JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Amigado com fé... casado é!


Autoria:

Adelson S. Álvares

Outros artigos do mesmo autor

Casamento Putativo
Direito de Família

TERMINAR O NOIVADO TRAZ PROBLEMAS?
Direito de Família

Separação sem Guerra
Desenvolvimento Pessoal

ALIMENTOS GRAVÍDICOS
Direito de Família

Seu casamento não está dando certo?
Desenvolvimento Pessoal

Mais artigos...

Resumo:

A convivência amorosa, estável, pública e contínua entre um homem e uma mulher desimpedidos, foi reconhecida pela legislação brasileira como Entidade Familiar, tornando realidade o antigo chavão: "amigado com fé... casado é".

Texto enviado ao JurisWay em 03/10/2006.

Última edição/atualização em 23/05/2007.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A Constituição de 1988, já havia garantido a união estável entre um homem e uma mulher como Entidade Familiar. Contudo, com o advento do Novo Código Civil Brasileiro em 2002, foram ampliados os direitos e deveres inerentes aos companheiros.

Antes, para caracterizar a união estável, a lei determinava que os companheiros deveriam ser pessoas livres e desimpedidas para se casarem ao tempo do relacionamento. Hoje, com a implementação do novo Código Civil, também os separados de fato ou judicialmente, que mantenham união amorosa de convivência duradoura, estável e pública, posterior a ruptura conjugal, se enquadram na União Estável, e são reconhecidos como Entidade Familiar, desde que não estejam impedidos por outros motivos previstos na lei.

Cumpridas tais condições os companheiros terão direito de herança, de alimentos e partilha dos bens adquiridos onerosamente, na constância da união do casal.

No direito de herança, caberá ao companheiro que sobreviveu, se concorrendo com os filhos comuns do casal, a mesma cota de um filho; concorrendo somente com filhos do autor da herança, metade da cota de um filho; e concorrendo  com outros parentes sucessórios, a terça parte da herança, e por fim, não havendo herdeiros caberá ao companheiro sobrevivo a totalidade da herança.

No direito aos Alimentos, a lei permite reciprocidade aos companheiros no direito de requerer pensão alimentícia ao outro para prover o seu sustento, quando comprovadamente deles necessitar. Quanto ao valor, este será de acordo com a capacidade econômica-financeira do alimentante.

Outra novidade na legislação refere-se à permanência do pagamento da pensão alimentícia  com a morte do alimentante. Entretanto, os cônjuges e companheiros  somente terão este direito, enquanto houver patrimônio do “de cujus”, não havendo obrigatoriedade  dos herdeiros de  arcarem com esse ônus com recursos do seu próprio bolso. A reciprocidade prevista no Código Civil,  somente tutela este princípio aos ascendentes, descendentes e irmãos.

E, por fim, quando da dissolução da união estável os companheiros farão juz a meação dos bens adquiridos onerosamente, na constância do relacionamento, tal, como prescrito para o regime de comunhão parcial de bens, ou, obedecerão a condições reguladas em contrato,
ainda que particular, celebrado pelos companheiros.

A promulgação do Código Civil demonstra que a sociedade brasileira está mais madura e consciente do dever de tutelar situações reais existentes acatando a evolução do mundo moderno.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Adelson S. Álvares) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Raquel (10/07/2009 às 14:29:11) IP: 189.25.174.71
Bastante simples e esclarecedor. Muito bom!
2) Marcia (20/08/2009 às 16:43:34) IP: 189.70.173.2
Parabéns, uma boa explanação sobre o assunto de forma clara e objetiva
3) Tiesco (01/09/2009 às 10:13:54) IP: 200.169.200.8
Bom artigo, a lei diverge muito sobre o assunto, mas no geral o contéudo te bem direcionado.
4) Aguia7 (21/01/2010 às 20:09:43) IP: 187.67.152.225
muito bom,mas temos que ficar atento a lei que estava em vigor no tempo da união estável.
5) Neninha (03/02/2010 às 11:30:44) IP: 201.34.57.248
Matéria muito bem explicada.Parabéns.Contudo há varias interpretações no tocante ao processo sucessório,gerando conflitos nessas famílias.
6) R (24/02/2010 às 17:58:11) IP: 189.90.182.226
Explanação simples objetiva e de fácil compreensão.
Muito bom.
7) Americo (30/04/2010 às 11:58:51) IP: 189.71.83.78

Excelente o artigo pela sua clareza e objetividade. De parabéns a Sra. e mestra Lourdes Santana.
8) Antônio (02/05/2010 às 02:53:32) IP: 201.41.238.195
Texto de fácil leitura e entendimento. Bom
9) Celson (06/06/2010 às 08:30:19) IP: 189.104.195.79
Excelente texto! de fácil compreensão e com objetividade. Concordo tambem com a opinião da Neninha sôbre as diversas interpretações do processo sucessório.
Parabéns Dra Lourdes!!
Celson
10) Luiz (12/06/2010 às 17:57:41) IP: 189.104.131.104
Muito bem clarificado, bastante objetivo.
11) Andrei (30/07/2010 às 20:02:32) IP: 189.82.154.41
Texto bem escrito, claro e interessante. Bem adequado para iniciar o curso temático sobre União Estável. Prbs!
12) Odete (12/08/2010 às 13:31:57) IP: 189.78.198.206
Belíssimos Doutrinadores e Assuntos de altíssima relevância e bem pertinente aos dias atuais.
Parabéns Dra. Lourdes Sant'ana e
Parabéns JURISWAY!
13) Oreilly (18/09/2010 às 22:55:12) IP: 200.164.137.102
Texto bastante elucidador.
14) Bruna (27/10/2010 às 09:43:18) IP: 201.18.153.152
Ótimo assunto.
15) Francinildo (19/11/2010 às 16:53:32) IP: 187.19.240.149
o texto nos dar uma visão ampla que esclarece o instituito do União estável, pratica bom comum nos relacionamentos atuais.
16) Benilce (09/01/2011 às 00:43:56) IP: 189.22.115.7
Excelente! O texto é interessante e fácil entendimento.
Parabéns!
17) Rodrigo (05/02/2011 às 19:38:52) IP: 189.74.51.213
Muito bom.
18) Patrícia (13/04/2011 às 18:14:19) IP: 187.39.96.246
Texto esclarecedor, sobre um assunto que ainda gera muitas dúvidas na sociedade. Parabéns!!!
19) Juliana (06/05/2011 às 18:14:18) IP: 189.59.109.47
Excelente texto, meus parabéns!
20) Cristiane (19/06/2011 às 10:50:41) IP: 201.95.191.134
Assunto gerador de muitas dúvidas. texto simples e esclarecedor.
21) Francalacy (04/09/2011 às 17:07:43) IP: 186.198.193.38
Bastante esclarecedor,pois existia muitas duvidas.
22) Sérgio (22/12/2011 às 18:22:44) IP: 187.45.53.173
Texto bastante claro e esclarecedor!
23) Francisco (18/02/2012 às 11:12:52) IP: 177.118.144.208
Bom resumo!! Simplório, mas bastante esclaredor das conseqüências deste instituto jurídico.
24) Tacila (26/04/2012 às 17:09:23) IP: 189.67.91.247
Nota-se que o texto é bem objetivo,sem rodeios esclarecendo o conceito sobre o assunto,o qual é de fundamental importancia juridica para a realidade atual da sociedade brasileira.
25) Jonas (11/06/2013 às 22:01:14) IP: 177.197.51.122
A introdução ao tema exposto, dá uma boa noção da tendência protetiva a entidade familiar, consubstânciada na CF/1988 e seguida pelo Código Cívil vigente.
26) Dirlene (21/08/2013 às 21:15:30) IP: 177.139.208.188
Muito bem explicado, adorei.
27) Aline (08/09/2014 às 15:34:45) IP: 201.48.156.219
Excelente abrangência do tema proposto.
28) Karielly (10/12/2018 às 14:30:35) IP: 143.255.217.142
Ótimo
29) Thais (31/05/2019 às 15:03:35) IP: 201.88.237.109
Muito bem clarificado, bastante objetivo.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados