JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Vícios Redibitórios


Autoria:

Elian Wanderley De França Sobrinha

Resumo:

O vício redibitório consiste em um defeito oculto, presente na coisa móvel ou imóvel, que não seria adquirida por terceiro, ou permanecendo com o objeto solicitaria o abatimento no valor, caso obtivesse conhecimento sobre o vício.

Texto enviado ao JurisWay em 13/02/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

VÍCIOS REDIBITÓRIOS E SUA APLICABILIDADE COM ESPECIFICIDADE JUNTO AO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA

 

            O vício redibitório consiste em um defeito oculto, presente na coisa móvel ou imóvel, que não seria adquirida por terceiro, ou permanecendo com o objeto solicitaria o abatimento no valor, caso obtivesse conhecimento sobre o vício.

            O novel Código Civil Brasileiro e o Código Civil de 1916, elencam em seus artigos 441 e 1.101, respectivamente:

“A coisa recebida em virtude de contrato comutativo pode ser enjeitada por vícios ou defeitos ocultos, que a tornem imprópria ao uso a que é destinada ou lhe diminuam o valor”.

            De grande valia são as palavras de Sílvio de Salvo Venosa ‘não é qualquer vício que se traduz em redibitório, senão aquele que torna a coisa imprópria para o uso colimado no contrato, ou diminua-lhe o valor’.

            Assim sendo, importa para o ordenamento jurídico que o vício tenha um certo grau de relevância capaz de proporcionar desvalorização do objeto, ou de forma mais grave, sua inutilização.

            Ao constatar o vício redibitório poderá o adquirente rejeitar a coisa, anulando o contrato ou, se preferir, manifestará oposição requerendo abatimento no preço. Para tanto, deverá utilizar-se da ação quanti minoris[1].

            Com o intuito de exemplificar temos por vícios redibitórios: defeitos em peças, ou em automóveis, como distorções de funcionamento, aquecimento excessivo, barulhos insuportáveis; em gado, doenças várias; em imóveis, inundações, desvios de terra; em móveis, existência de cupim, ou outra praga; em roupas, ou em tapetes, esgarçamento localizado do tecido, e outros[2].

            Pertinente mencionar que o vício redibitório, embora possua relação próxima, não se confunde com o erro, pois aquele tem por fundamento a obrigação do vendedor perante o adquirente de assegurar a ausência de defeitos ocultos que tornem o bem imprestável para a finalidade a qual se destina. Enquanto este, destina-se a vontade equivocadamente manifestada no mesmo instante do ato.

            Para fins de esclarecimento e aplicação do caso em concreto, faz-se necessário apresentar o esboço de uma especificidade a que o Superior Tribunal de Justiça se manifestou, in verbis:

RECURSO ESPECIAL. CIVIL. COMPRA E VENDA DE MAQUINÁRIO INDUSTRIAL. DECADÊNCIA DO DIREITO À REDIBIÇÃO NA VIGÊNCIA DO CCB/16. PRAZO DECADENCIAL DE 15 DIAS. ART. 178, § 2º, DO CCB/16. RECLAMAÇÃO EXTRAJUDICIAL. INTERRUPÇÃO DO PRAZO. PENDÊNCIA DE CONSERTO POR QUASE TRÊS ANOS. ALEGAÇÃO CONSIDERADA NÃO PLAUSÍVEL PELO TRIBUNAL 'A QUO'. INVERSÃO DO JULGADO. ÓBICE DA SÚMULA 7/STJ. AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO.

(AgRg no REsp 1341989/RS, Rel. Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, TERCEIRA TURMA, julgado em 12/02/2015, DJe 24/02/2015).

 

            O presente agravo regimental não recebeu provimento em razão da ausência de tempestividade para pleitear a resolução do vício redibitório, o que suscitou a decadência. Ainda, de maneira mais precisa e clara, restou prejudicado o direito do adquirente em requerer a reparação do dano, tendo em vista o decurso do tempo.

            Os prazos referentes ao período que se impetra a ação varia de acordo com o objeto que apresenta vício redibitório, para coisa móvel tem-se o prazo de 30 (trinta) dias e imóvel o prazo de 01 (um) ano.

            Em se tratando de objeto que a época do descobrimento do defeito já se encontrava na posse do adquirente, utiliza-se a metade do prazo comum. Sendo móvel são 15 (quinze) dias e imóvel 180 (cento e oitenta) dias.

            Outra possibilidade prevista no Código Civil faz referência ao prazo de garantia que o fornecedor traslada ao receptor. Dessa forma, ao objeto que é dada a garantia de 01 (um) ano e, após esse período obtem-se conhecimento de um vício, prorroga-se esse prazo para 30 (tinta) dias se móvel e 01 (ano) se imóvel.

            Para fins de conhecimento, seguem os artigos em comento:

Art. 445. O adquirente decai do direito de obter a redibição ou abatimento no preço no prazo de trinta dias se a coisa for móvel, e de um ano se for imóvel, contado da entrega efetiva; se já estava na posse, o prazo conta-se da alienação, reduzido à metade.

§ 1o Quando o vício, por sua natureza, só puder ser conhecido mais tarde, o prazo contar-se-á do momento em que dele tiver ciência, até o prazo máximo de cento e oitenta dias, em se tratando de bens móveis; e de um ano, para os imóveis.

§ 2o Tratando-se de venda de animais, os prazos de garantia por vícios ocultos serão os estabelecidos em lei especial, ou, na falta desta, pelos usos locais, aplicando-se o disposto no parágrafo antecedente se não houver regras disciplinando a matéria.

Art. 446. Não correrão os prazos do artigo antecedente na constância de cláusula de garantia; mas o adquirente deve denunciar o defeito ao alienante nos trinta dias seguintes ao seu descobrimento, sob pena de decadência[3].

Carlos Roberto Gonçalves, em sua obra Direito Civil Brasileiro – Contratos e Atos Unilaterais, afirma que:

“Em síntese, haverá cumulação de prazos, fluindo primeiro o da garantia convencional e, após, o da garantia legal. Se, no entanto, o vício surgir no curso do primeiro, o prazo para reclamar se esgota em trinta dias seguintes ao seu descobrimento.”[4]

O caso em comento diz respeito a uma máquina industriária, adquirida em 21/09/1999, no entanto, a primeira reclamação de vício ocorreu somente em 20/10/1999, perpassados os 15 (quinze) dias após a entrega do equipamento[5].

Insta salientar que o Código Civil de 1916, em seu artigo 178, consagra o mesmo entendimento mencionado no novel Código Civil, ipsis litteris[6]:

Art. 178. Prescreve:

...............................................................

§ 2º - Em quinze dias, contados da tradicção da coisa, a acção para haver abatimento do preço da coisa movel, recebida com vicio redhibitorio, ou para rescindir o contracto e rehaver o preço pago, mais perdas e damnos.”

Passados 03 (anos) de constantes demandas junto a Indústria de Máquinas Miotto Ltda., o Ag nº 1259404/RS (2009/0239995-1), autuado em 15/12/2009. Ao final, consagrou a R. Decisão, sob a inconteste fundamentação da prolação do prazo decadencial.

Por fim, o amparo presente à súmula 7[7] do Superior Tribunal de Justiça, em que consta a impossibilidade de reexame de prova em sede de Recurso Especial. Restando o improvimento do presente agravo regimental.

 

 

 

Referências Bibliográficas

 

CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO DE 1916. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03 / leis/L3071.htm > acessado em 13 de fevereiro de 2016, 01:23;

CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO DE 2002. http://www.planalto.gov.br/ccivil03/leis/ 2002/L10406. htm > acessado em 31 de outubro de 2015, 16:25;

BITTAR, Carlos Alberto. Curso de Direito Civil. Volume 1, p. 128;

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro. 10ª edição. Saraiva, 2013;

LUIZ, Antônio Filardi. Dicionário de Expressões Latinas. 2ª ed. Editora Atlas, SP. 2009;

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. AgRg no REsp 1341989(2012/0181330-3 de 24/02/2015) > acessado em 13-02-1016, 01:21;

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil. 7ª edição. Atlas, 2007.

 

 



[1] A coisa recebida em virtude de contrato pode ser enjeitada por vícios ou defeitos ocultos que a tornem imprópria ao uso a que é destinada, ou lhe diminuam o valor. É a linguagem do art. 1.101, CC. A isso se dá o nome de vícios redibitórios. Contudo, em vez de rejeitar a coisa, pode o interessado pedir abatimento do preço (art. 1.105, CP), mantendo assim o contrato. Essa ação para abater o preço é denominada quanti minoris. Pr,: “quânti minóris”. Dicionário de Expressões Latinas. Antônio F. Luiz, p. 248. 2ª Ed. Editora Atlas.

[2] Curso de Direito CivilCarlos Alberto Bittar, v. 1, p. 128.

[3] Código Civil Brasileiro de 2002.

[4] Direito Civil Brasileiro – Contratos e Atos Unilaterais, Carlos Roberto Gonçalves. 10ª Ed. 2ª Tiragem. Ed. Saraiva, 2013.

[5] Código Civil Brasileiro de 2002: “art. 445. O adquirente decai do direito de obter a redibição ou abatimento no preço no prazo de trinta dias se a coisa for móvel, e de um ano se for imóvel, contado da entrega efetiva; se já estava na posse, o prazo conta-se da alienação, reduzido à metade.”

[6]Superior Tribunal de Justiça. AgRg no REsp 1341989(2012/0181330-3 de 24/02/2015) https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/ documento/mediado/?componente=ITA&sequencial=1382791&num_registro=2012018133 0 3 &data=20150224&formato=PDF> acessado em 13-02-1016, 01:21.

[7] Superior Tribunal de Justiça. http://www.stj.jus.br/docs_internet/VerbetesSTJ_asc.pdf > acessado em 13/02/2016, 03:45.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Elian Wanderley De França Sobrinha) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2024. JurisWay - Todos os direitos reservados