JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Benefícios Previdenciários com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A INCONSTITUCIONALIDADE DO EXAME DA OAB.


Autoria:

Silvio Mario Boaventura Adorno


Bacharel em Direito pela FTC - Faculdade de Tecnologias e Ciências de Salvador, Pós-Graduando em Direito e Processo do Trabalho. Advogado, militante na área Trabalhista e Cível, atuando na cidade de Feira de Santana-Ba.

Endereço: Rua Sabino Silva, 353
Bairro: Kalilandia

Feira de Santana - BA
44035-120


envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

USUCAPIÃO - INOVAÇÕES E MODIFICAÇÕES DO CÓDIGO DE 2002.
Direito Civil

Outros artigos da mesma área

REGULAMENTOS DISCIPLINARES QUE VEDAM A IMPOSIÇÃO E RECURSOS E A GARANTIA CONSTITUCIONAL AO EXERCÍCIO DO CONTRADITÓRIO E DA AMPLA DEFESA

Direito Penal do Inimigo e garantias constitucionais

O voto facultativo é uma Cláusula Pétrea?

"Guerra às Drogas: a necessidade de uma nova política."

UM OLHAR FILOSÓFICO AO DIREITO FUNDAMENTAL À SAÚDE SEGUNDO A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

EXTENSÃO DO CURSO DE MEDICINA: IMPERTINÊNCIA E INCONSTITUCIONALIDADE - UMA ANÁLISE À LUZ DA TEORIA DOS LIMITES DOS LIMITES

Poder Judiciário X Poder Executivo

O DIRIGISMO CONSTITUCIONAL: HIPÓTESES DE INGERÊNCIA DO JUDICIÁRIO NO MODELO DE TRIPARTIÇÃO DOS PODERES

O Tribunal e Contas No Brasil

É legal o corte de salário em decorrência de greve no serviço público?

Mais artigos da área...

Resumo:

O PRESENTE ARTIGO VISA DEMONSTRAR A INCONSTITUCIONALIDADE DO EXAME DE ORDEM DA OAB, VISANDO SUSCITANDO A COMPETÊNCIA DA OAB COMO ORGÃO QUE REPRESENTA A CLASSE DOS ADVOGADOS E NÃO COMO ORGÃO QUE TOLHE O DIREITO DO BACHAREL EXERCER A PROFISSÃO DE ADV.

Texto enviado ao JurisWay em 11/08/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

1.      Introdução
 
O presente trabalho visa suscitar discussão sobre a inconstitucionalidade do exame de ordem aplicado aos bacharéis em Direito. Posto isto, existem posicionamentos contrários ao referido exame, visto que a entidade que o aplica, OAB, não teria competência para tal, invadido assim, competência do Poder Público que é do Ministério da Educação e Cultura – MEC.
Contudo, devido à expansão do ensino Jurídico no país, necessário se faz que haja um controle na autorização e no reconhecimento das Instituições de Ensino Superior que farão jus a implantar e oferecer o curso de Direito.
Em 1991 eram apenas 165 (cento e sessenta e cinco) cursos oferecidos no Brasil, em pouco mais de 10 anos esse número triplicou, chegando em 2001 a 500 (quinhentos), hoje já são mais de 1.000 cursos oferecidos no Brasil, e, esse número continua crescendo, a Bahia contava apenas com 2 (duas) instituições que ofereciam o referido curso, a UFBA e a UCSAL, nos dias atuais a Bahia conta com mais de 50 cursos de direito, o que faz com que sejam despejados no mercado anualmente cerca de 3.000 mil bacharéis[1].
Apesar do exame de ordem ferir a Carta Magna de 1988, acredita-se que o controle seja necessário, mas não para o bacharel, e sim, controle na concessão de autorização e abertura de novos cursos pelo MEC, devendo, desta maneira, a OAB se pronunciar de forma negativa, desde que o referido curso não apresente as devidas condições em oferecer aos novos estudantes a devida qualificação. Destarte, realça-se a ideia de que a educação passou a ser mercadoria, e o ensino, desta forma, perde qualidade, refletindo nos futuros profissionais do direito, que já não pensam mais, tornam-se meros repetidores, destoando da máxima do direito, que é formar pensadores que contribuam para o futuro da nação e da sociedade, conforme apregoado na escola de Recife, por grandes doutrinadores.
Espera-se que os futuros bacharéis se comprometam mais com a profissão que outrora era sinônimo de status e conhecimento, gerando para sociedade respeito aos profissionais operadores do direito.
 
2.      O que é a OAB e quais as suas competências conforme o artigo 54 da Lei nº 8.906/94?
 
Para alguns doutrinadores do ensinamento jurídico pátrio, a OAB é uma autarquia de regime especial, devido as suas peculiaridades. Porém, tal interpretação não mais deve ser atingida, o órgão de cúpula da função jurisdicional do Brasil nos trouxe uma nova conclusão.
Tal entendimento está contido num acórdão publicado no Diário Oficial do Poder Judiciário do dia 29.09.2006, que a aludida corte suprema remeteu quando analisou e julgou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pela Procuradoria Geral da República, por solicitação da Procuradoria da República do Rio Grande do Norte, onde, que, por expressiva maioria dos votos, o pretório excelso rejeitou a ADI.    
A primeira intenção que a Procuradoria Geral da República teve ao impetrar a ADI nº 3026/2003 foi a de fazer com que o Supremo Tribunal Federal vinculasse a OAB como sendo um ente autárquico, e assim, este ente ficasse obrigado a realizar concurso público para o provimento dos cargos por seus servidores, adequando o provimento do pessoal ao regime estatutário.
Destarte, se manifestou o Ministro do Supremo Tribunal Federal Eros Grau, afirmando que “conquanto a OAB seja uma entidade que detém munus público e seja pessoa de direito público, não é entidade autárquica, nem se vincula à administração pública”.[2]
De fato, a OAB é uma instituição corporativa constituindo-se antes de tudo em uma ordem profissional, não se nega tal característica. A partir desta premissa, notam-se similitudes deste ente com as entidades autárquicas, de tal modo, conseqüentemente, numa primeira análise, sua natureza jurídica corresponderia nesse sentido.
Isso porque a aludida Ordem visa defender os interesses de um profissional com garantias constitucionais, devido ao fato da importância de suas atuações. O advogado, a partir de 1988 recebe tratamento constitucional, sendo indispensável à administração da Justiça e inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão. [3]
Nesse sentido, o que se visa na manutenção da Ordem dos Advogados do Brasil como sendo um ente autônomo não é a defesa desta instituição em si. O que se almeja é a proteção das funções exercida pela OAB, as quais não poderão jamais estar entrelaçadas com o poder público, como forma de se preservar inclusive o Estado Democrático de Direito.
É bastante curioso a natureza jurídica da OAB. A doutrina, a jurisprudência e a própria OAB ainda não se harmonizaram quanto a isto. Alguns julgados dos Tribunais Superiores conceituaram a OAB como sendo uma autarquia federal em regime especial.
A Lei nº 9.649/98 prevê, em seu artigo 58, que o serviço de fiscalização de profissões regulamentadas será exercido em caráter privado, por delegação do poder público mediante autorização legislativa. É importante destacar que a eficácia desse dispositivo foi suspensa pela decisão da ADI 1717/06-DF.
Porém, recentemente ocorreu uma importante alteração no entendimento jurisprudencial. É que o Supremo Tribunal Federal no julgamento da ADI 3026/03-DF, concluiu que a OAB não tem natureza de autarquia como se observa no conteúdo da referida ADI[4]:
Nesse contexto, o Supremo Tribunal Federal, rejeitou o pedido da ADI formulado pela Procuradoria da República, afirmando que a OAB não se sujeita aos ditames e controles impostos pela Administração Pública Direta e Indireta; não é uma entidade da Administração Indireta da União; é um serviço público independente; não está inserida na categoria das autarquias especiais; não há qualquer relação de dependência entre qualquer órgão público e a ordem; ocupa-se de atividades atinentes aos advogados, que exercem função institucional privilegiada; possui finalidade institucional; não há a necessidade de realizar concurso público para contratação de pessoal; sua contribuição não tem caráter de tributo; concluindo por fim, que a OAB é uma categoria impar no elenco das personalidades jurídicas do direito brasileiro. Dessa forma, conclui-se que a OAB é uma autarquia sui generes, ou seja, ninguém ainda conseguiu definir o que realmente é.
Depois desta contextualização, cabe agora saber quais são as competências da OAB, conforme preleciona o artigo 54 da Lei nº 8.906 de 30 de junho de 1994.[5]
Conforme se observa na competência da Ordem, esta não alude a autonomia para criação de exame que venha medir a capacidade do bacharel, posto que, a instituição de ensino superior tem a devida autonomia para conceder o titulo de bacharel em direito, tendo este, dentre suas prováveis áreas de atuação, a advocacia, portanto, não se vê, deste modo, legitimidade no referenciado exame aplicado pela OAB, que, como supracitado constitui-se numa entidade representativa de classe. Ao aplicar o exame para habilitar o bacharel, a OAB exorbita sua competência e fere frontalmente a Constituição Federal, entrando, assim, na seara do poder Público, qual seja na competência do Ministério da Educação e Cultura (MEC).
 
3.      Supremacia da Constituição Federal
 
Inicia-se o presente tópico, com a necessidade de se trazer a baila a noção do significado do termo constituição, que conforme a origem do presente, é derivado do latim constituere, indicando ideia de constituir, estabelecer, firmar, formar, organizar, delimitar.
Constituição é o organismo vivo delimitador da organização estrutural do Estado, da forma de governo, da garantia das liberdades públicas, do modo de aquisição e exercício do poder. Traduz-se por um conjunto de normas jurídicas que estatuem direitos, prerrogativas, garantias, competências, deveres e encargos, consistindo na lei fundamental da sociedade.[6]
Portanto, observa-se que a Constituição é a norma mater, a coluna vertebral do ordenamento jurídico pátrio, onde os demais ramos do direito devem obedecer e buscar subsídios para não chocarem o preceito maior, o dispositivo constitucional ferido poderá ensejar na invalidade da norma que está em desacordo com a lex mater, em síntese, a Constituição é o conjunto de normas que organiza os elementos constitutivos do Estado.
A supremacia constitucional ocorre pela sua formalidade, José Afonso da Silva[7] entende como sendo o principal corolário, a rigidez constitucional do ponto de vista jurídico, essa rigidez se dá em conseqüência de que todos os entes federados, inclusive o governo federal, estadual, municipal e distrital limitam-se expressa ou implicitamente as normas positivas daquela lei fundamental, assim, exercendo suas atribuições em conformidade com as atribuições nos termos por ela estabelecidos. Destarte, toda autoridade encontra nela fundamento e só ela pode conferir poderes e competências governamentais.
Essa supremacia gera para todos os ramos do direito uma submissão o que requer que todas as situações jurídicas se conformem com os princípios e preceitos jurídicos. Se tais situações não obedecerem ao princípio ou preceito Constitucional, constituir-se-á em ofensa a norma maior, ensejando assim numa conduta inconstitucional, que poderá dar-se de duas maneiras, quais sejam:
        Inconstitucionalidade por ação – ocorre com a produção de atos legislativos ou administrativos que contrariem normas ou princípios da constituição[8]. Esse tipo de inconstitucionalidade encontra lastro no fundamento de que a hierarquia das normas deve ser respeitada, tendo como norma maior a Constituição, que se encontra no topo da pirâmide, destarte, todas as situações jurídicas criadas devem ser compatíveis com a CF, as que não forem compatíveis, serão consideradas inválidas, pois a incompatibilidade vertical resolve-se em favor das normas de grau superior, as quais funcionam como mecanismo para validação das inferiores.
        Inconstitucionalidade por omissão – verifica-se nos casos em que não sejam praticados atos legislativos ou administrativos requeridos para tornar plenamente aplicáveis normas constitucionais.[9]
Após essas acepções, é de bom alvitre citar os legitimados para propositura da Ação Direta de Inconstitucionalidade e a Ação Declaratória de Constitucionalidade, conforme preceitua o artigo 103 da Constituição Federal de 1988. Detêm legitimidade ativa universal: a) Presidente da República; b) a mesa do Senado Federal e da Câmara dos Deputados; c) o procurador-geral da República; d) o partido político com representação no Congresso Nacional; e) o Conselho Federal da OAB; e, legitimidade especial: a) Mesa da Assembléia Legislativa ou da Câmara Legislativa; b) Governador de Estado ou do Distrito Federal; c) confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional.
O grande problema levantado a respeito do tema acima referido é saber quais os efeitos da declaração de inconstitucionalidade, cujo deslinde depende da solução da controvérsia sobre a natureza do ato inconstitucional: será inexistente, nulo ou anulável? “Ruy Barbosa, lastreado na doutrina e jurisprudência norte-americana, diz que toda medida, legislativa ou executiva, que desrespeite preceitos constitucionais é, nula de essência, a opinião do jurisconsulto coaduna com a de Buzaid que assevera dizendo ‘que toda lei adversa à constituição, é absolutamente nula, não simplesmente anulável, a eiva de inconstitucionalidade a atinge no berço, fere-a ab initio’, já Francisco Campos sustenta que um ato ou uma lei inconstitucional é inexistente, ou seja, não produz nenhum efeito, pois que inexiste de direito ou é para o Direito como se nunca houvesse existido” [10].
Desta forma, conclui-se que todo ato, princípio ou preceito que não esteja de acordo com a lei maior, desrespeita e fere a Constituição assim como o supra princípio da supremacia constitucional, devendo tais situações jurídicas serem consideradas nulas ou inexistentes.
 
4.      Princípios Garantidores do Direito
 
Para melhor entendimento, inicia-se conceituando o que vem a ser princípio, termo que vem do latim principium, dá ideia de início, origem, é considerado a parte mais importante de qualquer coisa, para muitos doutrinadores são considerados como fontes primária, pode se dizer, que os princípios seriam normas jurídicas de elevado grau de generalidade do ponto de vista da abstração, enquanto que as normas lograriam um espectro de ação muito mais reduzido que os princípios.
O princípio Constitucional é o enunciado lógico que serve de vetor para soluções interpretativas. Quando examinado com visão de conjunto, confere coerência geral ao sistema, exercendo função dinamizadora e prospectiva, refletindo a sua força sobre normas constitucionais.[11] Conforme as acepções explanadas, vislumbra-se que violar um princípio Constitucional, conforme preleciona Uadi Lammêgo Bulos, compromete toda manifestação constituinte, refletindo como se tivesse violado qualquer norma de maneira gravíssima, assim, entende-se que a violação de um princípio corresponde na ofensa a um mandamento Constitucional, o que ocasionará uma lesão a todo um sistema de comandos.
4.1. Princípio da Dignidade da Pessoa Humana
Entende-se por este como sendo um sobreprincípio por lastrear a cadeia sistemática dos princípios, consagrando o valor constitucional supremo e envolvendo o direito à vida, os direitos pessoais tradicionais, os direitos sociais, econômicos, educacionais, bem como as liberdades públicas em geral. Este princípio, nas lições de Antonio Enrique Pérez, abarca três dimensões, quais sejam: 1ª) fundamentadora – núcleo basilar e informativo de todo o sistema jurídico-positivo; 2ª) orientadora – estabelece metas ou finalidades predeterminadas, que fazem ilegítima qualquer disposição normativa que persiga fins distintos, ou que obstaculize a consecução daqueles fins enunciados pelo sistema axiológico constitucional; 3ª) crítica – em relação às condutas.[12]
Assim, chega-se a conclusão de que o Princípio da Dignidade Humana possui uma força centrípeta que atrai os demais princípios, devendo ser seguido como orientador, configurando-se como um vetor onde os outros pórticos constitucionais encontram lastro para embasarem os seus conteúdos, instaurando-se como carro-chefe dos direitos fundamentais, destarte, encontra-se ombreados por este, os princípios da Legalidade, da Liberdade de Profissão, Moralidade Administrativa, entre outros, vale asseverar que o homem constitui-se como o centro, fundamento e fim da sociedade contemporânea.
4.2. Princípio da Isonomia ou Igualdade
Com fulcro no artigo 5º da Carta Magna “todos são iguais perante a lei”, devendo este princípio garantir a igualdade de direitos, sendo, desse modo, todos os cidadãos tratados de maneira isonômica, vedando diferenciações arbitrárias e discriminações absurdas, dispensando tratamento desigual aos desiguais dentro dos limites da desigualdade. A desigualdade na lei poderá se dar quando esta dispensar tratamento diferenciado ou específico a determinado grupo de pessoas, distinguindo estas, de forma não razoável ou arbitrária dos demais cidadãos inseridos na sociedade, porém, para que essas discriminações não sejam consideradas discriminatórias necessário se faz que haja um justificativa objetiva e razoável, de acordo com um juízo valorativo que justifique a desigualdade no tratamento, assim, conclui-se que o tratamento normativo diferenciado será aceito quando este estiver em compatibilidade com a Carta Magna desde que seja comprovada a finalidade proporcional ao fim visado.
O princípio da Igualdade consagrado pela constituição opera em dois planos distintos. De uma parte, frente ao legislador ou ao próprio executivo, na edição, respectivamente, de leis, atos normativos e medidas provisórias, impedindo que possam criar tratamentos abusivamente diferenciados a pessoas que se encontram em situações idênticas. Em outro plano, na obrigatoriedade ao intérprete, basicamente, a autoridade pública, de aplicar a lei e atos normativos de maneira igualitária, sem estabelecimento de diferenciações em razão de sexo, religião, convicções filosóficas ou políticas, raça, classe social.[13]
Fundamentado por este princípio, pergunta-se: porque apenas o curso de direito tem um exame para conferir ao bacharel, devidamente formado por instituição legalmente constituída, autorizada e credenciada, o direito de exercer a profissão de advogado? Será que este dito exame não fere este princípio?
4.4 Princípio da Legalidade
“Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”, artigo 5º inciso II da CF, este princípio visa combater o poder arbitrário do Estado, desse modo, só através de lei devidamente elaborada conforme processo legislativo constitucional poderá se criar obrigações para o indivíduo, porém, este princípio se aproxima mais de uma garantia constitucional do que de um direito individual, já que ele não tutela um bem da vida especificamente, mas visa assegurar a prerrogativa de repelir qualquer tipo de injunção que seja imposta ao particular por outra via senão a lei.
4.5 Princípio do livre exercício da profissão
Este princípio está consagrado no artigo 5º XIII da Lei Maior, conferindo a qualquer cidadão o direito de exercer qualquer ofício ou profissão, desde que sejam atendidas as devidas qualificações profissionais que a lei assim o exigir, observe que o texto constitucional, utiliza a expressão qualificação profissional estabelecida pela lei, e não exames estabelecidos em lei, desse modo, ao bacharel em direito, devidamente qualificado por instituição de ensino superior devidamente autorizada e reconhecida pelo Poder Público, pois é desta a competência de atestar a qualificação do bacharel, conforme artigos 43 e 48 da Lei de Bases e Diretrizes da Educação não restarão dúvidas de que depois de preenchidos os requisitos exigidos ao estudante, o mesmo não deverá ser impedido de exercer sua profissão tanto almejada, qual seja, a de advogado devidamente inscrito nos quadros da OAB.
 
5.      Da Qualificação Profissional
 
Conforme já explanado em tópico acima, a Constituição Federal é a Lex Mater do ordenamento jurídico do país, ela trás em alguns dos seus artigos garantias que embasam o presente trabalho, só ela pode delegar poderes e competências.
O artigo 5º inciso XIII da CF diz: “é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações que a lei estabelecer”, estamos diante de uma norma de eficácia contida, o que seja, são normas suficientemente regulamentadas aos interesses de determinada matéria, porém, o legislador deixou uma margem para a atuação restritiva do poder público de forma discricionária, é imperioso lembrar que ao final do artigo, o exercício profissional está condicionado à qualificação profissional previstas na lei, assim, cumprida a exigência da qualificação estará o indivíduo apto a exercer o seu trabalho, ofício ou profissão, e, esta aptidão é conferida mediante certificação do reitor da universidade ou faculdade onde o bacharel colar grau, desde que a instituição preencha devidamente os requisitos exigidos pelo Poder Público, e, àquele é que tem a competência de auferir legitimidade ao diploma do bacharel, fazendo às vezes da Administração Pública.
A Lei nº 9.394/96 em seu artigo 2º preleciona que: “A Educação, dever do Estado e da Família, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”. Conforme já foi referendado aqui neste trabalho, como pode uma entidade representativa de classe, impor aos bacharéis de forma imperativa, a necessidade de ser aprovado num exame que segundo a própria OAB, serve para “medir a qualificação” do indivíduo, posto que a referida Lei Federal garante que as instituições de ensino superior que preencherem os requisitos exigidos pelo Poder Público terão competência para certificar a qualificação exigida pela Lei[14].
Verifica-se que o bacharel em direito tem a devida qualificação para exercer o exercício da advocacia, outrora, alguns dirão que a faculdade de direito não forma advogados e sim bacharéis em direito, mas o que é um bacharel em direito? Segundo Marcus Cláudio Acquaviva, “bacharel em direito é aquele que cola grau em direito” [15], entende-se que depois dessa brilhante conceituação, o curso de direito, é um curso que forma o indivíduo a nada, posto que um simples bacharel não se enquadre em nenhum tipo de ocupação, desta explanação vem outra pergunta o que faz um bacharel em direito depois de formado?
Um estudante de direito é submetido a fazer na faculdade uma média de 200 (duzentas) avaliações durante todo o curso, são provas, seminários, trabalhos de campo, enfim, um emaranhado de avaliações para tentar medir o seu grau de conhecimento, vislumbrando que uma grade curricular possua em média cerca de 80 disciplinas obrigatórias, depois de todo esse esforço para ser conferido ao estudante aprovação nas matérias por ele cursadas e o devido prosseguimento nos semestres subseqüentes chegando até o fim do curso e a devida colação de grau, esta tão esperada com muito orgulho e satisfação por todos estudantes de um modo geral, será que uma prova (exame da OAB) apenas irá medir a capacidade e o conhecimento jurídico do bacharel?
Caso positivo, entende-se ser melhor e mais barato, sem contar com a economia de tempo também, que o indivíduo adentre um cursinho preparatório e obtenha a devida aprovação no exame de ordem, sem necessidade de passar cinco anos dentro de uma faculdade, sendo devidamente avaliado por professores qualificados e gabaritados para compor o quadro docente da instituição de nível superior, que também obteve perante o Poder Público autorização, credenciamento e o devido reconhecimento, podendo desta forma oferecer o curso e atestar ao estudante a qualificação que a Lei exige, pois cumpriu todas as exigências impostas pelo Poder Público.  
Em breve comparativo as situações explanadas acima, veja o quanto o bacharel em direito é menosprezado, na Justiça do Trabalho o empregado pode pleitear seus direitos sem nunca ter adentrado a uma faculdade de direito, não tendo conhecimento específico na matéria tão pouco formação para tanto, isto porque existe um instituto chamado jus postulandi que permite a qualquer um que tiver uma demanda postular perante a Justiça do Trabalho sem advogado, observa-se nos Juizados Especiais Cíveis que qualquer cidadão pode pleitear seus direitos, desde que seja capaz para tanto conforme as exigências da Lei nº 9.099/95, porém, para se ajuizar uma ação perante este órgão do Poder Judiciário sem o acompanhamento de advogado, necessário se observar o valor da causa, que não poderá ser superior ao teto máximo de 20 (vinte) salários mínimos.[16]
Conclui-se que o bacharel em direito poderá pleitear seus direitos nos órgãos acima mencionados não como um profissional da área jurídica, mas sim, como qualquer cidadão que não possui conhecimento técnico no mundo jurígeno.
 
6.      Inconstitucionalidade Material e ilegalidade do Provimento nº 109/2005
 
Para entender este tópico de forma mais didática, traz-se a baila como deve se dar o processo legislativo, por este termo, entende-se ser o “conjunto de fatores reais que impulsionam e direcionam os legisladores a exercitarem suas tarefas”.[17]
Da ilegalidade do exame, parte-se da premissa que para a elaboração das espécies normativas, obrigatoriamente deve ser observado o princípio basilar para construção da norma, qual seja, o princípio da legalidade, que foi consagrado constitucionalmente quando assevera de forma imperativa que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”, devendo esta ser devidamente elaborada pelo poder competente, seguindo as normas de processo legislativo, e, a Lex Mater confere quais são os órgãos competentes para elaboração das normas e quais os procedimentos terão que seguir para criação e regulamentação das normas infraconstitucionais.
A inconstitucionalidade formal se dará quando uma lei ou ato normativo produzido desrespeite as normas de processo legislativo constitucionalmente previsto. O artigo 84 da CF diz que:
Art. 84 Compete privativamente ao Presidente da República:
IV – sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, bem como expedir decretos e regulamentos para sua fiel execução
A Lei nº 8.906/94 seguiu todos os parâmetros e constitui-se numa lei devidamente formal, porém, o inciso IV do artigo 8º diz:
Art. 8º Para inscrição como advogado é necessário:
IV – aprovação em exame de ordem
O inciso consubstancia-se na exigência de submeter os bacharéis em direito à aprovação no exame de ordem, pois que, o exame foi criado pela referida Lei, como requer o artigo 5º inciso XIII da CF, porém, foi regulamentada pelo provimento de nº 109/2005. Segundo Marcus Cláudio Acquaviva provimento é “um ato normativo expedido pelo Conselho Federal da OAB, destinado à regulamentação das normas estatutárias constantes da Lei nº 8.906/94”, pode ser também entendido como “fato administrativo que traduz o preenchimento de um cargo público” [18], provimento geralmente é um termo utilizado pela administração pública, porém, não é o enfoque do presente trabalho, o referido provimento foi editado pelo Conselho Federal da OAB, o qual não tem competência para tanto, pois, o referido provimento almeja regulamentar o inciso IV do artigo 8º, tendo assim, natureza jurídica de regulamento, desse modo, e conforme preleciona o artigo 84 inciso IV da nossa Constituição, o Conselho Federal da OAB invade a competência privativa do chefe do executivo, conforme demonstrado no artigo em comento acima referenciado.
Regulamentos são atos gerais que dependem de lei, eles não inovam a ordem jurídica em caráter inicial, são de competência privativa do Presidente da República, e, tem como objetivo precípuo a uniformização da executoriedade das disposições legais. Uadi Lammêgo Bulos assevera que “havendo lei a ser regulamentada, cumpre ao Poder Executivo fazê-lo, sem que, aprioristicamente, possa o Judiciário avaliar sobre a conveniência e a oportunidade, tornando eficaz o regulamento extralegal ou que extrapole a legislação regulamentada.” [19]
O exame de ordem foi regulamentado por um provimento ferindo, destarte, frontalmente o princípio da Legalidade, conforme exposto acima, e desse modo, lastreia-se na ilegalidade, pois, de forma inequívoca, impõe ao bacharel em direito o dever de ser aprovado no exame de ordem para poder exercer a profissão de advogado. Todavia, o mesmo provimento em seu parágrafo único do artigo primeiro diz que: “Ficam dispensados do Exame de Ordem os postulantes oriundos da Magistratura e do Ministério Público e os alcançados pelo art. 7º, V, da Resolução nº 02/2004, da Diretoria do Conselho Federal”, desta forma, observa-se que existe uma brecha, ou seja, a dispensa da exigibilidade do presente exame, para que de forma discriminatória, sejam agraciados membros advindos de outras carreiras jurídicas, para que componham o quadro da OAB[20], desta forma considera-se o presente exame uma “ABERRATIO CONSTITUTIONIS”. Percebe-se que o mesmo provimento que regulamenta a obrigatoriedade de aprovação no exame de ordem aos bacharéis em direito para admissão nos quadros da OAB é o mesmo que dispensa o referido exame aos oriundos da magistratura e do ministério público.
Quanto à inconstitucionalidade material pode-se referir o direito ao trabalho, pois o exame tolhe o direito do bacharel exercer sua profissão de advogado. “O Exame de Ordem atenta contra o princípio constitucional da dignidade da pessoa humana, ao impedir o exercício da advocacia e o direito de trabalhar, aos bacharéis qualificados pelas instituições de ensino fiscalizadas pelo Estado, ferindo assim o disposto nos incisos III e IV do artigo 1° da Constituição Federal, que consagram como fundamentos da República Federativa do Brasil a dignidade da pessoa humana e os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa”.[21]
Isto posto, verifica-se que o exame proposto pela OAB contrária os princípios basilares para construção de uma sociedade justa e igualitária, afrontando a Carta Magna, quando fere os princípios da dignidade humana, do livre exercício profissional, o princípio da igualdade.
 
7.      Conclusões finais
 
O ensino de um modo geral deve zelar pela sua função social, conforme preceitos Constitucionais, contudo, na atualidade, o ensino é tratado como um serviço, o que gera uma relação de consumo, com essa ênfase, o ensino se desloca para uma perspectiva econômica, gerando assim contornos mercantis, porém, sabe-se da importância destas instituições para o desenvolvimento do país, dando oportunidade as pessoas que não teriam condições de adentrarem uma instituição pública, pois, a quantidade de vagas oferecidas não supre a demanda.  
Destarte, não se vê porque a OAB aplicar prova para auferir a condição de advogado ao bacharel em direito devidamente formado pela instituição que cumpriu tais disposições, vez em que no próprio estatuto da Advocacia, mais precisamente em seu artigo 54 inciso XV, o qual trata de uma das competências do Conselho, sendo: “a de colaborar com o aperfeiçoamento dos cursos jurídicos e opinar, previamente, nos pedidos apresentados aos órgãos competentes para criação, reconhecimento ou credenciamento destes cursos”.
Os procedimentos administrativos para a autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos jurídicos foram ordenados por meio do Decreto nº 3.860, de 9 de julho de 2001, cujo artigo 28 explicita a necessidade de manifestação do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, segundo o Ministro Franciulli Netto, “a análise quanto ao programa, qualidade e o currículo dos cursos de Direito devem ficar a cargo da OAB, entidade que, apesar de não ter o poder de veto, tem participação fundamental no processo de melhoria do ensino jurídico no Brasil”.
Coadunamos com a opinião do Ministro, e reforçamos reconhecendo a importância da Ordem dos Advogados do Brasil em sua trajetória institucional, onde contribuiu em passagens históricas do nosso país, destacando-se pela sua atuação ao longo do período de democratização e se postulando em defesa da sociedade, dos direitos humanos e da cidadania. Desta forma, a OAB alcançou reconhecimento nacional, sempre na defesa social, hoje a OAB se preocupa em tolher o direito do bacharel em exercer sua profissão de Advogado, exigindo daquele aprovação num exame que não mede o conhecimento, tão pouco a idoneidade, a retidão na conduta, o caráter, um exame excludente que fere de maneira hostil o nosso preceito maior, a Carta Magna, a qual a própria OAB lutou para tornar realidade em nosso país, através das Diretas Já, nos debates da Assembléia Nacional Constituinte e na Consolidação da Constituição Federal de 1988.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
 
ACQUAVIVA, Marcus Cláudio. Dicionário jurídico. São Paulo: Rideel, 2007.
 
BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Celso Bastos Editora, 2002.
 
BULOS, Uadi Lammêgo. Constituição Federal Anotada. 8 ed. rev. e atual. até a Emenda Constitucional n. 56/2007, São Paulo: Saraiva, 2008.
 
CARVALHO, Danillo Robatto Tavares.  Natureza Jurídica da Ordem dos Advogados do Brasil: como a referida instituição se inclui na Administração Pública Brasileira. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado para conclusão do curso de Direito da FTC, 2006.
 
CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de Direito Administrativo. 17 ed., rev. e ampl., São Paulo: Atlas, 2008.
 
DA SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. 16 ed., rev. e atual. nos termos da Reforma Constitucional (até a Emenda Constitucional n. 20 de 15.12.1998), São Paulo: Malheiros, 1998.
 
DE MELLO, Celso Antônio Bandeira. Conteúdo Jurídico do Princípio da Igualdade. 3 ed., 15ª Tiragem. São Paulo: Malheiros, 2007.
 
LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do Trabalho Científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7 ed., 2. reimpr. São Paulo: Atlas, 2008.
 
LENZA, Pedro. Direito Constitucional esquematizado. 12 ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2008.
 
LIMA, Fernando Machado da Silva. A inconstitucionalidade do exame de ordem. Jus Navigandi, Teresina, ano 10, n. 1109, 15 jul. 2006. Disponível em: .
 
MENDES, Gilmar Ferreira. Direitos fundamentais. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: Celso Bastos Editor/IDP, 1999.
 
MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. 20 ed. São Paulo: Atlas, 2006.
 
MOTA FILHO, Sylvio Clemente da. Direito Constitucional: Teoria, Jurisprudência e 1000 questões. 14 ed. rev., ampl. e atual. até a emenda Constitucional nº 42/2003. – Rio de Janeiro: Impetus, 2004.
 
TAVARES, André Ramos. Teoria da Justiça Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2005.
 
 
SITES:
 


[1] www.profpito.com
[2] Ação Direta de Inconstitucionalidade - ADI nº 3026/2003.
[3] Constituição Federal de 1988, artigo 133.
[4] 1. A Lei n. 8.906, artigo 79, § 1º, possibilitou aos “servidores” da OAB, cujo regime outrora era estatutário, a opção pelo regime celetista. Compensação pela escolha: indenização a ser paga à época da aposentadoria. 2. Não procede a alegação de que a OAB se sujeita aos ditames impostos à Administração Pública Direta e Indireta. 3. A OAB não é uma entidade da Administração Indireta da União. A Ordem é um serviço público independente, categoria ímpar no elenco das personalidades jurídicas existentes no direito brasileiro. 4. A OAB não está incluída na categoria na qual se inserem essas que se tem referido como "autarquias especiais" para pretender-se afirmar equivocada independência das hoje chamadas “agências”. 5. Por não consubstanciar uma entidade da Administração Indireta, a OAB não está sujeita a controle da Administração, nem a qualquer das suas partes está vinculada. Essa não-vinculação é formal e materialmente necessária. 6. A OAB ocupa-se de atividades atinentes aos advogados, que exercem função constitucionalmente privilegiada, na medida em que são indispensáveis à administração da Justiça [artigo 133 da CB/88]. É entidade cuja finalidade é afeita a atribuições, interesses e seleção de advogados. Não há ordem de relação ou dependência entre a OAB e qualquer órgão público. 7. A Ordem dos Advogados do Brasil, cujas características são autonomia e independência, não pode ser tida como congênere dos demais órgãos de fiscalização profissional. A OAB não está voltada exclusivamente a finalidades corporativas. Possui finalidade institucional. 8. Embora decorra de determinação legal, o regime estatutário imposto aos empregados da OAB não é compatível com a entidade, que é autônoma e independente. 9. Improcede o pedido do requerente no sentido de que se dê interpretação conforme o artigo 37, inciso II, da Constituição do Brasil ao caput do artigo 79 da Lei n. 8.906, que determina a aplicação do regime trabalhista aos servidores da OAB. 10. Incabível a exigência de concurso público para admissão dos contratados sob o regime trabalhista pela OAB. 11. Princípio da moralidade. Ética da legalidade e moralidade. Confinamento do princípio da moralidade ao âmbito da ética da legalidade, que não pode ser ultrapassada, sob pena de dissolução do próprio sistema. Desvio de poder ou de finalidade. 12. Julgo improcedente o pedido.
[5]Artigo 54. Compete ao Conselho Federal:
I - dar cumprimento efetivo às finalidades da OAB;
II - representar, em juízo ou fora dele, os interesses coletivos ou individuais dos advogados;
III - velar pela dignidade, independência, prerrogativas e valorização da advocacia;
IV - representar, com exclusividade, os advogados brasileiros nos órgãos e eventos internacionais da advocacia;
V - editar e alterar o Regulamento Geral, o Código de Ética e Disciplina, e os Provimentos que julgar necessários;
VI - adotar medidas para assegurar o regular funcionamento dos Conselhos Seccionais;
VII - intervir nos Conselhos Seccionais, onde e quando constatar grave violação desta lei ou do regulamento geral;
VIII - cassar ou modificar, de ofício ou mediante representação, qualquer ato, de órgão ou autoridade da OAB, contrário a esta lei, ao regulamento geral, ao Código de Ética e Disciplina, e aos Provimentos, ouvida a autoridade ou o órgão em causa;
IX - julgar, em grau de recurso, as questões decididas pelos Conselhos Seccionais, nos casos previstos neste estatuto e no regulamento geral;
X - dispor sobre a identificação dos inscritos na OAB e sobre os respectivos símbolos privativos;
XI - apreciar o relatório anual e deliberar sobre o balanço e as contas de sua diretoria;
XII - homologar ou mandar suprir relatório anual, o balanço e as contas dos Conselhos Seccionais;
XIII - elaborar as listas constitucionalmente previstas, para o preenchimento dos cargos nos tribunais judiciários de âmbito nacional ou interestadual, com advogados que estejam em pleno exercício da profissão, vedada a inclusão de nome de membro do próprio Conselho ou de outro órgão da OAB;
XIV - ajuizar ação direta de inconstitucionalidade de normas legais e atos normativos, ação civil pública, mandado de segurança coletivo, mandado de injunção e demais ações cuja legitimação lhe seja outorgada por lei;
XV - colaborar com o aperfeiçoamento dos cursos jurídicos, e opinar, previamente, nos pedidos apresentados aos órgãos competentes para criação, reconhecimento ou credenciamento desses cursos;
XVI - autorizar, pela maioria absoluta das delegações, a oneração ou alienação de seus bens imóveis;
XVII - participar de concursos públicos, nos casos previstos na Constituição e na lei, em todas as suas fases, quando tiverem abrangência nacional ou interestadual;
XVIII - resolver os casos omissos neste estatuto.
Parágrafo único. A intervenção referida no inciso VII deste artigo depende de prévia aprovação por dois terços das delegações, garantido o amplo direito de defesa do Conselho Seccional respectivo, nomeando-se diretoria provisória para o prazo que se fixar.
[6] Bulos, Uadi Lammêgo. Constituição Federal Anotada. 8 ed. rev. e atual. até a Emenda Constitucional n. 56/2007. São Paulo: Saraiva, 2008.
 
[7] DA SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. 16 ed., rev. e atual. nos termos da Reforma Constitucional (até a Emenda Constitucional n. 20 de 15.12.1998). São Paulo: Malheiros, 1998.
 
[8] DA SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. 16 ed., rev. e atual. nos termos da Reforma Constitucional (até a Emenda Constitucional n. 20 de 15.12.1998). São Paulo: Malheiros, 1998.
[9] Idem.
 
[10] Apud SILVA, José Afonso da. op. cit. p. 54.
[11] Bulos, Uadi Lammêgo. Constituição Federal Anotada 8 ed. rev. e atual. até a Emenda Constitucional n. 56/2007. São Paulo: Saraiva, 2008.
[12] Apud BULOS, Uadi Lammêgo, op. cit. p. 83.
[13] MORAES, Alexandre. Direito constitucional. 20 ed. São Paulo: Atlas, 2006.
 
[14] Art. 43 – A Educação Superior tem por finalidade:
II – formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para inserção em setores profissionais e para participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua.
Art. 48 – Os diplomas de cursos superiores reconhecidos, quando registrados, terão validade nacional, como prova da formação recebida por seu titular.
 
[15] Dicionário jurídico. Marcus Cláudio Acquaviva. São Paulo : Rideel. 2008.
[16] R$ 9.300,00 (nove mil e trezentos reais), vez que, o salário mínimo atual está em R$ 465,00 (quatrocentos e sessenta e cinco reais).
 
[17] MORAES, Alexandre. Direito constitucional. 20. ed. São Paulo: Atlas, 2006.
 
[18] CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de Direito Administrativo. 17 ed., rev. e ampl., São Paulo: Atlas, 2008.
 
[19] BULOS, Uadi Lammêgo. Constituição Federal Anotada. 8. ed. rev. e atual. até a Emenda Constitucional n. 56/2007 – São Paulo: Saraiva, 2008.
[20] Suponha que Tìcio e Mévio concluíram juntos o curso de direito na mesma instituição, sendo que Tício seguiu a carreira da magistratura, enquanto Mévio seguiu a docência. Tício passou 10 anos como juiz de direito e nunca fez uma especialização sequer, enquanto Mévio é pós-doutor em Ciências Criminais pela USP, este, pode-se dizer produz conhecimento, enquanto aquele apenas decorou códigos e textos para passar no concurso público, fica a pergunta, porque Tício é dispensado de prestar o exame da OAB e Mévio não?
[21] LIMA, Fernando Machado da Silva. A inconstitucionalidade do exame de ordem. Jus Navigandi, Teresina, ano 10, n. 1109, 15 jul. 2006. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2009.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Silvio Mario Boaventura Adorno) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Cleibe Sena (22/02/2010 às 11:39:04) IP: 189.124.5.53
QUERO SABER SE JA HOUVE ALGUEM QUE CONSEGUIU ATRAVES DE COMPROVAÇÃO, QUE SE FORMOU EM 1994 TENHA RECEBIDO A INSCRIÇÃO NA OAB E ESTEJE EXERCENDO A PROFISSÃO DE ADVOGADO SEM FAZER O EXAME DA OAB
2) José (06/09/2010 às 23:10:54) IP: 189.15.111.33
Apesar de minha manifestação ser de pouca delonga,mas deixo claro que concordo plenamente com a eliminação do exame de ordem.
3) Wilson (07/01/2011 às 00:11:58) IP: 189.30.28.2
concordo com o artigo do professor Silvio sobre a insconstitucionalidade do exame aplicado pela oab. Mas quero acrescentar onde e que esta a responsabilidade do mec que tem as atribuicoes sobre a educacao. Porque de uma ves por todoas nao assume suas atribuicoes.Porque o senhor presidente da oab, nao escreve alguns artigos ao inves de uasr sempre as mesmas falacias que o exame qualicaca para o trabalho.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2017. JurisWay - Todos os direitos reservados