JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

"Cheque sem fundos" - No caso do empregado receber um cheque sem fundo, pode o empregador descontar de seus salário este valor?


Autoria:

Leonardo Tadeu


Graduado em Direito pela PUC-MG.

envie um e-mail para este autor

Texto enviado ao JurisWay em 23/10/2006.

Última edição/atualização em 27/11/2006.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Sempre foi costume, no mundo dos negócios, o fato de empregadores tentarem, sempre que possível, repassar os prejuízos da atividade econômica diretamente para seus empregados.
 
Na realidade, na maioria dos casos, este procedimento encontra-se expressamente previsto em contratos de trabalho de frentistas de postos de gasolina e também, para os trabalhadores comissionistas.
 
Neste sentido, sempre que, em um posto de gasolina, um cheque não é devidamente compensado, por ausência de fundos, por exemplo, o empregador desconta este valor diretamente do salário do frentista.
 
Também, para o caso dos trabalhadores comissionistas, o procedimento é o mesmo.
 
Desta forma, mesmo admitindo-se a hipótese do vendedor, que após fechado o negócio, já tenha recebido a comissão, o desconto em seu salário será procedimento normal, em se verificando algum problema com a venda realizada.
 
Todavia, não obstante, ser costume a realização de tais procedimentos no comércio, no mundo jurídico, esta conduta encontra grandes restrições.
 
É que em se tratando de Direito, as hipóteses de descontos diretamente no salário do empregado são reduzidíssimas e somente são admitidas quando a conduta do trabalhador tenha contribuído para aquele prejuízo, como, por exemplo, no caso de um  trabalhador frentista receber um cheque em um posto de gasolina, e não verificar se este cliente tem alguma restrição de crédito, contrariando assim, procedimento da empresa.
 
Desta forma, ressalvadas hipóteses em que a culpa do trabalhador é notória, nosso ordenamento jurídico tem vedado a possibilidade do desconto direito no salário do empregado.
 
Inclusive, deve-se ressaltar que própria Lei estabelece que é ônus do empregador suportar os riscos da atividade econômica, mesmo que nesta hipótese seja suportar o prejuízo.
 
Tal diretriz encontra-se expressamente calcada no artigo 2º da CLT que estabelece que o empregador além de dirigir seu negócio, admitindo empregados, pagando salários, e tomando decisões, tem o ônus de suportar os riscos da atividade econômica.
 
Ora, admitir que empregadores procedam ao desconto de cheque sem fundo diretamente no salário do empregado é procedimento ilegal e vedado no mundo jurídico, vez que importaria em transferir ao trabalhador os riscos da atividade econômica.
 
Neste sentido, recentemente o Tribunal Superior do Trabalho, julgando questão semelhante, proferiu uma decisão que favorável ao trabalhador, entendeu por ilegal o desconto de comissão quando da emissão de cheque sem fundo por cliente.
 
Esta decisão teve como fundamento legal o fato de ser ônus exclusivo de o empregador suportar os riscos da atividade econômica, sendo nula qualquer cláusula contratual que preveja o estorno da comissão quando não efetivado o pagamento da compra realizada.
 
Não é demais lembrar que esta decisão representa um sensível avanço da jurisprudência no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho, em favor dos trabalhadores, o que poderá resultar no surgimento de milhares de novas ações trabalhistas, no qual os empregados irão reivindicar o estorno de valores cobrados indevidamente de seus salários.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Leonardo Tadeu) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados