JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Recursos no Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Comentários à decisão do STF que restringiu o foro por prerrogativa de função para Deputados Federais e Senadores


Autoria:

Alecxandro Barbosa Freire


Profissão: Bancário. Graduado em Engenharia de Produção pela Universidade Regional do Cariri - URCA; MBA em Gestão de Neócios Financeiros - Universidade Banco do Brasil - UniBB; Bacharelando em Direito - Faculdade Paraíso do Ceará - FAP

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

TRÁFICO DE DROGAS, TERRORISMO E ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA COMO DELITOS ANTECEDENTES AO CRIME DE LAVAGEM DE DINHEIRO

QUESTOES DE PENAL COMENTADAS

Diminuição da Maioridade penal

Tráfico ilícito de drogas: Crime impropriamente militar e Princípio da Proporcionalidade

Controle Social e Ressocialização: uma crítica à luz da Lei nº 7.210/84

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE:. UMA ABORDAGEM SINÓPTICA

Concessão de Indulto natalino para corruptos. Uma decisão de lesa humanidade.

ANTEPROJETO DE REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL prisão preventiva

Uma análise das decisões judiciais acerca da (a)tipicidade do descumprimento de medidas protetivas de urgência previstas na Lei Maria da Penha

Violência Financeira contra a Mulher - Contra o Abuso e a Fraude Sentimental

Mais artigos da área...

Resumo:

O foro por prerrogativa de função abrange elevado número de autoridades no Brasil. A restrição de foro adotada pelo STF no juagamento da AP 937 QO/RJ, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 03/05/2018 é um avanço na busca por uma justiça célere.

Texto enviado ao JurisWay em 20/05/2018.

Última edição/atualização em 27/05/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Comentários à decisão do STF que restringiu o foro por prerrogativa de função para Deputados Federais e Senadores

 

            Na sua origem, a prerrogativa de foro de função tinha como fundamento a necessidade de independência dos órgãos e o livre exercício de cargos constitucionalmente relevantes. Entendia-se que a atribuição da competência originária para julgamento desses cargos a tribunais de maior hierarquia evitaria a utilização política do processo penal contra altas autoridades prejudicando ou dificultando o desempenho de suas funções. Dessa forma, tem o objetivo de garantir o livre exercício de certas funções públicas e não acobertar a pessoa ocupante do cargo. Nessa perspectiva, não faz sentido estendê-lo aos crimes cometidos antes da investidura em cargo público, nem aos que sejam estranhos ao exercício das funções, mesmo após a investidura no cargo.

O foro por prerrogativa de função é uma garantia de diretos prevista na Constituição Federal, segundo a qual as pessoas ocupantes de alguns cargos ou funções, somente serão processadas e julgadas criminalmente, por determinados Tribunais (TJ, TRF, STJ, STF).

Tal garanta existe porque se entende que, em virtude de determinadas pessoas ocuparem cargos ou funções importantes e de destaque, somente podem ter um julgamento imparcial e livre de pressões se forem julgadas por órgãos colegiados que componham a cúpula do Poder Judiciário.

            Muito embora o próprio STF utilize em seus julgamentos a expressão foro privilegiado como sinônimo de foro por prerrogativa de função, há sim diferença entre as expressões. O foro por prerrogativa de função é estabelecido em razão do cargo ou função desempenhada pelo indivíduo, enquanto o foro privilegiado é aquele previsto como uma espécie de homenagem, privilégio, deferência à pessoa.

            As regras sobre o foro por prerrogativa de função estão previstas na Constituição Federal, art. 102,I, “b” e “c”; art. 105, I, “a”. Já o art. 125, caput e §1º autorizam as Constituições Estaduais preverem as hipóteses de foro por prerrogativa de função nos Tribunais de Justiça, isto é, situações em que autoridades estaduais serão julgadas originalmente nos TJ´s, respeitando o princípio da simetria com a Constituição Federal, ou seja, a autoridade que receber o foro por prerrogativa na Constituição do Estado, deve ser equivalente àquela que recebeu no âmbito federal.

            A Constituição Federal prevê como foro competente o STF para as seguintes autoridades: Presidente e Vice-Presidente da República, Deputados Federais e Senadores, Ministros do STF, Procurador-Geral da República, Ministros de Estado, Advogado-Geral da União, Comandantes da Marinha, Exército e Aeronáutica, Ministros do STJ, STM, TST, TSE, Ministros do TCU e Chefes de missão diplomática de caráter permanente. Como foro competente o STJ as seguintes autoridades: Governadores, Desembargadores (TJ, TRF, TRT), Membros dos TER, Conselheiros dos Tribunais de Contas e Membros do MPU que oficiem perante tribunais. Como foro competente o TRF ou TRE as seguintes autoridades: Juízes Federais, Juízes Militares e Juízes do Trabalho e Membros do MPU que atuam na 1ª instância. Como foro competente o TJ as seguintes autoridades: Juízes de Direito e Promotores e Procuradores de Justiça. Para Prefeitos, o foro competente pode ser o TJ, o TRF ou o TRE, a depender do caso.

            Acrescente-se que, caso a Constituição Estadual não traga nenhuma regra, tais autoridades serão julgadas em primeira instância.

            Para alguns juristas, a exemplo no Ministro Luís Roberto Barroso, a Constituição de 1988 prevê um numero muito elevado de agentes públicos respondendo por crimes comuns perante tribunais. Estima-se em 37 mil esse número. Trata-se de um fenômeno sem correspondente do direito comparado.

            O modelo de foro por prerrogativa de função adotado no Brasil acarreta consequências indesejáveis para a justiça, para os jurisdicionados e para os próprios tribunais superiores porque, em primeiro lugar, afasta o Tribunal do seu verdadeiro papel, o de Suprema Corte, como é o caso do STF e STJ, e em segundo, porque contribui para a ineficiência da justiça criminal, uma vez que ditos Tribunais não têm sido capazes de julgar de maneira adequada e com a devida celeridade todos os casos abarcados pela prerrogativa, disseminando o sentimento de impunidade perante a população.

            Argumenta-se ainda que os  Tribunais Superiores foram criados para funcionarem como Tribunais de teses jurídicas e não para julgamento de fatos e provas. Assim, o foro por prerrogativa de função contribui para o congestionamento dos Tribunais tornando ainda mais morosa a tramitação dos processos e raríssimos os julgamentos e condenações.

            Por outro lado, o Brasil é signatário da Convenção Americana de Direitos Humanos e do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, tratados internacionais sobre direitos humanos que asseguram o direito de recorrer da sentença para juiz ou tribunal superior e esse modelo vai de encontro a essas normas, pois as autoridades com foro por prerrogativa de função perante o STF, não teriam acesso ao duplo grau de jurisdição.

            O entendimento até então adotado pelo STF era o de que, em sendo diplomado, o candidato que estivesse respondendo a uma ação penal em primeira instância, no dia da diplomação cessaria a competência deste juízo e o processo criminal deveria ser remetido ao STF para ali ser julgado.

            Ocorre que, no julgamento da Ação Penal 937 o Ministro Luís Roberto Barroso suscitou em uma questão de ordem, duas propostas. Primeiro: mudar interpretação que até hoje era dada ao art. 102, I, “b” e “c”, da Constituição Federal e passar a entender que o foro por prerrogativa de função do STF deve se aplicar apenas a crimes cometidos durante o exercício do cargo e desde que relacionados com a função desempenhada; e segundo: definir um determinado momento processual a partir do qual mesmo que o réu perca o foro perante o STF, ainda assim continuará sendo julgado por essa corte.

            Portanto, o STF fixou a seguinte tese: O foro por prerrogativa de função aplica-se apenas aos crimes cometidos durante o exercício do cargo e relacionados às funções desempenhadas. STF. Plenário. AP 937 QO/RJ, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 03/05/2018.

            Para se evitar um constante deslocamento das ações penais entre as instâncias do judiciário, o chamado sobe-e-desce processual, foi necessário também estabelecer um limite temporal para que tais ações permaneçam nos tribunais superiores ou sejam remetidas para o juízo de primeira instância. Isso se faz necessário porque não são raros os casos em que um réu procura de eleger para mudar o órgão jurisdicional competente ou não disputa nova eleição para que seu processo seja remetido à primeira instância e com isso ganhe mais tempo, o tempo da prescrição e consequentemente a impunidade! Logo o STF também decidiu que: com a publicação do despacho de intimação para apresentação das alegações finais, está encerrada a instrução processual, ficando prorrogada a competência do juízo para julgar a ação penal, mesmo que ocorra alguma mudança no cargo ocupado pelo réu. STF. Plenário. AP 937 QO/RJ, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 03/05/2018.

            Esse critério estabelecido pelo STF, a partir do qual a competência para processar e julgar as ações penais não será mais afetada em razão de o agente deixar o cargo que ocupava, qualquer que seja o motivo, apresenta como pano de fundo três razoes: Em primeiro lugar, trata-se de um marco temporal objetivo, de fácil aferição com pouca margem de manipulação para os investigados e réus e afasta a discricionariedade dos tribunais de declinar da competência; Segundo porque esse critério privilegia o princípio da identidade física do juiz; e terceiro porque já existia precedente do próprio STF adotando esse marco temporal.

            Sem dúvidas trata-se de importante medida tomada pelo Tribunal Constitucional que visa a dar maior celeridade aos processos na tentativa de se evitar a impunidade dos réus alcançada pela prescrição frente as diversas manobras utilizadas por estes, diga-se deputados federais e senadores por enquanto, vez que a discussão continua, e espera-se que o foro por prerrogativa de função seja de uma vez por todas extinto do nosso ordenamento jurídico.

 

 

Alecxandro Barbosa Freire

Ederaldo Angelo Matias

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Alecxandro Barbosa Freire) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados