JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Olhar multidisciplinar sobre o usuário de crack


Autoria:

Maria Isabel Pereora Da Costa


Graduada em Ciências Jurídicas e Sociais pela UNISINOS/RS Especialista em Direito Civil Mestre em Direito Público Graduada em Ciências Físicas e Biológicas pela UFRGS Doutoranda em Direito Público Internacional, em Lisboa Juíza de Direito aposentada Foi professora da PUCRS e da Escola Superior de Magistratura; Vice Diretora da Faculdade de Direito da PUCRS no período de 2007/2008; professora da UNISINOS/RS E ULBRA/RS; Diretora do Departamento de Assuntos Constitucionais e Legislativos da AJURIS em 2000/2001; Assessora Especial da Presidência da AJURIS em 2002/2003; Diretora do Departamento Extraordinário da Previdência dos Magistrados e Pensionistas da AJURIS; Diretora da Secretaria para assuntos previdenciários da AMB. Atualmente Vice Presidente da ANAMAGES; Diretora do Departamento de Direito Processual Civil e Diretora Financeira do IARGS.

Telefone: 51 3217.754


envie um e-mail para este autor

Resumo:

Desembargadora adverte à necessidade de um olhar multidisciplinar ao paciente, incluindo um trabalho conjunto de desintoxicação, o cuidado da saúde física e psíquica, a abordagem familiar e a ressocialização

Texto enviado ao JurisWay em 21/01/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Nunca é demasiado falar do crack, seus efeitos, sintomas e danos, bem como mostrar o que existe de atual no seu combate. O crack é uma forma diferente e um modo mais rápido de levar a molécula de cocaína ao cérebro, posto que, fumada sob essa forma o vapor aspirado é rapidamente absorvido pelos pulmões, alcançando o cérebro entre seis a oito segundos. Esse, provavelmente, é um dos motivos da rápida progressão para a dependência.

A ação no cérebro, por sua vez, se constitui numa sensação de euforia, aumento da autoestima, indiferença à dor ou ao cansaço. Seus efeitos – aceleração do coração, aumento da pressão arterial, dilatação das pupilas, aumento da temperatura do corpo, agitação psicomotora, sudorese, tremor muscular são imediatamente sentidos depois de uma única dose.

A abstinência tem seus sintomas: fadiga, desgaste físico, prostração, tristeza, inquietação, ansiedade, intensa vontade de usar a droga – apresentados de cinco a 10 minutos após o uso.

O uso do crack produz, ainda, danos psíquicos. Dentre eles, a contração dos vasos sanguíneos, diminuindo a oxigenação cerebral, alterando o funcionamento e a estrutura do cérebro, prejudicando a inteligência (em especial as habilidades relativas à função do planejamento, tomada de decisões, atenção), a regulagem das emoções e o controle dos impulsos.

A par de todos esses efeitos nefastos, além de outros, mostra-se muito, muito preocupante o alto índice de usuários de crack identificados por pesquisasem nosso Brasil.E, ainda, a inexistência de um modelo de procedimentos a ser adotado no tratamento desses usuários, dificultando a recuperação de dependentes da droga no país.

Segundo o Conselho Federal de Medicina, em notícia veiculada pela Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras drogas (ABEAD), a falta de padrão no atendimento facilita as recaídas e colabora para que um terço dos consumidores morra em decorrência do vício.

Para o diretor desse conselho, Henrique Batista e Silva, é preciso montar uma rede que seja integrada para, em conjunto, dimensionar e combater o problema de forma objetiva. Para tanto, a uniformização desses procedimentos tendentes a erradicar o uso do crack impõe ações harmônicas de gestão e políticas públicas de saúde entre os estados, os municípios e a União, em um trabalho coordenado e em sintonia, inclusive com a criação de um banco de dados dos pacientes, com informações interligadas ao Ministério da Saúde, facilitando o trabalho do médico no diagnóstico e consequente tratamento.

O Conselho Federal de Medicina, ainda em 2011, na tentativa de estabelecer normas para tratamento, apresentou as "Diretrizes Gerais Médicas para Assistência Integral ao Usuário do Crack", em que preconiza que o período de internação para "limpeza" do organismo deve durar, no mínimo, de sete a 14 dias.

O texto aponta indícios que devem ser investigados pela equipe médica ao ter contato com o paciente e quais remédios devem ser usados para inibir a vontade do consumo de droga. Mostra, também, a necessidade de um tratamento multidisciplinar, cuidando tanto da parte física quanto das questões psicológicas e de sociabilidade do dependente, na tentativa de prevenir recaídas. Busca, ainda, alertar a classe médica sobre o diagnóstico e a importância de uma abordagem que se estenda à família do viciado.

Estudos revelam que a desintoxicação tem apenas a função de reduzir os danos a que o usuário está sujeito, mas ainda é considerada uma contribuição modesta. Paralelamente, é de grande importância uma reinserção social visando reduzir o índice de recaídas.

Todas as pesquisas, diretrizes, providências e ações são sempre benéficas, mas sem esse olhar multidisciplinar - incluindo a desintoxicação, o cuidado da saúde física e psíquica do paciente, a abordagem familiar e a ressocialização -, não visualizo como equacionar esse real e atual problema social.

 

Lizete Andreis Sebben

Desembargadora TJRS

www.lizetesebben.com.br

lizasebben@terra.com.br

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Maria Isabel Pereora Da Costa) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados