JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

"Cheque sem fundos" - No caso do empregado receber um cheque sem fundo, pode o empregador descontar de seus salário este valor?


Autoria:

Leonardo Tadeu


Graduado em Direito pela PUC-MG.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Os novos direitos dos empregados domésticos

Do prejuízo na correção dos débitos trabalhistas

RELAÇÃO DE TRABALHO E RELAÇÃO DE EMPREGO

Pagamento do Imposto de Renda e Contribuições Previdenciárias em Reclamações Trabalhistas

A Lei nº 8.213/91 e o Projeto de Lei nº 2973/11, que aumenta a cota de portadores de deficiência nas empresas privadas

O DUMPING SOCIAL NA ATUALIDADE

O Processo Judicial Eletrônico: Rumo ao documento digital. Pela utilização obrigatória do PJe após a eliminação de todas as inviabilidades do sistema de processamento eletrônico.

SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

Das Comissões de Conciliação Prévia (Ineficácia do Sistema)

ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇA OCUPACIONAL: CONCEITO, CARACTERIZAÇÃO, INDICADORES EM NÚMEROS E GÊNEROS E GASTOS PREVIDENCIÁRIOS ENTRE OS ANOS DE 2005 A 2011

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 23/10/2006.

Última edição/atualização em 27/11/2006.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Sempre foi costume, no mundo dos negócios, o fato de empregadores tentarem, sempre que possível, repassar os prejuízos da atividade econômica diretamente para seus empregados.
 
Na realidade, na maioria dos casos, este procedimento encontra-se expressamente previsto em contratos de trabalho de frentistas de postos de gasolina e também, para os trabalhadores comissionistas.
 
Neste sentido, sempre que, em um posto de gasolina, um cheque não é devidamente compensado, por ausência de fundos, por exemplo, o empregador desconta este valor diretamente do salário do frentista.
 
Também, para o caso dos trabalhadores comissionistas, o procedimento é o mesmo.
 
Desta forma, mesmo admitindo-se a hipótese do vendedor, que após fechado o negócio, já tenha recebido a comissão, o desconto em seu salário será procedimento normal, em se verificando algum problema com a venda realizada.
 
Todavia, não obstante, ser costume a realização de tais procedimentos no comércio, no mundo jurídico, esta conduta encontra grandes restrições.
 
É que em se tratando de Direito, as hipóteses de descontos diretamente no salário do empregado são reduzidíssimas e somente são admitidas quando a conduta do trabalhador tenha contribuído para aquele prejuízo, como, por exemplo, no caso de um  trabalhador frentista receber um cheque em um posto de gasolina, e não verificar se este cliente tem alguma restrição de crédito, contrariando assim, procedimento da empresa.
 
Desta forma, ressalvadas hipóteses em que a culpa do trabalhador é notória, nosso ordenamento jurídico tem vedado a possibilidade do desconto direito no salário do empregado.
 
Inclusive, deve-se ressaltar que própria Lei estabelece que é ônus do empregador suportar os riscos da atividade econômica, mesmo que nesta hipótese seja suportar o prejuízo.
 
Tal diretriz encontra-se expressamente calcada no artigo 2º da CLT que estabelece que o empregador além de dirigir seu negócio, admitindo empregados, pagando salários, e tomando decisões, tem o ônus de suportar os riscos da atividade econômica.
 
Ora, admitir que empregadores procedam ao desconto de cheque sem fundo diretamente no salário do empregado é procedimento ilegal e vedado no mundo jurídico, vez que importaria em transferir ao trabalhador os riscos da atividade econômica.
 
Neste sentido, recentemente o Tribunal Superior do Trabalho, julgando questão semelhante, proferiu uma decisão que favorável ao trabalhador, entendeu por ilegal o desconto de comissão quando da emissão de cheque sem fundo por cliente.
 
Esta decisão teve como fundamento legal o fato de ser ônus exclusivo de o empregador suportar os riscos da atividade econômica, sendo nula qualquer cláusula contratual que preveja o estorno da comissão quando não efetivado o pagamento da compra realizada.
 
Não é demais lembrar que esta decisão representa um sensível avanço da jurisprudência no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho, em favor dos trabalhadores, o que poderá resultar no surgimento de milhares de novas ações trabalhistas, no qual os empregados irão reivindicar o estorno de valores cobrados indevidamente de seus salários.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Leonardo Tadeu) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados