JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Organização dos conscientes ocasionais (OCO).


Autoria:

Gisele Leite


Professora universitária com mais de uma década de experiência em magistério superior, mestre em direito, mestre em filosofia, graduação em direito pela FND-UFRJ, graduada em Pedagogia pela UERJ, conselheira do INPJ.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

uma bem-humorada sátira sobre hábitos contemporâneos e o possível futuro da humanidade.

Texto enviado ao JurisWay em 11/02/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Organização dos conscientes ocasionais (OCO). 

 

No princípio era tudo uma enorme camada de pó e ácaros... Os planetas não existiam mais, as galáxias eram poeiras dispersas ou apenas purpurinas retidas em pequenos vidrinhos...

 

A raça humana se reduzia a um amontoado de máquinas, livros e vestígios gráficos dispersos em telas, papéis, sites e pasmem, em  até algumas camisetas...


As roupas teriam perdido sua razão de ser, pois todos optaram por ser apenas espectros, libertaram-se definitivamente de ser matéria, de ter carne, ossos, contornos, celulites e muitos complexos estéticos cruéis e,inúteis e absurdos.

 

Mas havia ainda uma reduzida tribo de seres humanos completamente jurássicos, que acreditavam ainda em conceitos abstratos, na percepção subjetiva e interiorana das coisas e do mundo...

 

Entre os conceitos intangíveis e inalcançáveis estavam a felicidade, o amor, a lealdade e a compaixão... Os números que antes traduziam maiorias e minorias perderam absolutamente seu peso e valor... pois a velocidade vertiginosa das informações e do conhecimento circulante transformava o que antes era apático em simpático, e o que antes era inexpressível passava a ser relevante item de sobrevivência na selva da imensa diversidade e  dispersão.

 

A comunicação perderia a verbalidade e só os pensamentos se conectavam, aos outros seres, às outras máquinas e ao mundo exterior que vivia em perfeita sintonia com os milhões de mundos interiores... Não se escaparia certamente dos conflitos, das guerras e as cruzadas.

 

Cegos crentes em ideologias religiosas ou políticas ainda tentavam ser ditadores, e comandar o maior número possível de crentes, beatizados ou não, boçalizados ou não. Tudo em razão de uma velhíssima chave mestra que é o poder. E, na odiosa equação de poder e força.

 

O exercício do poder se sofisticara muito mas ainda rendia aos seus detentores  um manancial de prazer, luxúria e a satisfação da dominação e da sensação de ter a superioridade de um deus.

 

Alguns seres mais conscientes tentavam contornar as armadilhas ideológicas, os patrulhamentos incessantes e, ainda, a ganância dos oportunistas, que apesar do caos e do desolamento, ainda pretendiam, lucrar e lucrar para todo sempre...

 

Mas tal tentativa é estafante. Por tal razão, fundaram uma Ordem dos Conscientes Ocasionais (cuja sigla ironicamente era OCO). Os membros da  OCO queriam conhecer a essência do mundo e, ainda, perscrutar as verdadeiros valores que permitiam se chegar na eternidade.

 

Nenhum dos conscientes tinha a ilusão de serem permanentemente conscientes. Daí o justificado adjetivo contido no nome da organização: - ocasionais, e nesses lampejos de maturidade e intuição, articulavam a volta da poesia, dos poemas dispersos nas nuvens, esculpidos nas estrelas, e filosofias gigantes estendidas pelos ventos e sonorizadas pelas ondas do mar...

Desejavam a descoberta contínua da beleza e da verdade através da leitura homeopática e diária de poesias...

 

Para comemorarem a fundação da OCO todos tentavam pesquisar como fazer o pão... para cearem a mesa, com vinho orgânico e partilhar entre si, a compreensão,  afeto e a saudade de todas as coisas inefavelmente humanas.  Tais como errar, chorar, sorrir, brincar e simplesmente rimar amor com dor...

 

No encerramento da ceia todos confraternizavam: bravos e covardes, ricos e pobres, grandes e pequenos festejando a natureza através da bebedeira e entorpecimento mental como se todos fossem realmente iguais e igualmente sobreviventes e livres...

 

Ao final, meninas bonitas e vistosas embora travestidas de chacretes, andavam com uma  tabuleta a desfilar pela festa: “  sorria  pois você está sendo humano”. Será mesmo possível?

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Gisele Leite) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados