JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A Lei Maria da Penha e Violência Familiar


Autoria:

Guizela De Jesus Oliveira


Sou Advogada, militante nas áreas cível e criminal, com ênfase em Direito Criminal.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

CONTESTAÇÃO AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS
Direito Processual Civil

Estupro Antes e Depois da lei 12015/2009
Direito Penal

Embargos do Devedor
Direito Processual Civil

Pedido de Execução de Titulo Extrajudicial
Direito Processual Civil

Notícia Crime
Direito Penal

Mais artigos...

Outros artigos da mesma área

A FALÊNCIA DO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO E A FALÁCIA DA SUA PRIVATIZAÇÃO

O PAPEL DO CONCILIADOR NO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

Breves considerações sobre Direito Penal do inimigo.

Necessidade de Mudanças no Código Penal - Comentários ao Art. 122 - Suicídio - Induzimento, Instigação e auxílio:

Importunação sexual

LAVAGEM DE CAPITAIS LEI N.º 9.613/98

O EXERCÍCO REGULAR DE DIREITO DE NOTICIAR CRIME E A RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL DO DENUNCIANTE.

O CLAMOR POR PENA DE MORTE E PRISÃO PERPETUA SOB O ARGUMENTO DA FRAGILIDADE DAS LEIS ATUAIS

Personalidade Psicopática: implicação no âmbito do Direito Penal

Uma análise das decisões judiciais acerca da (a)tipicidade do descumprimento de medidas protetivas de urgência previstas na Lei Maria da Penha

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 16/12/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Com o advento da lei 11.340/2006 a nossa sociedade viveu um momento impar, ou seja finalmente a  preocupação com a violência familiar tomou a proporção que merece. Desde os  primódios da civilização as mulehres vem sofrendo violências  dentro do seio familiar, no início isso era considerado exercicio regular de direito, com tempo passou a ser abuso e hoje finalmente é crime.

Não que antes não o fosse, sim até era porém o medo da repressão era maior que a dor e a humilhação. Muitas mulheres sofriam caladas por não ter para onde ir e não ter como se  sustentar. Nos dias de hoje a realidade muito timidamente vem mudando, o fato de não se poder "voltar atrás" já consistitui um imenso avanço.

Outro ponto extremamente positivo que a referida lei trouxe foi a interpretação de violência familiar, neste patamar podemos incluir os homens, sim os homens aqueles que sofrem a violência psicológica e não somente a física, aqueles que constantemente são humilhados por suas mulheres, filhos  e sogras, que têm sua integridade moral atacada com insultos.

Não podemos olvidar que o simples fato de existir uma lei que coibe a violência, não resolverá toda a problemática que envolve a situação. O grande problema aqui é cultural, haja vista que durante muitos anos fomos insitados a acreditar que aqueles que moram conosco são obrigados a aguentar tudo de nossa parte, pelo simples fato de sermos "parentes".

Para que realmente tenhamos uma sociedade livre da violência familiar é preciso mudar nossos conceitos, é fundamental que aprendamos a tratar os nossos "parentes" como seres humanos e não importa o grau de intimidade que tenhamos nada nos dá o direito de diminuí-los ou menos humilha-los, mesmo que de forma inconsciente.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Guizela De Jesus Oliveira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Suria (27/12/2009 às 00:25:12) IP: 189.101.82.158
Não entendo porque a senhora sendo uma mulher, fica na defesa dos homens, foi o que entendi do seu texto. A lei Maria da Penha existe, sim, para nos defender, não que nós mulheres sejamos o "Sexo Fragil" mas por tudo que passamos na repressão acho que temos o direito de ter certos direitos, não entendo porque a senhora ainda fica defendendo os homens.
2) Guizela (27/04/2010 às 14:12:11) IP: 201.22.59.200
Cara Suria,

Um operador de direito jamais pode permitir que a lei faça diferenças entre as pessoas, a nossa Constituição em seu artigo 5.º garante que todos são iguais perante a lei, sendo assim seria muito incongruente se nós operadores do Direito pensássemos de forma diferente. O fato de apoiarmos que a lei proteja a todos não quer dizer que sou contra as mulheres, ao contrário sou sim a favor que a lei as proteja e mais que lei proteja a TODOS os que sofrem violência.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados