JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Tráfico Internacional de pessoas


Autoria:

Francisca Pereira Dias


Estudante de direito,na Universidade de Brasília.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O Tráfico Internacional de Pessoas deve ser entendido como: o impedimento da liberdade de ir e vir da pessoa levada a outro país, com seu consentimento (quando não sabendo o real motivo da ação), ou contra sua vontade.

Texto enviado ao JurisWay em 12/09/2016.

Última edição/atualização em 15/09/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

Protocolo de Palermo: Conceito, Definição, Principais Grupos Vulneráveis, Casos Correlatos e Implicações Jurídicas.

Conceito

O Tráfico Internacional de Pessoas deve ser entendido como: o impedimento da liberdade de ir e vir da pessoa levada a outro país, com seu consentimento (quando não sabendo o real motivo da ação), ou contra sua vontade.

Por Francisca Pereira Dias

 

 

Definição

 

O Protocolo de Palermo, do qual o Brasil é signatário, “Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional relativo à Prevenção, à Repressão e à Punição do Tráfico de Pessoas, em especial de Mulheres e Crianças”, já assevera em seu mesmo texto que pretende “prevenir e combater” o tráfico internacional de pessoas mas esbarra na legislação de cada país:

 

Declarando que uma ação eficaz para prevenir e combater o tráfico de pessoas, em especial de mulheres e crianças, exige por parte dos países de origem, de trânsito e de destino uma abordagem global e internacional que inclua medidas destinadas a prevenir esse tráfico, a punir os traficantes e a proteger as vítimas desse tráfico, designadamente protegendo os seus direitos fundamentais internacionalmente reconhecidos,

 

Tendo em conta que, apesar da existência de uma variedade de instrumentos internacionais que contêm normas e medidas práticas destinadas a combater a exploração de pessoas, em especial de mulheres e crianças, não existe nenhum instrumento universal que trate de todos os aspectos relativos ao tráfico de pessoas,

 

O referido Protocolo, em seu Art. 2º, declara como objetivo:

 

“a) Prevenir e combater o tráfico de pessoas, prestando uma especial atenção às mulheres e às crianças;

 b) Proteger e ajudar as vítimas desse tráfico, respeitando plenamente os seus direitos humanos; e

c) Promover a cooperação entre os Estados Partes de forma a atingir estes objetivos.”

 

Em seu Art. 3ª, alínea “a”, o Protocolo define Tráfico de Pessoas como sendo:


“o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou ao uso da força ou a outras formas de coação, ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou de situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tem autoridade sobre outra, para fins de exploração. A exploração deverá incluir, pelo menos, a exploração da prostituição de outrem ou outras formas de exploração sexual, o trabalho ou serviços forçados, a escravatura ou práticas similares à escravatura, a servidão ou a extração de órgãos;”

 

Em seu livro e na entrevista concedida ao programa Direito e Globalização, a Drª Thaís de Camargo Rodrigues, Mestre em Direito Penal, também define o Tráfico de Pessoas como o fenômeno do alistamento ou transferência de pessoas, transporte, voluntário ou involuntário, porém acrescentando que pode ser nacional ou internacional e que os objetivos de exploração podem ser também para a adoção ilegal, esta também forçada ou consentida mediante pagamento aos pais.

 

Também o Protocolo de Palermo, em seu Art. 3º, alínea “b”, declara que o consentimento, a vontade da vítima é irrelevante, porque muitas vezes ela sequer tem noção que o ato será atentatório contra sua liberdade.

 

Ainda em sua alínea “c”, o Art. 3º do Protocolo define que: “o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de uma criança (assim considerado o menor de 18 anos) para fins de exploração deverão ser considerados tráfico de pessoas

 

A Declaração Universal dos Direitos Humanos traz vários artigos relacionados à liberdade, segurança, tratamento desumano e liberdade de locomoção, em especial os seguintes:

 

Artigo III

Todo o homem tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

Artigo IV

Ninguém será mantido em escravidão ou servidão; a escravidão e o tráfico de escravos estão proibidos em todas as suas formas.

Artigo V

Ninguém será submetido a tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante.

Artigo XIII

I) Todo homem tem direito à liberdade de locomoção e residência dentro das fronteiras de cada Estado.

II) Todo o homem tem o direito de deixar qualquer país, inclusive o próprio, e a este regressar.

 

Principais Grupos Vulneráveis ao Tráfico Internacional de Pessoas

 

Os grupos mais suscetíveis ao tráfico internacional de pessoas são: as crianças, os adolescentes, os jovens, principalmente do sexo feminino. Esses grupos tem grande valor para o comércio. As crianças são vítimas de adoção ilegal, além do tráfico de órgãos sob encomenda; adolescentes e mulheres jovens  até os vinte e oito anos para casamento forçado, ou submisso e exploração sexual (consentida ou forçada). O tráfico de órgãos atinge todos os grupos. A doutora Thaís de Camargo Rodrigues acrescenta a escravidão moderna na qual as vítimas tem os documentos retidos e trabalham em condições desumanas, acrescenta ainda que travestis e homossexuais também são explorados sexualmente. 

 

Dos países de origem das vítimas, além do Brasil, ainda constam diversos países da América Latina, países do Leste Europeu, em geral lugares nos quais faltam empregos ou haja pobreza.

 

Casos Correlatos

 

A CPI do Tráfico de Pessoas da Câmara dos Deputados ouviu, entre outros, o Caso da jovem Charlotte Cohen-Tenoudji que aos quatorze anos descobriu que havia sido adotada ilegalmente, por uma família francesa, família essa que tinha problemas psíquicos muito sérios, onde foi criada em condições de relacionamento difícil. Investigações feitas pela própria Charlote demonstrou que ela e dezenas de outras crianças de um orfanato de São Paulo foram traficadas para adoção ilegal.

No caso da Charlotte, cujos documentos franceses são inválidos em razão da adoção ilegal, os documentos de nascimento e identidade brasileiros somente poderiam ser emitidos se ela conseguisse determinar quem são seus pais verdadeiros. Ao que tudo indica (ela encontrou documentos de créditos bancários do pagamento de sua adoção na escrivaninha de seus pais de criação) o tráfico e a adoção ilegal foi realizada em troca de altos valores e envolveu pessoas influentes e até autoridades à época.

 

Algumas vezes, porém, a vítima é convencida a viajar com a promessa de emprego fora do país, trabalhos como modelo e até mesmo com a promessa de altos rendimentos para prostituição de alto nível, porém quando chegam ao destino ou são vendidas para casamento forçado ou para trabalho escravo e exploração sexual com privação de liberdade, seus documentos são retidos e suas famílias ameaçadas.

 

Outras vezes, a vítima é levada para fora do país com a promessa de casamento, cujos pretensos noivos as vendem ou exploram.

 

Quando a vítima é raptada  ou forçada, para sua família ela irá figura como pessoa desaparecida. Porém quando ela é iludida de alguma forma e consente em ser aliciada, para sua família ela está vivendo normalmente no exterior.

 

No Brasil, a cada 5 minutos uma pessoa desaparece. Muitos casos de desaparecimentos estão associados a doença mental, fuga do lar, assalto ou mesmo estupro seguido de assassinato. Muitos dos casos de desaparecimento, porém estão associados ao tráfico internacional de pessoas. Infelizmente poucos casos de desaparecimento são solucionados. Vide os casos das Mães da Sé, do Instituto Impar etc.

 

Implicações Jurídicas

 

O Protocolo de Palermo deixou a cargo dos países signatários a criminalização, penalização e adoção de medidas legais para coibir e punir os atos nele descritos.  No Brasil o Protocolo foi recepcionado pelo DECRETO Nº 5.017, DE 12 DE MARÇO DE 2004 e a Lei 12.015 de 2009, acrescentou o artigo 231 ao Código Penal Brasileiro. Esse artigo, porém, apenas tipifica o crime, não provendo nenhuma proteção à vítima do tráfico internacional de pessoas, nem a sua família, mesmo em casos de extremo perigo e necessidades de proteção da identidade e proteção de testemunhas etc.

Entretanto, com o fim da CPI do tráfico de pessoas da Câmara dos Deputados, foram propostos diversos projetos de lei que estão tramitando naquela casa que visam coibir a prática do tráfico de pessoas e punir os algozes.

 

Conclusão

 

Por fim, mesmo compreendendo que o tráfico internacional de pessoas tem origem históricas e, percebendo os esforços dos estados para tentar diminuir práticas tão perversas que ultrapassam fronteiras, entendemos que deva haver um esforço adicional de toda a sociedade, não só dos legisladores, promotores, juízes, policiais, investigadores, órgão transnacionais, buscando cumprir a Convenção e o Tratado de Palermo, como também, parafraseando a Drª Thais de Camargo Rodrigues, há necessidade do envolvimento dos meios de comunicação, das escolas, professores, pais e toda a sociedade na edução das crianças para formá-las e nelas incutir o conhecimento para as livrar dos engodos dos aliciadores.

Uma tarefa que cabe a todos nós cidadãos de bem.

 

Bibliografia:

 

Protocolo de Palermo:

http://www.gddc.pt/cooperacao/materia-penal/textos-mpenal/onu/protocolotr%E1ficopt.pdf

 

Decreto nº 5017, de 12 de março de 2004 recepcionando o Protocolo de Palermo:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5017.htm

 

Declaração Universal dos Direitos Humanos:
http://www.dhnet.org.br/direitos/deconu/textos/integra.htm

 

Reportagem Direito e Globalização entrevistando a Drª Thaís de Camargo Rodrigues, autora do Livro: “Tráfico Internacional de Pessoas para Exploração Sexual – Ed. Saraiva

https://www.youtube.com/watch?v=N1gzxCjm6Sc

 

Trabalho de Pós-graduação Strito Sensu da Drª Thaís de Camargo Rodrigues na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

file:///home/augusto/Downloads/REDACAO_FINAL_Thais_de_Camargo_Rodrigues.pdf

 

Caso fictício baseado em casos reais que virou novela com nomes e locais trocados:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Salve_Jorge

 

Casos de tráfico internacional para fins de adoção ilegal:

http://noticias.r7.com/jornal-da-record/videos/trafico-de-pessoas-presidente-da-cpi-aponta-crime-contra-brasileira-17102015

 

https://www.facebook.com/pessoasdesaparecidasBR/posts/617947998254445

 

http://blogdomardem.blogspot.com.br/2014/05/jovem-francesa-traficada-quando-crianca.html

 

http://blogdomardem.blogspot.com.br/2014/08/jovem-francesa-traficada-quando-crianca.html

 

Desaparecimento de pessoas – casos correlatos

http://centraldecriancasdesaparecidas.blogspot.com.br/2015/11/instituto-impar.html

 

https://plus.google.com/+SandraMorenoaninha/posts/Wj6J7TsA373

 

http://www.maesdase.org.br/Paginas/default.aspx

 

https://www.facebook.com/pessoasdesaparecidasBR/posts/617947998254445

 

http://www.pm.sc.gov.br/desaparecidos/

 

http://www.pm.sc.gov.br/noticias/sos-desaparecidos-policia-militar-cria-programa-para-auxiliar-na-busca-de-pessoas-desaparecidas.html

 

 

CPI do Tráfico de Pessoas da Câmara dos Deputados Federais

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/SEGURANCA/468369-TRABALHO-FINAL-DA-CPI-DO-TRAFICO-DE-PESSOAS-PROPOE-LEIS-MAIS-RIGOROSAS.html

 

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITOS-HUMANOS/467892-VOTACAO-DO-RELATORIO-FINAL-DA-CPI-DO-TRAFICO-DE-PESSOAS-FICA-PARA-O-DIA-20.html

 

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=611445

 

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/SEGURANCA/468388-PROPOSTA-AMPLIA-CARACTERIZACAO-E-PUNICOES-PARA-TRAFICO-DE-PESSOAS.html

 

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/SEGURANCA/468392-ADOCAO-INTERNACIONAL-NAO-PODERA-SER-INTERMEDIADA-POR-PESSOA-FISICA.html

 

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=604107

 

Núcleos de Enfrentamento do Tráfico de Pessoas

http://sistema3.planalto.gov.br/spmu/atendimento/busca.php?uf=TD&cod=11

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Francisca Pereira Dias) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados