JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

ELEMENTO SORTE VERSUS A MORAL PROVISÓRIA CARTESIANA


Autoria:

Tatiana Da Silva Gomes


Contabilista, Bacharela em Ciências Contábeis pela Universidade do Estado da Bahia, Pós-Graduada em Auditoria e Controladoria pela Universidade Tiradentes e Graduanda em Direito pela Universidade do Estado da Bahia.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Objetiva traçar um paralelo entre o pensamento de René Descartes acerca de seu conceito de moral provisória e o elemento sorte como possível direcionador dos seguimentos morais, tomando por base a sorte num contexto de contingência.

Texto enviado ao JurisWay em 03/05/2018.

Última edição/atualização em 19/05/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

De grande influência para a história da humanidade, o filósofo francês René Descartes (1596-1650), em sua obra Discurso do Método, estabelece um conceito de “moral provisória”, objetivando nortear as ações humanas para que não haja irresoluções diante das questões cotidianas, haja vista a impossibilidade de certezas na vida prática e a brevidade com a qual são esperadas tais resoluções.

Preliminarmente, insta salientar que Descartes elaborou um guia para a ação moral humana, composto por três máximas, que embasariam provisoriamente o homem diante das questões que ainda não possuíssem uma filosofia constituída. Dentre estas máximas, vale ressaltar a terceira, cujo teor faz referência ao autocontrole, conforme transcrito a seguir:

 

“Minha terceira máxima era a de procurar sempre antes vencer a mim próprio do que à fortuna, e de antes modificar os meus desejos do que a ordem do mundo, e, em geral, a de acostumar-me a crer que nada há que esteja inteiramente em nosso poder, exceto os nossos pensamentos, de sorte que, depois de termos feito o melhor possível no tocante às coisas que nos são exteriores, tudo o que nos falta conseguir é, em relação a nós, absolutamente impossível. E só isso me parecia suficiente para me impedir, no futuro, de desejar futuramente algo que não pudesse adquirir, e, assim, para deixar-me contente.”[1]

 

Na seara da moral, a razão justifica a ação diante de uma possível incerteza, baseada no fato de que não poderá haver, na prática diária, uma “irresolução”. Sendo assim, para Descartes, deve-se firmar nas opiniões mais moderadas dos mais sensatos e tomá-las como certas, mesmo que haja dúvida sobre a veracidade. Em outra regra, diz que se deve procurar vencer sempre a si próprio, e não contar com a sorte. Mas partindo do fato que não há certeza acerca daquela verdade, contar com a sorte não seria bom para chegar às conclusões?

Neste diapasão, surge a seguinte questão: a sorte, o acaso, pode direcionar os segmentos morais?

Partindo do conceito de moral, qual seja, um conjunto de regras a serem seguidas pelo homem, para a vida em sociedade; e de moral provisória estabelecido por Descartes, infere-se que o elemento razão é preponderante e permeia as atitudes humanas.

Por ser tão racional, Descartes não julgava ser correto influenciar-se através do fator sorte. Era preciso contar apenas com a racionalidade contida nas opiniões alheias costumeiras para a resolução dos problemas cotidianos que solicitavam brevidade nas respostas. E o que seria essa sorte, então?

A sorte, não admitida por este pensador, seria no sentido de contingência, de fortúnio. É sabido que, por sua definição, contingência diz respeito a elemento não perseguido em um planejamento ideal, mas que pode interferir de maneira drástica no trabalho de conter determinado acontecimento.

No contexto da racionalidade, todo o planejamento tende a definir uma perspectiva hipotética, ou seja, uma resolução plausível para o caso/problema é hipoteticamente prevista e esperada. No entanto, um elemento contingencial corroboraria para que esta previsão não se tornasse realidade, dando-se, assim, outro rumo para a resolução daquela questão, dantes prevista.

Sobrevém que, no mundo, não há a possibilidade de prever todos os acontecimentos, haja vista a superveniência de fatores intrínsecos e/ou extrínsecos ao ser humano, que são tidos como contingenciais. Assim, a sorte estaria, neste sentido, encravada em qualquer ação moral cotidiana, mesmo que esta última seja repleta de racionalidade.

Considerando-se a questão contingencial no âmbito da moralidade, negligenciada pela razão cartesiana, estaria Descartes equivocado ao afirmar que o homem não devesse contar com a sorte e que deveria pautar-se apenas na lógica? E não seria ainda a lógica passível de falência, considerando-se que fatores alheios à vontade do ser/agente teriam o condão de transformar os resultados esperados?

A relação entre a moral e o fator sorte sempre existirá, contrariando a terceira máxima de Descartes. Uma justificativa para essa afirmação seria o fato de que, mesmo ainda em seu pensamento, embora negasse a influência da sorte, Descartes já estaria contando com ela quando da escolha da opinião para embasar sua ação, mesmo que pautado em racionalidade.

O agente, por assim dizer, ao agir diante de um acontecimento, diante de uma questão do dia-a-dia, baseado em preceitos morais, espera que a sorte aja em seu favor, garantindo que a finalidade a que se propunha, seja alcançada.

Diante o exposto, conclui-se que a sorte pode, sim, influenciar os segmentos morais, diferentemente da visão de René Descartes, visto que se trata de um fator alheio à vontade humana mas que é capaz de modificar a realidade, ofertando um novo desfecho para as conclusões planejadas pela racionalidade.

 

Referências

 

ANDERY, Maria Amália, et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

 

DESCARTES, René. Discurso do método. Tradução Maria Ermantina Galvão. Revisão da Tradução Mônica Stahel. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001. Disponível em:<https://docviewer.yandex.com/view/0/?*=gCuUWvGkw8Sx6yg1SVPjfJLLJZN7InVybCI6InlhLWRpc2stcHVibGljOi8vb2k3bVNmTTl5aWM1KzZSNU1vTG5jUUdpZ0JsN1N6YVF0MGRoMEtMdWRvbz0iLCJ0aXRsZSI6IkRpc2N1cnNvIGRvIG3DqXRvZG8gLSBSZW7DqSBEZXNjYXJ0ZXMucGRmIiwidWlkIjoiMCIsInl1IjoiNDY2NzAyDIyMTUwNTEwNjIxMSIsIm5vaWZyYW1lIjpmYWxzZSwidHMiOjE1MDUxMDYyMjc3MjV9> Acesso em: 02 set. 2017.

                                                        

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Tatiana Da Silva Gomes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados