JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Crime Organizado, a origem do mal.


Autoria:

Jose Vital Brigido Nunes Junior


Advogado, formado pela Universidade de Fortaleza no curso de Direito, especialista em Processo Civil Individual e Coletivo.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Origem do Crime organizado, como se formam os grupos, quem os compõe e quais são suas maiores vítimas.

Texto enviado ao JurisWay em 20/03/2010.

Última edição/atualização em 15/02/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?


                      Crime Organizado, a origem do mal.

Algumas organizações, como as Máfias italianas, a Yakuza de origem japonesa e as Tríades da china apresentam traços semelhantes, surgiram no início do século XVI como uma imunidade contra abusos cometidos por aqueles que detinham o poder. Além disso, “para o desenvolvimento de sua atividade contaram com o auxílio de autoridades corruptas das regiões onde ocorriam concentrações político-sociais”. Registra-se, ainda, que no Brasil a associação criminosa originou-se do movimento denominado como cangaço, cuja atuação deu-se no sertão Nordestino, entre os séculos XIX e XX, como um meio de lutar contra jagunços e capangas dos poderosos proprietários de terra, além de contestar o coronelismo. “Personificados na pessoa de Virgulino Ferreira da Silva, conhecido como Lampião, os cangaceiros tinham organização hierárquica e com o tempo passaram a atuar em diferentes frentes ao mesmo tempo, dedicando-se a saquear vilarejos, fazendas e pequenas cidades, extorquir dinheiro mediante ameaça de ataque ou seqüestrar pessoas importantes e influentes para depois exigir resgates. Todavia, relacionavam-se com fazendeiros e chefes influentes e contavam com a colaboração de autoridades corruptas, que lhes forneciam armas e munições”. De acordo com o FBI, crime organizado é tipificado por qualquer grupo que tenha algum tipo de estrutura formalizada cujo objetivo primário é a obtenção de dinheiro através de atividades ilegais. Tais grupos mantêm suas posições pelo uso de violência, corrupção, fraude ou extorsões. Apesar das dificuldades conceituais, Jay Albanese (professor da Virgínia Commonwealth University, nos Estados Unidos) optou pela seguinte definição de crime organizado: “Uma empresa criminal contínua que trabalha racionalmente visando o lucro, com atividades ilícitas principalmente de grande demanda pública. Sua continuidade é baseada na força, na ameaça, no controle e monopólios e na corrupção de funcionários públicos”. No Brasil. Nas décadas de 70 e 80, organizações criminosas surgiram nas penitenciárias da cidade do Rio de Janeiro, como a “Falange Vermelha”, que nasceu no presídio da Ilha Grande e é formada por quadrilhas especializadas em roubos a bancos, o “Comando Vermelho”, originado no presídio Bangu I e comandado por líderes do tráfico de entorpecentes e o “Terceiro Comando”, derivado do Comando Vermelho e idealizado no mesmo presídio por detentos que reprovavam a prática de seqüestros de crimes comuns praticados por grupos criminosos. É importante lembrar que “no Estado de São Paulo, exatamente na década de 90, surgiu no presídio de segurança máxima anexo à Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté, a organização criminosa conhecida como PCC- Primeiro Comando da Capital – com atuação criminosa diversificada em diversos Estados”. Este patrocina rebeliões e resgates de presos, pratica extorsão de familiares de detentos, rouba bancos e carros de transporte de valores, extorsão mediante seqüestro e tráfico de entorpecentes, possuindo conexões internacionais. Ademais, “elimina” membros de facções rivais, tanto dentro das celas como fora dos presídios.

 

José Vital Brígido Nunes Júnior

Advogado

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Jose Vital Brigido Nunes Junior) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados