JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

O Novo Refis e o perdão de dívidas


Autoria:

Marcos Vinícius Brito


MBA em Finanças-FGV, graduação em Administração e Ciências Contábeis e graduando em Direito

Telefone: 11 30873078


envie um e-mail para este autor

Resumo:

O Gov.Federal instituiu um novo parcelamento. Através deste, dívidas com a PGFN e a SRFB podem ser pagas com redução de penalidades e possibilidade de quitação em até 180 meses. Eis uma ótima chance para as empresas acertarem as contas com o fisco.

Texto enviado ao JurisWay em 13/07/2009.

Última edição/atualização em 16/07/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O Governo Federal, através da promulgação da lei 11.941/09, deu às empresas uma nova oportunidade de pagamento de débitos tributários, em fase de constituição ou constituídos, incluindo aqueles remanescentes de programas de parcelamentos rescindidos, a saber: o Refis do ano 2000, o Paes de 2003, o Paex de 2006, assim como os débitos oriundos de aproveitamentos indevidos de créditos do IPI na aquisição de matéria-primas, material de embalagem e produtos intermediários tributados com incidência de alíquota 0 (zero) ou não-tributados.

Pelo novo parcelamento poderão ser pagas ou parceladas as dívidas vencidas até 30 de novembro de 2008, de pessoas físicas ou jurídicas, consolidadas pelo sujeito passivo, com exigibilidade suspensa ou não, inscritas ou não em dívida ativa, consideradas isoladamente, mesmo em fase de execução fiscal já ajuizada, ou que tenham sido objeto de parcelamento anterior, não integralmente quitado, ainda que cancelado por falta de pagamento, a saber: os débitos inscritos em Dívida Ativa da União no âmbito da PGFN, os débitos decorrentes das contribuições sociais previstas nas alíneas a, b e c do parágrafo único do art. 11 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, das contribuições instituídas a título de substituição e das contribuições devidas a terceiros, assim entendidas outras entidades e fundos, administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil e os demais débitos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil.  

Dentre outras, as vantagens oferecidas pelo Fisco abrangem a redução de 100%, 80% e 60% das multas de mora e de ofício, caso os débitos sejam parcelados respectivamente em 30, 60 e 180 prestações mensais.

O devedor pessoa física ou jurídica pagará os débitos via parcelamento consolidado a partir da data indicada pelo sujeito passivo em prestação não inferior a R$ 50,00, no caso de pessoa física e R$ 100,00, no caso de pessoa jurídica. 

A nova lei de parcelamento autorizou também o parcelamento da COFINS das sociedades civis de prestação de serviços profissionais relativos ao exercício de profissão legalmente regulamentada a que se referia o Decreto-Lei no 2.397/1987 revogado pela Lei no 9.430/1996. 

O sujeito passivo pessoa física ou jurídica deve ficar atento aos dispositivos da nova lei, pois esta dispõe que a rescisão do parcelamento implica o cancelamento dos benefícios concedidos e a apuração automática do valor original do débito, com a incidência dos acréscimos legais, até a data da rescisão.

Uma outra observação que merece a devida atenção é a dispensa do pagamento dos honorários advocatícios em razão da extinção da ação no caso de o sujeito passivo possuir ação judicial em curso, na qual requer o restabelecimento de sua opção ou a sua reinclusão em outros parcelamentos, mediante a desistência da respectiva ação judicial e a renúncia a qualquer alegação de direito sobre a qual se funda a referida ação.

A mesma lei dá a remissão de débitos com a PGFN e com a Secretaria da Receita Federal do Brasil, decorrentes das contribuições sociais previstas nas alíneas a, b e c do parágrafo único do art. 11 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, das contribuições instituídas a título de substituição e das contribuições devidas a terceiros, assim incluídas outras entidades e fundos, dos demais débitos administrados pela PGFN e Secretaria da Receita Federal do Brasil, cujo valor, considerado separadamente, seja igual ou inferior a R$ 10.000,00.

Trata-se, portanto, de uma ótima oportunidade para acertar as contas com o fisco federal, concedida por este tanto às pessoas físicas quanto às jurídicas.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marcos Vinícius Brito) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Isabelle Serrano (19/11/2009 às 14:34:10) IP: 189.71.55.123
Prezado,
Para uma empresa desativada de fato, mas não de direito, que tem mais de trinta inscrições com REceita / Procuradoria, considerando que a mesma não tem condições de assumir o parcelamento para todos estes débitos e deseja parcelar apenas alguns (vinculados a apropriação indébita) é possível fazer a opção de parcelamento sem incluir todos as inscrições ?
Agradece antecipadamente
2) Denise (12/06/2010 às 11:43:19) IP: 201.66.40.167
É importante divulgar que o prazo para regularização junto a PGFN das dividas que serão parceladas e valor das parcelas vence em 30.06.2010. Já saiu a regulamentação.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados