JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Defesa do Consumidor

Últimos artigos

Procon-SP autuou 30 empresas durante a Operação Inverno
19/07/2012

PF prende 26 em operação para reprimir garimpo ilegal em Roraima
19/07/2012

Aprovado projeto sobre esclarecimento ao consumidor quanto ao padrão digital
19/07/2012

Governo prorroga licenciamento compulsório das patentes do antirretroviral Efavirenz
19/07/2012

Saiba o que levar em consideração ao visitar um feirão de imóveis
19/07/2012

Veja as dicas do Procon de como planejar um casamento
19/07/2012

Ipem-SP reprova 33% dos cronotacógrafos fiscalizados em rodovias e empresas no primeiro quadrimestre
19/07/2012

Programa no Rio Grande do Sul ensina a cuidar de nascentes e reservatórios de água
19/07/2012

Yamaha faz recall de veículos aquáticos
19/07/2012

Aprenda a evitar doenças respiratórias causadas pelo frio
19/07/2012

Mais artigos...

 

Governo quer mudar regras de portabilidade bancária

Fonte: G1 Notícias 7/5/2012

Texto enviado ao JurisWay em 19/07/2012.

indique está página a um amigo Indique aos amigos



Portabilidade permite o transporte do saldo devedor para um banco que ofereça melhores condições de juros
 
Os brasileiros que tentam trocar uma dívida mais cara por outra mais barata estão sofrendo com a resistência dos bancos e a falta de informação sobre as regras da portabilidade do saldo devedor. Esse problema se tornou mais evidente neste momento em que o governo está forçando os bancos a reduzir os juros e tenta estimular as pessoas a renegociarem suas dívidas. O governo já estuda mudanças nas regras, conforme afirmou semana passada o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Autorizada há seis anos, a portabilidade permite o transporte do saldo devedor para um banco que ofereça melhores condições de juros sem o pagamento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Mas poucos brasileiros sabem dessa vantagem tributária e da obrigação dos bancos em facilitar a transferência.

Na telefonia, a portabilidade mudou o comportamento do consumidor e vem ajudando a aumentar a concorrência entre as empresas. No crédito, o próprio Banco Central (BC) reconhece que os bancos têm se utilizado de “artimanhas” e ignorado as regras para não perder o cliente. Segundo o BC, os bancos têm feito de tudo para evitar a migração: passam informações erradas, entregam dados desatualizados sobre a dívida e recusam a transferência do dinheiro para a quitação do empréstimo.

Além disso, tem se difundido no Brasil uma distorção grave, a “portabilidade de calçada”. O devedor é convencido pelos “pastinhas” (profissionais que vão às ruas oferecer crédito) a transferir a dívida de um banco para outro, mas quitando o débito anterior. Essa prática não é portabilidade de crédito. O cliente acaba tendo que pagar novamente o IOF, que hoje é de 2,5% do valor do empréstimo.

Tatiana Viola de Queiroz, advogada da Proteste, diz que os clientes enfrentam dificuldade na hora de comparar as taxas entre os bancos. Ela recomenda que se utilize como referência o Custo Efetivo Total (CET) que inclui não só os juros, mas também taxas de abertura de crédito e outras cobranças. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.




Nossas notícias são retiradas na íntegra dos sites de nossos parceiros. Por esse motivo, não podemos alterar o conteúdo das mesmas até em casos de erros de digitação.
Importante:
1 - Todos os artigos podem ser citados na íntegra ou parcialmente, desde que seja citada a fonte, no caso o site www.jurisway.org.br.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

 
 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados