JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Crianças sustentáveis na era consumista


Autoria:

Marcela Tereza Belizario Da Silva Do Prado


Sou servidora pública estadual, bacharel em Direito pela Universidade de Cuiabá, especialista em Direito Ambiental Urbano.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

A arte urbana
Direito Ambiental

Poluição Visual nas Cidades
Direito Ambiental

O Mandado de Segurança no concurso público
Direito Processual Civil

Vida descartável: o consumismo no meio ambiente urbano
Direito Ambiental

Democracia Interna
Direito Constitucional

Mais artigos...

Resumo:

A vida é mesmo um ciclo. Nossos pais eram crianças não consumistas, nossa geração inaugurou a era do consumo, que chegou ao ápice agora, com nossos filhos e estamos tentando reverter essa situação, com a inclusão da sustentabilidade no mundo infantil

Texto enviado ao JurisWay em 05/12/2016.

Última edição/atualização em 08/12/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Crianças sustentáveis na era consumista

 

Marcela Prado1

 

A vida é mesmo um ciclo. Nossos pais eram crianças não consumistas, nossa geração inaugurou a era do consumo, que chegou ao ápice agora, com nossos filhos e estamos tentando reverter essa situação, com a inclusão da sustentabilidade no mundo infantil.

 

Não precisamos ir muito longe, as crianças do século XX tinham suas roupas feitas pelas mães e usadas até virarem trapos, os brinquedos eram, na sua maioria, artesanais. Era a época dos carrinhos de madeira, bilboquê, pião, bonecas de pano, bola de meia, bola de gude, dos vestidos de algodão, dos calçados ortopédicos, enfim, de coisas que a infância acabava e eles não, eram repassados para amigos, primos, e faziam a alegria de alguém novamente.

 

Já no século XXI, as crianças se tornaram mais consumistas do que os próprios pais. As propagandas passaram a ter como público-alvo o infantil, que, com os pais cada vez mais ausentes em virtudes de trabalho, faculdade e outros compromissos, procuraram supri-la com os brinquedos da moda, deixando de perceber, o quão eles eram descartáveis e seu filhos também estavam ficando.

 

Até que pouco tempo atrás, estamos falando de, no máximo, três anos, percebemos como estamos criando nossos filhos cada vez com menos consciência ambiental e resolvemos 'voltar ao que era antes'.

 

Podemos observar hoje que na mesma loja de brinquedos onde encontramos o vídeo game da última geração ou a boneca que lembra perfeitamente um bebê de verdade, fazendo inclusive que tenhamos que cuidar da sua higiene, temos como opção caminhões de madeira, ábacos, quadro para brincar de escolinha, o antigo pião...

 

O que aconteceu? O excesso do descartável fez com que acordássemos e percebêssemos o quão ricas estão as empresas deste ramo e fomos nós que proporcinamos isso, o quão insatisfeitos e intolerantes começaram a se tornar nossos pequenos filhos, pois o “ter” se tornou mais importante do que o “ser” desde as mais tenras idades, o “eu quero”, “compra pra mim” desenfreado precisava de um basta diante de tamanho desperdício de objetos e infância.

 

Descobrimos que é possível ter uma criança sustentável na era consumista, explicando que ela pode ter um brinquedo que não passa na propaganda, porém dura mais; que aquela roupinha ou o sapato podem ser usados em mais de uma festa sem problemas; que ela também tem o dever de cuidar do meio ambiente e produzindo menos lixo ela estará ajudando bastante.

 

O importante é que cada vez mais tentemos demonstrar às nossas crianças que o consumo irresponsável, não importa de qual produto, resultará em uma agressão ao meio ambiente, aí sim, estaremos criando cidadãos sustentáveis.

 

 

 

 

 





 

1 Especialista em Direito Ambiental Urbano pela UFMT.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marcela Tereza Belizario Da Silva Do Prado) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2017. JurisWay - Todos os direitos reservados