JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Breve História das Sociedades Mercantis


Autoria:

Antonio Carlos Rodrigues


Sou Antonio Carlos Rodrigues Principal Atividade: Servidor Público Estuadante de Dreito/2º anista na Universidade de Ribeirão Preto - SP

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Aspectos introdutórios da Cláusula de Raio nos contratos de locação de shopping center analisada sob o prisma do Direito Empresarial

O CONTRATO DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL E A CLÁUSULA DE ELEIÇÃO DE FORO

Figurinhas carimbadas da Lava Jato, offshores facilitam a ilegalidade. Entenda como funcionam

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURIDICA NAS RELAÇÕES DE CONSUMO, NA ÓTICA DO DIREITO EMPRESARIAL

A responsabilidade do sócio retirante nos imbróglios envolvendo a pessoa jurídica

O PRODUTOR FAMILIAR RURAL E A AUTO FALÊNCIA

Obrigatoriedade das sociedades estrangeiras com participação em sociedade brasileira possuírem representante no Brasil, com poderes para receber citação

Governança Corporativa: soluções para a sucessão e conflitos nas empresas familiares

A TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA - DISREGARD DOCTRINE - NO DIREITO EMPRESARIAL BRASILEIRO.

Governança Corporativa em Pequenas e Médias Empresas: é possível?

Mais artigos da área...

Resumo:

Sociedades Mercantis; Surgimento das sociedades comerciais; A Companhia das Índias Ocidentais no Brasil

Texto enviado ao JurisWay em 23/11/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

                               Brevíssima História das Sociedades Mercantis

                               As sociedades comerciais como as conhecemos teve  seu desenvolvimento e evolução continuada através da história desde os séculos passados, mais incipientemente  no continente europeu nos meados dos anos 1.600  concomitantemente quando as grandes nações européias visavam, não apenas o domínio das novas colônias, mas a exploração das riquezas naturais desde a mineração até pelo extravio de produtos das fauna e flora.

                               Demandou um amplo ajuntamento tanto de  recursos de capitais de vários setores da recém  surgida sociedade mercantilista como o próprio Estado. Dessa recém surgida sociedade é que começou, ainda que de forma elementar, porém significativa as sociedades por ações. Destinos como o Oriente Médio, China, Índia entre muitas outras rotas eram bastante concorridos por diversos razões, pois nesses mercados eram encontrados os artigos e produtos que demandava na Europa.

                               É ciente de muitos autores e historiadores que essas sociedades por ações eram a marca de inúmeras sociedades de colonização vigentes nesse mesmo período dos anos 1.600 e surgidas em várias nações como na Inglaterra, França. Inicialmente teve  um grande número de indivíduos com conhecimento da náutica e judeus abastados, conforme informes historiográficos mais precisos.

                               Foi a  capitalista Companhia das índias Ocidentais com origem nos Países Baixos (Holanda) e com as bênçãos da coroa holandesa, que Nassau (era o administrador-geral da companhia, chamado de Príncipe) , aportou com suas naus em  praias brasileira  e teve uma das maiores influências no nosso país, patrocinando expedições mercantilistas desde o norte até o sul de nosso território.  Teve também o poder da realeza holandesa  para eregir fortaleza, constituir governadores entre tantas outras necessidades de estabelecimento da “logística” da época  e tendo um dos mais importantes objetivos, o de facilitar  a exploração e o envio dos produtos e ítens de consumo que demandava a emergente sociedade capitalista européia.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Antonio Carlos Rodrigues) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados