não existe sem o mal. A dualidade faz parte da essência de todas as coisas no universo.

 

Sempre haverá homens e monstros, às vezes reunidos na mesma pessoa...

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Fabiano Barroso) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados