JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Pessoas invisíveis


Autoria:

Fabio Celestino Dos Santos


-Advogado,Graduação em Direito -(Unicastelo); -Pós-graduado em Direito Cível; -Pós-graduado em Processo Cível; -Pós-graduando em Direito Imobiliário; -Presidente da Comissão dos Direitos Humanos da OAB/SP, 104ª Subseção -Itaquera; -Diretor da Comissão de Segurança Pública da OAB/SP, 104ª Subseção -Itaquera; - Diretor da Comissão do Terceiro Setor da OAB/SP, 104ª Subseção -Itaquera, -Mediador e Conciliador pelo CNJ; -Vice-presidente do (Conseg), Conselho de Segurança de São Matheus, São Paulo/SP.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

RESPONSABILIDADE CIVIL PELA PERDA DE UMA CHANCE
Direito Civil

O que é ser um jovem advogado
Desenvolvimento Pessoal

MOBILIDADE URBANA
Outros

Estelionato sentimental
Direito Civil

Outros artigos da mesma área

MORTE POR APEDREJAMENTO E REFÚGIO INTERNACIONAL

COMEÇO E FIM DA PERSONALIDADE DO NASCITURO

Breve Nota Sobre a Convenção Internacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência de Nova York

A DROGA QUE DESTRÓI AS FAMÍLIAS

INCLUSÃO URBANA E MEMÓRIA: UM DIREITO DE TODOS

O PROBLEMA DOS PUXADINHOS NA LEI MARIA DA PENHA

O DIREITO COSMOPOLITA E FRATERNAL: A RUPTURA DAS FRONTEIRAS ERGUIDAS PELO ENSINO JURÍDICO FRAGMENTADO DIANTE DA NATUREZA SUPRA INDIVIDUAL DOS DIREITOS HUMANOS NA PESPECTIVA DA (IM) POSSIBILIDADE DA PRISÃO CIVIL DO DEPOSITÁRIO INFIEL.

É desnecessária designação de audiência para retratação na Lei Maria da Penha

A pessoa em situação de rua como representante dos usuários nos conselhos municipais de políticas públicas

POSIÇÕES FAVORAVEIS E CONTRARIAS AO ABORTO

Mais artigos da área...

Resumo:

Cegueira social

Texto enviado ao JurisWay em 21/08/2017.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

                             Pessoas invisíveis

 Nasci e fui criado na megalópole SÃO PAULO, a metrópole que nunca dorme. Sempre transitei por diversos locais, ruas, avenidas, rodovias, mas nunca tinha me dado conta ou observado que nesta cidade existem pessoas invisíveis!

 Sim, parece estranho, são pessoas completamente ignoradas, mas que por diversas vezes, passamos muito perto, em alguns casos, chegamos a esbarrar nestas pessoas, como se fossem um poste (um obstáculo), que está ali a nos atrapalhar   e ao menos oferecemos um pedido de desculpas.

 Em uma de minhas visitas ao dentista, lá estava eu como um trabalhador comum, sentado em um banco de ônibus, foi quando olhei ao meu redor, do outro lado da janela, ou seja, lado de fora do meu campo de conforto, e   fiquei pensando: será que a gente trata mesmo as pessoas assim, como se fossem invisíveis e como se não existissem, mas quem são essas pessoas?

 Essas pessoas são indivíduos que foram esquecidos, mais   necessariamente, pelo poder público, nas três esferas.  Na verdade, são seres humanos que estão sendo feridos em suas almas, estão tendo seus direitos tolhidos, desrespeitados como cidadãos. Em regra, essas pessoas sempre trabalharam, estudaram, contribuíram para o desenvolvimento desta cidade, mas por algum tipo de acidente no decorrer da vida, se encontram ali, sem perspectiva de melhoras, levados por algum tipo de problema mal resolvido, que sugou suas forças, (energias) até os deixarem a mercê de toda a desgraça contemporânea.

 Não existe atuação política suficiente para promover a reintegração dessas pessoas ao convívio da sociedade. O poder público prefere difundir programas desproporcionais, não condizentes com a realidade, ou seja, também ignora “os invisíveis”, pois, o que dá notoriedade, ao que me parece, não é cuidar dos interesses dos “cidadãos”.

 Não é ficção cientifica, muito menos novela, são pessoas que atingiram a invisibilidade, no momento em que tanto o poder público, quanto a sociedade viraram as costas para eles.

 Por alguns minutos, desci do ônibus e me dirigi em direção a algumas pessoas que estavam morando ao lado do viaduto Bresser, na avenida Radial leste, na cidade de São Paulo, ao me aproximar, puxei conversa com um senhor de aproximadamente 70 anos, era o que aparentava, com um rosto sofrido e a pele enrugada, algo inesperado aconteceu, um colega que tinha feito um curso comigo, passou entre nós e não que ele tivesse me ignorado, menosprezado ou rejeitado. Pior: nem fui visto. Era como se eu não estivesse lá, por alguma força do além, tivesse também me tornado invisível e fizesse parte de dessa invisibilidade pública, ou seja, invisibilidade (social), essa que se atinge, quando o ser humano se torna invisível em uma megalópole que nunca dorme.

 O que percebi é que em alguns momentos da vida, todos nós estamos sujeitos a ficarmos invisíveis, tanto em momentos passageiros, quanto em períodos mais longos, por várias circunstâncias da vida. Cabe a nós colocarmos colírios, retirarmos as vendas dos olhos para que seja tratada esta cegueira social, desumana e degradante que aflige a sociedade contemporânea.  

 

Autor: DR FÁBIO CELESTINO DOS SANTOS 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Fabio Celestino Dos Santos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Mariana (29/08/2017 às 18:01:29) IP: 191.205.249.129
É a mais pura e triste realidade, e o pior é que estamos mesmo tão acostumados a ignorar essas pessoas que nem nos damos conta de todo o sofrimento e olha que eu me deparo com isso todos os dias,achei seu termo Cegueira Social perfeito para o que acontece todos os dias,nos tornamos cegos e a pergunta fica, até quando?
Eu mesma não sei a resposta.

Enfim a você novamente meus parabéns tenho orgulho em conhece-lo e espero sinceramente ver outros textos .

Abraços :)


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados