JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Presunção de inocência


Autoria:

Alessandro De Azevedo Moreira


Tenho formação em Filosofia - FAFIC, Psicanálise Clínica no CMPC, e sou acadêmico de Direito na FACDO. Especialização em Psicopedagogia, Psicologia da Religião e atualmente sou Mestrando em Teologia.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

CABIMENTO DE HABEAS CORPUS NAS PUNIÇÕES DISCIPLINARES MILITARES

O PRINCÍPIO DA LIVRE CONCORRÊNCIA NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

O FENÔMENO DO ATIVISMO JUDICIAL

Apoio do Estado Para dependentes de Crack

MEDIDA DE SEGURANÇA é inconstitucional? Ou apenas, um mal entendido?

O significado e o alcance da cláusula de abertura material dos direitos humanos

CNJ não pode destinar 20% das vagas dos concursos do Judiciário para negros

Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar

Supremo Tribunal Federal e Superior Tribunal de Justiça: um enfoque dinâmico sobre a estrutura jurídica-constitucional no Brasil

Concurso Público - Concurso para fins de efetivação e Processo Seletivo - Espécies previstas na Constituição de 1988

Mais artigos da área...

Resumo:

Pequeno comentário a este princípio do estado Democrático de Direito.

Texto enviado ao JurisWay em 07/03/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Trata-se de uma garantia fundamental, sendo para alguns operadores do direito, uma das cláusulas pétreas albergadas em nossa constituição. Em um Estado Democrático de Direito, o direito penal deve-se pautar por uma proteção integral dos direitos subjetivos como, por exemplo, o direito a vida e acima de tudo, o direito a uma vida digna.

Não se pode inverter a ordem da justiça de fato e de direito, e querer um direito penal que passe por cima da probidade do ser humano, tratando-o como um animal, olvidando que o Estado é coautor de certos crimes por não promover de modo eficiente nem tampouco eficaz as condições e exigências dos direitos difusos a grande parcela da sociedade.

Mais uma vez insisto que alguns setores da mídia, não especializada, são responsáveis pela divulgação distorcida das leis e garantias individuais, induzindo as pessoas e em certos casos, exigirem dos Órgãos Oficiais do Judiciário, tomada de posições inconstitucionais, fundamentadas em achismos e sede de vingança.

Quando alguns Magistrados a título de exemplo, não adentram na seara das imposições imediatas de procedimentos cautelares pessoais, quase que de modo instantâneo, vem à reação de alguns setores da sociedade, como uma turba de inquisitores, sedentos de pseudo-justiça, tendo como fomentadores-mores, a imprensa marrom; àquela do espetáculo, das aberrações, da incitação ao ódio e principalmente, da manipulação hedionda de pessoas ingênuas.

O atual Presidente do Supremo Tribunal Federal, o Ministro Joaquim Barbosa, que para alguns estava passando por tal princípio, na hora H, tomou as decisões sábias, densas, condizentes com sua vasta formação acadêmica e intelectual, mostrando que tem vida própria, senso de realidade profundo, bom senso e acima de tudo, respeito a nossa Constituição que aloca como vieses principais: a cidadania e respeitabilidade humana.

Qualquer Lei que traga em seu bojo desrespeito aos princípios constitucionais, não pode ser levada a sério e deve ser repudiada devido à insegurança jurídica que tal ordenamento pode trazer em nome dos imediatismos que pontuam um retorno a época da autotutela.


SAPERE AUDE

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Alessandro De Azevedo Moreira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados