JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Breves apontamentos sobre o instituto da exceção de pré-executividade.


Autoria:

Thiago Santos


Acadêmico de direito na Unisinos e assistente processual do escritório Barbieri Advogados.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

Breves apontamentos sobre o instituto da exceção de pré-executividade.
Direito Processual Civil

Resumo:

Dentre as inovações trazidas a lume pela Lei 13.105/15, Novo Código de Processo Civil, destaca-se a formalização do procedimento da exceção de pré-executividade, a qual se constitui em ficção jurídica doutrinária, lapidada pela jurisprudência.

Texto enviado ao JurisWay em 03/03/2019.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Dentre as inovações trazidas a lume pela Lei 13.105/15, Novo Código de Processo Civil, destaca-se a formalização do procedimento da exceção de pré-executividade, a qual se constitui em ficção jurídica doutrinária, lapidada pela jurisprudência, com origem prática no Código de Processo Civil de 1973.

Tal instituto visa em síntese, balizar a promoção de atos protelatórios ou desnecessários ao bom andamento processual. Isso posto, importa tecermos algumas considerações de cunho teórico e prático sob o prisma da redução da complexidade, sem descurar da técnica, visando que nossos clientes entendam as razões e benesses para adoção de determinadas práticas processuais.

A exceção de pré-executividade é prevista no artigo 803parágrafo único, da Lei 13.105/15, comumente conhecida como novo Código de Processo Civil. Ela consiste em um mecanismo de defesa pelo qual viabiliza ao executado, mediante simples petição, alegar em incidente processual determinado vício, lastreado em matéria de ordem pública. Importa esclarecer no entanto, que ordem pública para os fins de tais considerações, diz respeito ao controle dos atos e procedimentos judiciais com o fito de garantir um processo íntegro.

 

Art. 803. É nula a execução se:I - o título executivo extrajudicial não corresponder a obrigação certa, líquida e exigível;(...) Parágrafo único. A nulidade de que cuida este artigo será pronunciada pelo juiz, de ofício ou a requerimento da parte, independentemente de embargos à execução.

Neste caso, tal procedimento exige a existência de prova pré-constituída, não sendo admitida a dilação probatória. Assim, em caso de reconhecimento de ilegalidade nos autos, pode ser feito de ofício pelo magistrado. Em outras palavras, significa dizer que a prova que embasa a defesa do executado consta desde o início do processo. Nos casos em que existe a execução de título executivo extrajudicial, a prova documental é sempre pré-constituída, portanto, havendo causa a ensejar o reconhecimento da ilegalidade constante nos autos, é facultada ao magistrado a possibilidade de independentemente de requerimento formal das partes reconhecer a existência de vício processual.

Nesta senda, a exceção de pré-executividade pode ser fundamentada por fato notório do qual for de conhecimento geral incontestável e insuscetível de negativa pelo grupo social onde ele ocorreu. Previsão esculpida no artigo 374, inciso I, da Lei 13.105/15 de onde depreende-se a desnecessidade de apresentação de um documento contrário aos interesses do exequente, para fundamentação da exceção de pré-executividade.

Art. 374. Não dependem de prova os fatos: I - notórios; 

Outrossim, ainda que o procedimento tramite em sede do Juizado Especial Cível, desnecessária se faz a audiência conciliatória; corolário lógico que se apresenta diante da falta de higidez do processo executivo.

 

Thiago Bezerra dos Santos

OAB/RS 50E054

Acadêmico de direito e assistente processual do escritório Barbieri Advogados.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Thiago Santos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados