JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Sistema Prisional e a Liberdade Provisória


Autoria:

Hiram Bandeira Pagano


cursando o 10º semestre de direito , com inumeros cursos na area penal, participando de juris.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

TIPOS PENAIS OBSOLETOS E FALHAS TÉCNICAS LEGISLATIVAS À LUZ DA CONSTITUIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS

SUSPENSÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA DURANTE O PARCELAMENTO DO DÉBITO

O Garantismo Penal na Execução Provisória da Sentença

PEDOFILIA E ESTUPRO DE VULNERÁVEL: A TÊNUE LINHA QUE SEPARA O FATO TÍPICO DA PSICOSSEXUALIDADE ANÔMALA.

O Processo Penal no Campo das Nulidades - Artigo 8

POLÍTICAS NO BRASIL NA CARTOGRAFIA DA REVITIMIZAÇÃO INFANTIL: ações à criança e do adolescente na defesa contra a violência sexual

AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS PECUNIÁRIAS

A ADPF nº 130-7 e a Lei de Imprensa: implicações quanto à nova interpretação

O instituto da legitima defesa como causa de excludente de ilicitude nos casos de morte do agressor decorrente de ação policial

EXECUÇÃO CRIMINAL

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 29/07/2009.

Última edição/atualização em 30/07/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Concessão da liberdade provisória e a super lotação dos presídios

 

O Brasil, um pais continental com aproximadamente 200.000.000 de habitantes, uma das 10 maiores economias do planeta, com aspirações a uma cadeira no Conselho de Segurança da ONU, intenção de se tornar lider na América Latina, não dá a menor atenção ao seu sistema carcerário.

 

No caso do Rio Grande do Sul, estado entre os 7 maiores da federação, mas com um sistema prisional falido, temos no maior presídio do Estado, O Presídio Central, localizado em Porto Alegre, nossa capital, onde uma população carcerária muitíssimo superior a capacidade socialmente suportável, convive em uma situação sub-humana, em selas sem higiene, com homens dormindo no chão de cimento, em celas projetadas para abrigar 10 pessoas, onde em verdade encontramos 50 seres humanos, tratados como se fossem animais.

O que temos, são verdadeiros depósitos de seres humanos, que devem para a justiça, mas não recebem desta o menor respeito, nenhuma chance lhes é dada, no sentido de recuperar-se para voltar ao convívio produtivo na sociedade.

Não é difícil, mudar o quadro atual, bastava; vontade política, determinação, comprometimento, criar patamares de motivação entre a população carcerária, através da possibilidade de formação profissional séria, criando oportunidades reais de aproveitamento de sua mão de obra, quando de volta a sociedade, sem a necessidade de voltar a delinqüir para poder sobreviver.

Mas temos dois tipos de detentos em nossos presídios;

 Aqueles com menor potencial ofensivo, e que estão privados de sua liberdade.

E aqueles que devem a sociedades por suas atitudes e atos comportamentais que os levaram a cometer infrações penais graves. E terão que pagar por elas, com a perda de sua liberdade.

Poderíamos criar inúmeras vagas, se aplicássemos corretamente o instituto da LIBERDADE PROVISÓRIA, dando mais qualidade de vida aos que realmente precisam ter sua liberdade cerceada, em virtude das dividas que tem para com a sociedade.

 

O Código de Processo Penal, em seus arts. 323 e 324, estabelece quais infrações penais são inafiançáveis, devendo-se acrescentar, ainda, as proibições contidas na Constituição Federal e em leis especiais.

 

Assim, não será concedida Liberdade Provisória:

 

a) nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a dois anos;

b) nas contravenções penais de vadiagem e mendicância (arts.59 e 60 da Lei de Contravenções Penais);

c) nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade, se o réu já tiver sido condenado por outro crime doloso, em sentença transitada em julgado (reincidente em crime doloso);

d) se houver prova, no processo, de ser o réu vadio;

e) nos crimes punidos com reclusão,que provoquem clamor público ou que tenham sido cometidos com violência ou grave ameaça contra a pessoa;

f) ao réu que, no mesmo processo, tiver quebrado fiança anteriormente concedida ou infringido, sem justo motivo, quaisquer das obrigações a que se refere o art. 350 do CPP;

g) nos casos de prisão civil, disciplinar, administrativa ou militar;

h) ao que estiver no gozo de suspensão condicional da pena ou de livramento condicional, salvo se processado por crime culposo ou contravenção que admita fiança;

i) quando estiverem presentes quaisquer dos motivos que autorizem a decretação da prisão preventiva (art. 312 do CPP);

j) no crime de racismo (art. 5º, XLII, da Constituição Federal);

k) nos crimes hediondos e equiparados (art. 5º, XLIII, da Constituição Federal);

l) na ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático (art. 5º, XLIV, da Constituição Federal);

m) nos casos de intensa e efetiva participação em organizações criminosas (art. 7º da Lei nº 9.034/95);

n) o crime de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido,salvo quando a arma estiver registrada em nome do agente (art. 14, parágrafo único, da Lei nº 10.826/2003);

o) nos crimes de lavagem de dinheiro (art. 3º da Lei nº 9.613/98).

 

Portanto todos os casos que não estão contidos, no quadro acima apresentado, são suscetíveis de aplicação de medida profilática, ou seja liberdade provisória.

Este é nosso modesto entender, sobre o assunto apontado, e de grande atualidade.

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Hiram Bandeira Pagano) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados