JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A DEFENSORIA PÚBLICA QUE O POVO ESPERA NO ANO DE 2015


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Efeito repristinatório indesejado

Resenha do livro "PARA UMA REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA DA JUSTIÇA" de Boaventura de Sousa Santos

O DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE COMO COMPROMISSO DE TODOS NÓS

A agregação da comarca de Afonso Bezerra à comarca de Angicos à luz da garantia da plenitude do acesso à justiça

MUNICÍPIOS BRASILEIROS. NATUREZA DE ENTE FEDERATIVO?

A técnica da lei "ainda constitucional"

A TRIPARTIÇÃO DOS PODERES NOS ESTADOS DEMOCRÁTICOS DE DIREITO

DEFENSORIA PÚBLICA DEVE ATUAR EM FAVOR DE PESSOA JURÍDICA EM CRISE

Breves considerações acerca da Decisão do Supremo Tribunal Federal na ADI 3148-TO à luz da teoria geral do controle de constitucionalidade e dos planos de existência, validade e eficácia do ato normativo

A INVASÃO DO TELEMARKETING E SUAS CONSEQUÊNCIAS

Mais artigos da área...

Resumo:

A DEFENSORIA PÚBLICA QUE O POVO ESPERA NO ANO DE 2015

Texto enviado ao JurisWay em 09/11/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A DEFENSORIA PÚBLICA QUE O POVO ESPERA NO ANO DE 2015

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Diz o Art. 134 da Constituição Federal: “A Defensoria Pública é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe, como expressão e instrumento do regime democrático, ‘fundamentalmente’, a orientação jurídica, a promoção dos direitos humanos e a defesa, em todos os graus, judicial e extrajudicial, dos direitos individuais e coletivos, de forma integral e gratuita, aos necessitados, na forma do inciso LXXIV do art. 5º desta Constituição Federal” (destaquei).

 

Como se vê, a expressão “fundamentalmente” não guarda nenhuma relação com o que seja exclusivo, singular ou insular. O Dicionário Eletrônico Priberam assim define o advérbio “fundamentalmente”: “1. De modo fundamental; 2. Na maioria; na maior parte. 3. Em relação ao que é mais importante; no que é fundamental. 4. Essencialmente”.

 

Destarte, o texto constitucional optou por definir de antemão o que seja precípuo às finalidades da Defensoria Pública: a tutela dos necessitados. Conferindo ao Congresso Nacional, em sede de legislação infraconstitucional, a incumbência de estabelecer as atribuições legais daquela Instituição para além daquela já estabelecida na Constituição (e de modo fundamental).

 

Claro que o Parlamento brasileiro deverá conferir à Defensoria Pública atribuições extraídas a partir dos fundamentos e objetivos da República Federativa do Brasil, enquanto Estado Democrático de Direito, já expressamente consignados nos Arts. 1º e 3º da Constituição. E não apenas em sede judicial, prestigiando-se a atuação extrajudicial da Defensoria Pública como fator de alívio e desobstrução do Poder Judiciário.

 

E a sociedade contemporânea reclama por esse maior alcance e plasticidade da Defensoria Pública. A tutela do meio ambiente (fauna e flora), o combate à corrupção e à improbidade em todas as esferas de governo, a proteção dos usuários de serviços públicos direta ou indiretamente prestados pelo Poder Público, a questão da homofobia, o auxílio às manifestações de massa nas ruas etc, devem permear e sensibilizar Deputados Federais e Senadores no Ano de 2015, na elaboração de leis que outorguem à Defensoria Pública legitimidade para esses anseios populares.

 

O fortalecimento das Defensorias Públicas Estaduais e da União tem sido a tônica do primeiro mandato da Senhora Presidenta Dilma Rousseff. A resposta do povo veio das urnas, que a reelegeu para um próximo mandato. Próximo mandato esse que poderá consagrar de uma vez por todas a Defensoria Pública como uma Instituição ímpar na defesa dos direitos humanos e do Estado Democrático de Direito.

 

_____________

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2024. JurisWay - Todos os direitos reservados