JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

FÉRIAS COLETIVAS


Autoria:

Frederico Silva Hoffmann


Advogado Sócio do escritório Oliveira, Hoffmann & Marinoski - Advogados Associados - Especialista em Direito do Trabalho com foco prevenção de ações trabalhistas.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Para todos que possuem dúvida quanto às férias coletivas e tem interesse em saber como se deve proceder para concedê-las.

Texto enviado ao JurisWay em 12/11/2015.

Última edição/atualização em 27/11/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A concessão das férias coletivas é uma prerrogativa do empregador, podendo determinar a data de início e término.

 

A CLT traz algumas regras para que seja possível a concessão de férias coletivas aos empregados, porém estas regras devem ser seguidas de forma minuciosa para que as férias coletivas sejam consideradas válidas.

 

A primeira regra que deve ser observada é que as férias coletivas devem ser concedidas a todos os empregados da empresa, podendo também ser concedidas a um ou alguns estabelecimentos da organização de determinada região ou, ainda, a determinados setores específicos daquela empresa.

 

Cabe ressaltar que não há impedimento legal para que a empresa conceda férias coletivas apenas a um setor determinado, como, por exemplo, ao setor de produção e mantenha os demais setores trabalhando normalmente. Porém, para que não seja considerada ilegal, as férias devem ser concedidas a todos os empregados daquele setor.

 

Desta forma, se uma parcela do setor for agraciada com as férias e outros permanecerem trabalhando, as férias serão consideradas inválidas, uma vez que, neste caso, ficará caracterizada a concessão individual e não coletiva.

 

Há um segundo requisito de validade exigido pela CLT e pela doutrina majoritária estabelecendo que poderão ser gozadas em até dois períodos anuais distintos, desde que, nenhum deles, seja inferior a dez dias corridos, como disposto no Art. 139 da CLT.

 

Seguindo esta linha de raciocínio, serão inválidas as férias coletivas se inferiores a dez dias ou se concedidas em três ou mais períodos dentro de um lapso temporal de doze meses.

 

FORMALIDADES

O procedimento para concessão das férias coletivas prevê que o empregador deverá, com antecedência mínima de 15 dias, atender as seguintes formalidades:

 

- Comunicação a todos os empregados envolvidos no processo, devendo lançar avisos em editais nos locais de trabalho do setor abrangido, certificando-se de que todos tenham conhecimento.

 

- Comunicação ao órgão local do Ministério do Trabalho (DRT) – indicando o início e o final das férias, os setores ou estabelecimentos abrangidos pela concessão, salvo se tratar de ME ou EPP, consoante o disposto no art. 51, inciso V da Lei Complementar 123/2006;

 

- Comunicação ao Sindicato representativo da respectiva categoria profissional, da comunicação feita ao MTE;

 

ANOTAÇÕES

No momento da concessão das férias coletivas, o empregador deverá proceder às anotações devidas na Carteira de Trabalho e Previdência Social e no Livro ou Ficha de Registro de Empregados.

 

MULTA POR IRREGULARIDADE

Por ser uma prerrogativa do empregador, este deverá atentar-se ao atendimento de todas as determinações legais, sob pena de pagamento de multa por empregado em situação irregular.

 

SITUAÇÕES ESPECÍFICAS

- Aos empregados menores de 18 (dezoito) e maiores de 50 (cinquenta) anos de idade, as férias devem ser concedidas sempre de uma única vez. Portanto, havendo empregados enquadrados nestas condições, as férias não poderão ser divididas.

 

- Aos empregados contratados há menos de doze meses, ou seja, que não completaram ainda o período aquisitivo, ser-lhes-ão devidas férias proporcionais ao período trabalhado. Para estes empregados, o período aquisitivo de férias deverá ser alterado, iniciando o novo período na data do início das férias coletivas.

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Frederico Silva Hoffmann) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Flavia (08/12/2015 às 11:07:22) IP: 179.106.96.114
Não ficou claro no texto, se o empregador é obrigado a pagar por estas férias coletivas.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados