JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA 1 X 7 GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA 1 X 7 GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

Texto enviado ao JurisWay em 17/04/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA 1 X 7 GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

De maneira inédita no País, o Diário Oficial do último dia 16 de Abril publicou a Lei Estadual nº 10.358, sancionada pelo Senhor Governador Paulo Cesar Hartung Gomes, criando mecanismos de inibição da violência contra a mulher no Espírito Santo, por meio de multa contra o Agressor, em caso de utilização pela vítima de serviços prestados pelo Estado.

 

Dentro de sua generosa competência legiferante residual, autorizada pela Constituição Federal, em seu §1º, do Art. 25 (“São reservadas aos Estados as competências que não lhes sejam vedadas por esta Constituição”), a Lei Estadual nº 10.358/2015 é constitucionalíssima. Mais do que isto, é salvífica.

 

Pelo novo Diploma Estadual, toda vez que os serviços prestados pelo Estado de modo geral, por Órgãos ou Agentes Públicos, forem acionados para atender mulher ameaçada ou vítima de violência doméstica ou familiar, será aplicada multa contra o Agressor.

 

Deixando claro que o enfrentamento à violência doméstica é um desejo e dever (!) de todos – família, sociedade e Poder Público – , a Lei Estadual nº 10.358/2015 estabelece que o acionamento dos serviços públicos para fazer cessar a investida do Agressor contra sua indefesa Vítima poderá ser solicitado por qualquer do povo que tiver conhecimento da violência.

 

 

De modo expresso, a Lei Estadual nº 10.358/2015 considera acionamento de serviço público, para efeito de aplicação da multa, todo e qualquer deslocamento ou serviço efetuado por Agentes e Órgãos Públicos, para providenciar assistência de qualquer natureza à Vítima, entre os quais: serviço de atendimento móvel de urgência; serviços de identificação e perícia (exame de corpo delito); serviço de busca e salvamento; serviço de policiamento; serviço de polícia judiciária; e, requisição de botão do pânico.

 

Será considerada violência contra a mulher, para efeitos da Lei capixaba, os delitos estabelecidos na legislação penal (lesão corporal, tentativa de homicídio, cárcere privado, estelionato etc) e, em especial, os previstos nos Arts. 5º e 7º da Lei Maria da Penha (violência física, psicológica, sexual, patrimonial e moral).

 

A fixação do valor e do procedimento para a aplicação da multa serão definidos pelo Poder Executivo Estadual, num prazo de 120 dias a contar da publicação da Lei Estadual nº 10.358. Esses valores recolhidos por meio das cobranças deverão ser revertidos em políticas públicas voltadas à redução da violência contra a mulher no Estado do Espírito Santo. Espera-se que seu arbitramento pelo Executivo seja em valores desencorajadores, desestimulando o Agressor doméstico.

 

Em razão da presunção de legitimidade que se confere aos atos administrativos e da independência das instâncias administrativa, cível e criminal, sempre será desnecessária a suspensão do procedimento administrativo de lançamento da multa para aguardar o desfecho dos fatos paralelamente na esfera criminal, podendo a multa de que trata a Lei Estadual nº 10.358/2015 ser aplicada desde que verificada a violência doméstica e acionados os serviços públicos correlatos, garantido o contraditório na esfera administrativa.

 

_______________________ 

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados