JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A VERDADE MATERIAL NO PROCESSO ADMINISTRATIVO FISCAL


Autoria:

Anderson Jacome Dos Santos


Oficial de Justiça, graduado em Direito, Especialista em Direito Civil pelo Unesc Colatina-ES e em Direito Tributário pela Universidade Anhanguera

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Holding Familiar

A INCONSTITUCIONALIDADE DA IMUNIDADE VINDA DA PEC DA MÚSICA

Em relação ao Sistema Tributário Nacional e à jurisprudência do STF : Constitucionalidade das TAXAS cobradas em razão exclusivamente dos serviços públicos de coleta, remoção e tratamento ou destinação de lixo ou resíduos provenientes de imóveis X Inconsti

PRAZO DE DECADÊNCIA TRIBUTÁRIA PRECISA SER REDUZIDO PARA DOIS ANOS

Débitos fiscais: a partir de 2009 devem ser parcelados judicialmente

A Prescrição do Crédito Tributário e a Adesão do Contribuinte a Programas de Parcelamento

As espécies tributárias: impostos, taxas e contribuições

Comentários básicos sobre Direito Tributário

COBRANÇA DE DÉBITOS DE CRÉDITO RURAL INSCRITOS NA DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO ESTÁ SUSPENSA ATÉ 31 DE MARÇO

DELAÇÃO PREMIADA

Mais artigos da área...

Resumo:

Em tempos passados, época da judicialização excessiva, o tema Processo Administrativo Fiscal não gerava tanto interesse. Hoje os Tribunais de Impostos e Taxas vêm mudando esse quadro, com julgamentos sempre imparciais, profissionais altamente capazes

Texto enviado ao JurisWay em 18/06/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

1.       INTRODUÇÃO

 

O presente se norteia pelo estudo da verdade material, notadamente conhecida por seu valor no campo processual penal, aplicando-o na seara do processo administrativo tributário.

 

Nesse rumo, implica conhecer basicamente as distinções entre verdade formal e verdade material ou real, colacionando ao final a motivação pela preferência a esse segundo princípio no âmbito tributário em promoção à legalidade dos atos da administração.

 

2.       A VERDADE FORMAL E MATERIAL

 

2.1 Distinções

 

Em suma, o que distingue a verdade formal e a material é o poder que o juiz detém ou não de, ex officio, trazer as provas onde elas estejam para dentro do processo. É a aplicação do princípio dispositivo ou da livre investigação das provas.

 

O princípio dispositivo consiste na regra de que o juiz depende, na instrução da causa, da iniciativa das partes quanto às provas e às alegações em que se fundamentará a decisão: iudex secundum allegata et probata partium iudicare debet (CINTRA et al., 2005, p. 65).

 

O princípio da livre investigação das provas, por sua vez, autoriza ao julgador buscar as provas que precisar para apurar a verdade (real) e decidir segundo o seu sentir.

 

2.2 Aplicabilidade

 

Culturalmente, prevalecera no direito penal pátrio o princípio da verdade material (ou real), justificando-se na natureza da pena, que é a medida corporal da privação da liberdade. O que, a contrario sensu, no direito civil, baseava-se na disponibilidade patrimonial. Daí por que o direito privado vedava o juiz buscar as provas e assim pôr em risco sua imparcialidade, salvo se a matéria for não-patrimonial, como em casos de família e infantes, cuja importância justifica a atuação do juiz na busca da verdade real, os quais se regem mais pela seara social.

 

No direito tributário, a sua aplicação se justifica no princípio da legalidade dos atos da administração (Arts. 5º, II; 37, caput; e 150, I; todos da CF), cuja nulidade, caso declarada posteriormente em contencioso judicial, acarretaria prejuízos ao próprio Estado.

 

2.3 A verdade no PAF: aspectos principais

 

Em princípio, é importante ressaltar que, assim como no âmbito judicial hoje impera o princípio do impulso oficial pelo juiz, a administração vale-se do princípio da oficialidade, o qual recomenda ao julgador buscar a verdade e aplicar a lei, apesar da inércia das partes.

 

Em que pese a assertiva acima, que por si só denotaria a opção pela verdade real nos contenciosos administrativos, a questão pode revelar nuances celeumáticas na doutrina.

 

A verdade real é hoje uma tendência universal, mesmo que alguns – com a escusa de que a verdade absoluta demandaria tempo demais, e o seu resultado final continuaria a ser uma mera aproximação da verdade – defendam ser ela utópica (MICHELS, 2005, p. 109).

 

No âmbito administrativo, seguindo a orientação judicial, o ônus da prova é do autor – o Fisco –, salvo nos casos de presunção absoluta do Fato Gerador, quando se dá a inversão do ônus da prova, ou seja, é o contribuinte que deve provar também fato que impede, modifica ou extingue o direito consubstanciado no lançamento, sendo que todas as provas obedecem ao princípio da persuasão racional motivada do julgador (Art. 93, X, CF c/c Art. 131, CPC), pois elas não têm prévio peso taxado de valor, mas deve a autoridade explicitar e fundamentar o seu convencimento.

 

Contudo, a produção de provas deve obedecer aos requisitos do Art. 332 do CPC, bem como equilibrar os princípios gerais que norteiam o direito, notadamente o da ampla defesa, da celeridade e o da efetividade, não se olvidando da premissa inaugural: legalidade dos atos administrativos.

 

A perícia, por exemplo, a despeito do Art. 18, Decreto 70.235/70, deveria ser evitado o indeferimento, pois, uma vez decidido que ela era desnecessária pela autoridade, inviável será a decisão que prejudica o contribuinte por falta de provas, podendo resultar em ação judicial anulando a decisão administrativa por cerceamento de defesa (MACHADO, 2011, p. 461).

 

Outra questão importante é a preclusão probatória (Art. 16, § 4º, Decreto 70.235/70), a qual decorre da necessidade de se garantir o andamento lógico do processo administrativo, o que previne eventuais protelações (SILVA, 2008a, p. 23). É crescente, porém, opiniões pela licitude da apreciação pelo julgador administrativo de documentos juntados aos autos após a impugnação tempestiva (sic), mas antes da decisão definitiva, promovendo, assim, princípios constitucionais e legais pertinentes aos atos administrativos (FERREIRA, 2010, p. 04 – peço maxima venia ao autor para esclarecer que o mesmo menciona “tempestiva”, mas com a ideia, eu acredito, de documentos juntados intempestivamente).

 

Não obstante as celeumas doutrinárias entorno da verdade real, prevalece a verdade do julgador, para quem as provas terão papel fundamental na formação de sua convicção, ao qual incumbe determinar ou não a realização de diligências, inclusive perícias, podendo indeferi-las se as tiver por prescindíveis ou impraticáveis (SILVA, 2008b, p. 21), a teor inclusive do que está contido no Art. 130, CPC.

 

Aliás, hodiernamente as dicções verdades formal e material hão de serem suplantadas, pois a representação da verdade jurídica como verdade absoluta é atualizada na representação dos julgadores, tanto quando tratam de matéria civil como quando tratam de matéria penal, o que afasta a crença de que o princípio da verdade real só orienta o processo penal (MENDES, 2010, p. 04 do arquivo da web e 324 do periódico físico) [g.n.].

 

3.       CONCLUSÃO

 

É forçoso concluir que, embora pragmática a aplicação da verdade material em processo administrativo fiscal, é a verdade do julgador que irá prevalecer ao final.

 

Certo, porém, que essa verdade deverá ser norteadora para a decisão da autoridade, mas só realizável flexibilizando as regras processuais em promoção da legalidade dos atos fiscais, sob pena de possível anulação judicial por cerceamento de defesa, o que seria pernicioso para o próprio Estado, responsável por reabrir o PAF, pelos riscos da prescrição, além dos custos das demandas deflagradas, não realizando, por fim, o princípio contido no Art. 5º, LXXVIII, CF, que é o direito garantido ao cidadão a um Estado-Administração célere, mas efetivo.

 

4.       REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

CINTRA, Antonio Carlos de Araujo. GRINOVER, Ada Pellegrini. DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria Geral do Processo. 21 ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2005.

 

FERREIRA, Antonio Cesar Bueno. A Preclusão e a Verdade Material no Processo Administrativo Tributário. Disposto em [http://www.esaf.fazenda.gov.br/esafsite/premios/ Monografias_Direito_Tributario/monografias_premiadas_arquivos/Tema_1_3_Lugar_Antonio_Cesar_Bueno_Ferreira.pdf]. Acesso aos 25/11/2011.

 

MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 32 ed. São Paulo: Malheiros Editores. 2011.

 

MENDES, Regina Lúcia Teixeira. Princípio da Verdade Real no Processo Judicial Brasileiro. Revista Seção Judiciária do Rio de Janeiro, v. 17, n. 19, p. 321-341. Dez/2010. Disposto em [http://www4.jfrj.jus.br/seer/index.php/revista_sjrj/article/viewFile/209/202]. Acesso aos 26/11/2011.

 

MICHELS, Gilson Wessler. Processo Administrativo Fiscal. Dec 70.235/72 anotado (atualizado até 31/12/2005). Disposto em [http://www.receita.fazenda.gov.br/publico/ Legislacao/Decreto/ProcAdmFiscal/PAF.Pdf]. Acesso aos 19/11/2011.

 

SILVA, Helda Pedrita Araújo Azevedo e. Verdade Material e Prova no Processo Administrativo Fiscal. Disposto em [www.esaf.fazenda.gov.br/esafsite/biblioteca/ monografias/helda_pedrita_araujo.pdf]. Acesso aos 19/11/2011. Também disposto no site do Professor Sabbag (www.professorsabbag.com.br).

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Anderson Jacome Dos Santos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados