JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

As faces da violência - um olhar psicológico


Autoria:

Silmário Antonio Gomes De Sousa


Bacharel em Administração pela UEFS, Especialização em Política e Estratégia pela UNEB/ADESG, exerce a função de Controller no Banco do Brasil, acadêmico de Direito da Faculdade 2 de Julho em Salvador - BA.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

RESUMO: Este texto trata a respeito da violência, abrangendo seu conceito e suas diversas formas, seu relacionamento com a agressividade, com ênfase nos aspectos psicológicos. Palavras-chave: Psicologia, Violência, Agressividade.

Texto enviado ao JurisWay em 14/06/2010.

Última edição/atualização em 15/06/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

1. INTRODUÇÃO

               Em abril de 1997 cinco rapazes, adolescentes, em Brasília, atearam fogo em um "suposto mendigo", mais tarde identificado como índio Galdino. O episódio ficou conhecido como a morte do índio pataxó. Os rapazes colocaram uma mistura de material inflamável sobre o índio que dormia e nele atearam fogo. O índio acordou com o corpo em chamas e gritou por socorro, sendo levado ao hospital com graves queimaduras. No dia seguinte, veio a falecer. Os rapazes, reconhecidos e presos, apresentaram como justificativa, os seguintes argumentos: "não sabíamos que era um índio" e "pensamos que fosse um mendigo".
               Em 2002, num retrato fiel da realidade, foi lançado no Brasil o filme Cama de Gato, que retrata a vida de três amigos, colegas do colegial de uma escola particular de São Paulo. Representantes da classe média-alta, estes garotos vivem dilemas próprios da juventude dos anos 90: a necessidade de se divertir, aliada a uma preocupação de se estabelecer em uma sociedade baseada na economia global que oferece cada vez menos oportunidades e onde a crescente desigualdade social aparece como consequência natural do sistema. A diversão confunde-se com a violência. Na tentativa de se divertirem a "qualquer custo", acabam matando pessoas e passam a tentar encobrir os crimes sem deixar nenhuma pista que possa envolvê-los nos assassinatos. Quanto mais eles tentam resolver os problemas que criaram, mais eles se complicam. Porém, o limite entre complicação e diversão torna-se bastante tênue.
               Fatos como estes não são isolados e tornam-se cada vez mais frequentes, apresentando-se com exemplos firmes de violência. O Dicionário Houaiss a define violência como sendo a "ação ou efeito de violentar, de empregar força física (contra alguém ou algo) ou intimidação moral contra (alguém); ato violento, crueldade, força". No aspecto jurídico, o mesmo dicionário define o termo como o "constrangimento físico ou moral exercido sobre alguém, para obrigá-lo a submeter-se à vontade de outrem; coação". A OMS (Organização Mundial da Saúde) define violência como sendo "a imposição de um grau significativo de dor e sofrimento evitáveis". Mas os especialistas afirmam que o conceito é muito mais amplo e ambíguo do que essa mera constatação de que a violência é a imposição de dor, a agressão cometida por uma pessoa contra outra; mesmo porque a dor é um conceito muito difícil de ser definido.
               Para todos os efeitos, guerra, fome, tortura, assassinato, preconceito, a violência se manifesta de várias maneiras. Na comunidade internacional de direitos humanos, a violência é compreendida como todas as violações dos direitos civis (vida, propriedade, liberdade de ir e vir, de consciência e de culto); políticos (direito a votar e a ser votado, ter participação política); sociais (habitação, saúde, educação, segurança); econômicos (emprego e salário) e culturais (direito de manter e manifestar sua própria cultura).
               No campo da ciência psicológica, Bock, Furtado e Teixeira (1995, p. 283), definem violência como o uso desejado da agressividade, com fins destrutivos, podendo ser voluntário, racional e consciente ou involuntário, irracional e inconsciente. Complementando, Mangini (2008), apud Fiorelli, José Osmir & Mangini, Rosana C. Ragazzoni (2009, p. 266) diz que a violência ocorre quando a agressividade não está relacionada à proteção de interesses vitais, trazendo em si a ideia de destruição, do investimento destrutivo entre seres da mesma espécie quando outras vias de solução poderiam ser empregadas.

2. RELAÇÃO ENTRE AGRESSIVIDADE E VIOLÊNCIA

               De uma forma geral, associa-se a violência a um ato enlouquecido, como transgressão de regras, normas e leis já aceitas por uma comunidade. Violência, para grande parte da sociedade está ligada à marginalidade, aos atos físicos de abuso (assalto, assassinato, etc). Porém, Bock, Furtado e Teixeira (1995, p. 282) afirma algo que pode soar estranho: "O ser humano é agressivo".
               No entanto, se faz necessário entender que a agressividade é um impulso destrutivo que pode voltar-se para fora (heteroagressão) ou para dentro do próprio indivíduo (auto-agressão) e está sempre presente na vida psíquica, fazendo parte do binômio amor/ódio, pulsão de vida/pulsão de morte. Em apoio a essa afirmação, Mangini (2008), apud Fiorelli, José Osmir & Mangini, Rosana C. Ragazzoni (2009, p. 266), diz que agressividade faz parte da natureza do ser humano e ajuda à sobrevivência e à disposição para superar obstáculos.
               Porém, quando a pessoa não consegue canalizar a agressividade para fins produtivos deixa transparecer falta de estabilidade emocional, impulsividade e baixa tolerância a frustrações. Em resumo, pode-se dizer que o problema reside quando a pessoa não consegue canalizar a agressividade para atividades produtivas, aproximando-a do conceito de violência. Existem diversos mecanismos de controle da agressividade, a exemplo da educação, da lei e da tradição e, desde a infância, o ser humano é levado a aprender a reprimir e a não expressar de forma descontrolada a agressividade, ao mesmo tempo em que o mundo cria condições para que o individuo possa transportar seus impulsos para produções consideradas positivas, como a produção intelectual, as artes e o esporte.

3. A VIOLÊNCIA E SUAS MODALIDADES

               A violência grassa todos os ambientes e grupos sociais, sem distinção. Existe violência nas famílias, na escola, na rua, no trabalho, enfim, em todos os locais. Na família, primeiro grupo de onde participa o indivíduo, a violência apresenta-se sob diversas formas: violência física e psicológica contra o cônjuge, a criança, o adolescente e o idoso.
               Na Escola, que para as camadas médias da população funciona como um prolongamento da família, manifesta-se sob a forma de apresentação de conteúdos pouco significativos, de relacionamentos autoritários de diretores e professores e principalmente pelo bullyng, termo criado muito recentemente que compreende todas as formas de atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outro(s), causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder.
               No ambiente profissional, a grande forma de violência, amplamente disseminada nas empresas é o assédio moral ou violência moral no trabalho, que pode ser definido como a "exposição dos trabalhadores e trabalhadoras a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções, sendo mais comuns em relações hierárquicas autoritárias e assimétricas, em que predominam condutas negativas, relações desumanas e aéticas de longa duração, de um ou mais chefes dirigida a um ou mais subordinado(s), desestabilizando a relação da vítima com o ambiente de trabalho e a organização, forçando-o a desistir do emprego ou do cargo ocupado e pela degradação deliberada das condições de trabalho em que prevalecem atitudes e condutas negativas dos chefes em relação a seus subordinados, constituindo uma experiência subjetiva que acarreta prejuízos práticos e emocionais para o trabalhador e a organização. A vítima escolhida é isolada do grupo sem explicações, passando a ser hostilizada, ridicularizada, inferiorizada, culpabilizada e desacreditada diante dos pares".
               Nos espaços públicos, a violência é característica dos centros urbanos, muito embora na zona rural também existam situações de agressividade que afetam a população, ocasionadas por roubos, invasões de terra, bebedeira etc. As ruas como espaços públicos de convivência, de encontro e lúdico, por vezes vira o espaço da insegurança, da violência pela polícia, pelo "marginal" e até mesmo pelo cidadão comum. A mídia escrita e falada divulga, diariamente, situações de brigas no transito, assaltos, tiroteios etc. A situação se apresenta de forma que a sociedade começa a ter a cara do medo e a por para o exterior a própria agressividade, como forma instintiva de se proteger.

4. A VIOLÊNCIA E OS ASPECTOS TEÓRICOS.

               Entre as diversas teorias psicológicas, é a psicanálise a referência nos estudos. Segundo Bock, Furtado e Teixeira (1995, p. 283) a psicanálise afirma que a agressividade é constitutiva do ser humano e, ao mesmo tempo, afirma-se a importância da cultura, da vida social, como reguladoras dos impulsos destrutivos[1]. A função de controle ocorre no processo de socialização onde é esperado que os vínculos significativos estabelecidos com os outros seja determinante na internalização dos controles. Ainda na seara da psicanálise, Winnicott apud Fiorelli, José Osmir & Mangini, Rosana C. Ragazzoni (2009, p. 268) afirma que a agressão apresenta-se como um mecanismo de defesa, na forma de deslocamento ou sublimação. Na impossibilidade de ver realizado seu desejo, o psiquismo reage e desloca a energia para a agressividade.
               Também a Gestalt aborda o assunto ao afirmar que a agressividade pode resultar de uma percepção inadequada dos comportamentos emitidos, ou seja, a pessoa não discrimina os detalhes que diferenciam um comportamento agressivo de outro socialmente adaptado.
               O Behaviorismo, cujos grandes representantes são Watson e Skinner coloca que existe a possibilidade do comportamento agressivo ser aprendido através de um condicionamento operante por reforço positivo. Fiorelli, José Osmir & Mangini, Rosana C. Ragazzoni (2009, p. 271) fornece um exemplo característico: o individuo apresenta um comportamento agressivo ("a criança chora para ganhar um doce"); consegue o que quer ("a mãe dá o doce"); ela volta a agredir pelo mesmo ou outro motivo ("generaliza o comportamento") e obtém novamente sucesso. Torna-se cada vez mais agressiva.
               A abordagem psicológica da linha social-cognitiva, representada por Bandura, diz que a agressividade pode ter origem nos modelos: a criança e o adolescente aprendem o que é considerado mera agressividade ou violência com os pais, colegas de escola, ídolos etc. A partir daí, passam a se comportar de forma a repeti-los, para estar "à altura deles". Também a psicologia humanista discute o tema ao dizer que o heroísmo da violência e dos violentos, amplamente divulgado pela mídia, desenvolve a percepção para os benefícios da agressividade na conquista de status, representando um fator motivacional, segundo a hierarquia de Maslow.

5. CONCLUSÃO

               A violência faz parte da vida. Não será eliminada. Contudo, se faz imperioso compreendê-la. Uma situação grave e bastante evidente está representada na ausência de cuidados que a sociedade demonstra em relação aos milhões de crianças e adolescentes que vivem em situação de penúria, em condições de não-cidadania, de não-garantia dos seus direitos mais básicos, como educação, saúde, lazer, alimentação, vestuário, ou seja, aquilo de mais singelo que o ser humano necessita.
               Recentemente tem se destacado os casos de agressividade na família, particularmente, contra crianças e adolescentes, o que se justifica pelo fato da situação se constituir no embrião da violência social generalizada, ou seja, a unidade mais básica configura-se num laboratório de práticas agressivas, seja através de comportamentos por observação, reprodução e inexistência da imposição de limites.
              O sistema prisional não consegue manter a paz social porque ele próprio se constitui num sério problema, afinal a superlotação das penitenciarias e delegacias é problema corrente. Onde colocar tantos presos? A reincidência é uma demonstração da incapacidade do sistema de recuperar os presidiários. Daí a necessidade, num primeiro momento, de haver uma preocupação, por parte das autoridades e comunidade, de criação de programas tendentes ao acompanhamento dos egressos.
              Além disso, a sensação de impunidade, ou mesmo impunidade explicita para os ricos e abastados, leva os jovens, a cada vez mais, enveredarem pelos caminhos da violência pura e gratuita, como exposto no filme Cama de Gato e nos fatos do índio Pataxó, citados neste trabalho.
              De uma forma bem simples, sem maiores aprofundamentos, estudiosos colocam que se deve descolar o foco da investigação dos comportamentos violentos para a busca de estratégias de implantação de comportamentos de paz, por uma cultura de não-violência. Essa mudança de paradigma deve fazer com que os esquemas mentais que desenvolvem comportamentos violentos sejam modificados para transformar-se naqueles que levem ao comportamento pacifico.

6. REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - ABNT, Rio de Janeiro. Normas ABNT sobre documentação. Rio de Janeiro, 2000. (Coletânea de normas).
BOCK, Ana Maria Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria de Lourdes T.; Psicologias. 8ª ed., São Paulo: Saraiva: 1995. FIORELLI, José Osmir & MANGINI, Rosana C. Ragazzoni. Psicologia Jurídica. 1ª ed., São Paulo: Atlas: 2009.
STOCKLER, Alexandre. Filme Cama de Gato. São Paulo, 2007. O que é assédio moral.. Artigo disponível em http://www.assédiomoral.org. Consultado em 07.11.2009.


[1] Na sua teoria das pulsões Sigmund Freud descreveu duas pulsões antagônicas: Eros, uma pulsão sexual com tendência à preservação da vida, e Thanatos, a pulsão de morte, que levaria à segregação de tudo o que é vivo, à destruição. Ambas as pulsões não agem de forma isolada, estão sempre trabalhando em conjunto. Como no exemplo de se alimentar, embora haja pulsão de vida presente, afinal a finalidade de se alimentar é a manutenção da vida, existe também a pulsão de morte presente, pois é necessário que se destrua o alimento antes de ingeri-lo, e aí está presente um elemento agressivo, de segregação.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Silmário Antonio Gomes De Sousa) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados