JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

HERMENÊUTICA, INTRODUÇÃO, INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE E RAZOABILIDADE.


Autoria:

Cosma Catunda Borges Martins


ADVOGADA ATUANTE. FORMADA PELA UNIVERSIDADE DE FORTALEZA- UNIFOR ESPECIALISTA EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO E DIREITO DAS FAMÍLIAS E SUCESSÕES. MESTRANDO EM CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS PELA FUNIBER.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Com base na análise das decisões jurisprudências, observa-se a importância da aplicação de uma teoria de princípios, o princípio da "Proporcionalidade ou Razoabilidade"

Texto enviado ao JurisWay em 21/06/2017.

Última edição/atualização em 22/06/2017.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

          INTRODUÇÃO

                   Considerando os diversos fatores e aspectos que estruturam a aplicação dos princípios de interpretação diante de uma colisão de Direitos Fundamentais, o princípio da proporcionalidade soluciona tal colisão através de sua integração e aplicação diante do caso concreto.

                  O presente trabalho pretende, de maneira exploratória e investigativa, observar a importância do princípio da proporcionalidade diante de uma colisão de Direitos, demonstrando assim que esse princípio dá unidade á Constituição, tendo como base o Estado Democrático de Direito.

                   Busca-se também um instrumento facilitador que contribua para as decisões dos magistrados, quando tais não podem ser decididos diante de uma colisão, reunindo indicadores como os subprincípios: a) adequação ou pertinência, b) necessidade ou exigibilidade, c) proporcionalidade stricto sensu, como fontes indicadoras para a aplicação na jurisprudência, sendo acima de tudo uma decisão pautada com a mais alta relevância, dando ponderação dos direitos ou bens jurídicos que estando em jogo, conforme o jogo, conforme o peso, o valor, possa conferir uma jurisprudência mais justa passa o caso concreto, aquela decisão que melhor se adapta e sob todos os pontos de vista relevantes.

 

         OBJETIVO

 

              Analisar as decisões jurisprudências dos Ministros e Magistrados, diante de uma colisão de Princípios Constitucionais, à aplicação do principio da “Proporcionalidade ou Razoabilidade” para que possa ter um condão de controlar a observância da finalidade da lei, o qual pressupõe perfeita harmonia entre os meios e os fins, ente o objeto e o resultado do ato jurídico.

 

 

         METODOLOGIA

    

               O levantamento de dados utilizados pela presente pesquisa se fundamentará  na base de dados por meio de análise e pesquisa bibliográfica. Segundo Marconi e Lakatos (1991), o objetivo da pesquisa bibliográfica é aproximar o autor da pesquisa, com os conhecimentos que foram escritos sobre um assunto específico.

                Após a juntada do material bibliográfico a pesquisa será desenvolvida, seguindo a direção para á solução de problemas específicos, envolvendo verdades e interesses reais e pesquisa qualitativa, pois não deverá ser trazida em números, não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas.

                Além de qualitativa, a pesquisa tem a proposta de ser exploratória, estabelecendo relações entre as determinadas decisões jurisprudências dos Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), diante de uma colisão de Direitos Fundamentais evidentes.

 

         DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO

 

                     A hermenêutica a teoria científica que fornece elementos para a interpretação das leis. Procurando, portanto,  se basear no propósito de alcançar os objetivos de uma sociedade livre e justa.

                    O estudo dessa pesquisa se baseia na demonstração que o ordenamento jurídico é composto por duas espécies de normas sujeiras a interpretação: as regras e os princípios, ou seja, essas espécies de normas jurídicas se distinguem pelo conteúdo, pela estrutura normativa e pelos métodos de interpretação.

                    Segundo afirma Celso Bastos:

“(...) A interpretação tem por objeto as normas,enquanto a hermenêutica decifra o modo pelo qual poderá dar a interpretação (...) o fato é que eles podem existir automaticamente  do uso que depois se vai deles fazer (...)”. ( 1997, p.165).

 

                     Vale ressaltar que não é uma tarefa fácil analisar a essência dos valores que fundamentam uma sociedade, tendo em mente, que esta interpretação de análise não estaria completa se não pudesse adentrar-se ao princípio da proporcionalidade, o qual é o princípio mais importante dentre os diferentes princípios, que cada ramo do Direito utiliza para sua compreensão específica, sendo o princípio da proporcionalidade o papel principal e consistente em uma organização dentro do ordenamento jurídico. Portanto, esse princípio garante o fornecimento necessário dentre os interesses sob disputa na sociedade, que fornece a exata consonância diária entre os interesses coletivos e individuais.


“(...) a interpretação pressupõe um momento anterior de compreensão, pelo qual é determinada ou descoberta uma lacuna. Lacuna é o vazio jurídico que gera um sentimento de insatisfação (...)”.

(CELSO, 1997, p. 171).

 

Assim, para uma melhor interpretação e aplicação ao ponto de vista da realidade do sistema legal, é mais adequada que estejamos flexíveis  a aplicação e uso de princípios na formação e decisão de uma jurisprudência,pois,o posicionamento do Juiz no momento da decisão, onde ele tem alternativas de aplicar as regras para conseguir a justiça,é exatamente através de seu entendimento do Direito e fazendo uma ponderação sobre os padrões de conduta da sociedade  no sistema legal, obtendo julgamentos de valores de como esses fatos podem transformar a normalidade de uma sociedade.

Porém, é nesse momento, quando ocorrem as colisões de princípios e os conflitos de regras  que se pode acentuar essa diferença,tomando dessa forma a decisão mais incisiva diante do conflito,e recebendo um tratamento distintos quanto á forma.

                   Os denominados meros instrumentais são porque não resolvem o caso concreto, mas apenas incidem sobre outras normas, as quais são diretamente aplicáveis à hipótese concreta.

                   De acordo com Celso Bastos, os instrumentais hermenêuticos são:

“(...) fórmulas compreendidas como os expedientes, procedimentos, recursos de interpretação fornecidos pela teoria do Direito”. ( 1997, p. 228).

 

                  Isso significa reconhecer a importância de entender o que este princípio representa em termos legais, não usando insensatamente, sobrepondo sua aplicação a todo contexto legal, mas como grande inerência no sentido de admitir que uma regra clara da Constituição pudesse ser reintegrada livremente, é como se afirma que nenhuma outra palavra e m seu texto sobreviveria. Dessa forma, a construção dessa reinterpretação ou ponderação se estabelece de três formas: adequação, que é habilidade de produzir o efeito desejado, a necessidade, onde o objetivo a ser atingido através da medida seja menos dolorosa, mas com a mesma efetivação, e a proporcionalidade stricto sensu, ponderando a relação entre a extensão da restrição dos direitos da parte do ofendido e a extensão da realização dos objetivos constitucionais.

 

                                 Luiz Roberto Barroso (1999, p. 196):

 

“A interpretação Constitucional em íntima conexão com a interpretação das leis, na medida em que, não obstante a interpretação constitucional detenha princípios, retira da interpretação geral do Direito sua natureza e características, além de a jurisdição constitucional está ligada á analise da compatibilidade entre a lei ordinária e as normas constitucionais”.

 

                      Somente havendo uma forte alegação baseada num princípio oposto de maior peso, será permitida essa superação, visando ter os princípios uma função mais complementar, adequando o princípio de maior peso ou importância “Princípio da proporcionalidade e Razoabilidade”, o magistrado deve motivar sua decisão diante da emissão de razões fáticas e jurídicas.

                                       Segundo Canotilho, ele afirma que:

“Em virtude de sua referência a valores ou sua relevância ou proximidade axiológica, os princípios tem uma função sistemática; são os fundamentos de regras jurídicas que tem uma idoneidade inadiante que lhes permite ligar ou cimentar todo sistema constitucional”.

( 2004, p. 63).

 

         CONSIDERAÇÕES FINAIS

                  O estudo apresentado servirá como base informativa, para ilustrar e exemplificar as diversas decisões diante de um conflito, de uma colisão de Direitos Fundamentais e a importância da aplicação desse princípio,devendo o interprete colocar-se a favor do menor sacrifício do cidadão na hora de escolher os diversos significados da norma.

 

 

 

         REFERÊNCIAS

BASTOS, Celso Ribeiro. Hermenêutica e Interpretação Constitucional. São Paulo: Celso Bastos Editor, 1997.

 

BAROSO, Luis Roberto. Interpretação e Aplicação da Constituição: Fundamentos de uma dogmática constitucional transformadora. 6ª Ed. São Paulo: Saraiva 2004.

 

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Estudos sobre Direitos Fundamentais. Coimbra, 2004.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Cosma Catunda Borges Martins) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados