JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Resumo de aula - IED II


Autoria:

Janiere Portela Leite Paes


Técnica Judiciária do TRE-AL, acadêmica do curso de Bacharelado em Direito pela FG(Bahia).

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Trata-se de resumo elaborado para auxiliar os estudos da disciplina IED II.

Texto enviado ao JurisWay em 24/07/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

I.E.D II – RESUMO

  JURNATURALISMO X POSITIVISMO

 

DIREITO NATURAL: DA ORIGEM AO DECLÍNIO

 

ANTIGA

         GRÉCIA (NATUREZA HUMANA: SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES);

         ROMA (RETA RAZÃO: CÍCERO)

 

MEDIEVAL

 

         SÃO TOMÁS DE AQUINO (LEI ETERNA; LEI NATURAL E LEI HUMANA);

         SANTO AGOSTINHO (CONTESTA A DOUTRINA DE SÃO TOMÁS DE AQUINO, INICIO DO PENSAMENTO POSITIVISTA);

          HUGO GRÓCIO (1583-1645) : ANTROPOCENTRISMO, DIREITO É PRODUTO DA RAZÃO HUMANA; ESCOLA CLÁSSICA DO DIREITO NATURAL;

          TOMAS HOBBES (1588-1679): ABSOLUTISTA E LIBERAL; HOMEM É UM SER ANTI-SOCIAL;

          JOHN LOCKE (1632-1704): ESTADO DE NATUREZA; PRECURSOR DO CONTRATO SOCIAL;

 (PROTESTANTISMO / RACIONALISMO: LEVA O DIREITO NATURAL AO DECLINIO)

          ROSSEAU (1712-1778): CONTRATUALISTA; VONTADE COLETIVA; INSPIROU A REVOLUÇÃO FRANCESA;

 
 

CRÍTICAS AO DIREITO NATURAL: ENQUANTO O DIREITO POSITIVO É UM CONJUNTO DE NORMAS POSTAS, O DIREITO NATURAL É UM CONJUNTO DE IDEIAIS DE JUSTIÇA QUE NÃO PODEM SER APLICADOS COMO LEI, MESMO QUANDO EXISTEM LACUNAS NA LEI  E CABE AO JUIZ A FACULDADE DE DECIDIR SEGUNDO A EQUIDADE;

 

A TENDÊNCIA CONTEMPORANEA É CONSIDERAR O DIREITO NATURAL COMO UM CONJUNTO DE PRINCÍPIOS E NÃO COMO DIREITO NORMATIVO, TRAÇANDO AS LINHAS MESTRAS PARA CONDUZIR O HOMEM EM SOCIEDADE.

 

DIREITO POSITIVO

 

CONCEITO: CONJUNTO DE NORMAS VIGENTES EM UM PAÍS, EM DETERMINADA ÉPOCA, CRIADAS PELO SER HUMANO E POSTAS PELO ESTADO; NEGA A EXISTÊNCIA DE JUÍZOS DE VALOR.

 

APOGEU: FINAL DO SÉCULO XIX E INICIO DO SÉCULO XX, MAS HOJE ENCONTRA-SE EM DECADÊNCIA; INICIO DO NEOPOSITIVISMO;

 

 

ESCOLAS:

 

RACIONALISTA

 

         IMANUEL KANT (1724-1804): FIM DO NATURALISMO E INICIO DO POSITIVISMO;

 

ESCOLA HISTÓRICA (NASCIMENTO DA MODERNA CIÊNCIA JURÍDICA)

 

         HEGEL (1770-1831);

         SAVIGNY;

 

ESCOLA SOCIOLÓGICA

 

         IHERING (PROGRESSO SOCIAL; EVOLUÇÃO E PLURALISMO POLÍTICO);

 

ESCOLA POSITIVISTA (NÃO ACEITA VALORES DA VIDA HUMANA P/ O DIREITO)

         HANS KELSEN (1881-1973): NORMA FUNDAMENTAL; PIRAMIDE HIERÁRQUICA;  

         ALF ROSS (1899-1979);                                                                                      

         HERBERT HART (1907-1992);                                                                          

                                                                                                                                     

 

CRÍTICAS AO POSITIVISMO: TODAS ESSAS TEORIAS POSITIVISTAS NAUFRAGARAM NO FINAL DO SÉCULO XX, EM DECORRÊNCIA DO TOTALITARISMO E DITADURAS.

 

NEOPOSITIVISMO

 

         NOBERTO BOBBIO

  

TEORIA TRIDIMENSIONAL : FATO SOCIAL / VALOR E NORMA

– MIGUEL REALE-

 

   


                                               FATO SOCIAL



                             

                                VALOR                                        NORMA

 

  

SÍNTESE: AO FATO SOCIAL ATRIBUI-SE UM VALOR (PRINCÍPIOS), AO QUAL SE TRADUZ EM NORMA; CUJA INTERPRETAÇÃO VARIA DE ACORDO COM O CONTEXTO SOCIAL E HISTÓRICO À ÉPOCA DOS FATOS.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Janiere Portela Leite Paes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados