JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

GFIP DEPÓSITO RECURSAL


Autoria:

Marcondes Silva De Sá

Outros artigos do mesmo autor

FÉRIAS
Direito do Trabalho

AMOR
Desenvolvimento Pessoal

SALARIO COMPLESSIVO
Direito do Trabalho

SERVIÇO PÚBICO E SUAS DIFERENTES CATEGORIAS
Direito Administrativo

Texto enviado ao JurisWay em 26/05/2014.

Última edição/atualização em 02/06/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

GFIP – DEPÓSITO RECURSAL

 

No Direito Trabalhista brasileiro, como em geral todos tem  direito a uma segunda opinião a cerca do pleito. Tendo indeferido o seu pedido ou sendo condenado na esfera de 1° grau, o cidadão tem como alternativa os recursos para a segunda instancia, elencados na CLT (Do artigo 893 ao 902).

Ocorre que o reclamado tendo vínculo com o reclamante além de preencher os requisitos para impetrar o recurso, também tem que preencher o requisito do depósito recursal por meio da guia de GFIP. (Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social).

No ato do preparo do recurso, o advogado precisa lembrar que  não basta apenas pagar o valor do recurso para que tenha seu recurso conhecido, porque do contrario quando o recurso subir, este não passará pelo filtro de admissibilidade realizado pelo tribunal, antes de adentrar ao mérito, causando assim irreparável prejuízo a parte recorrente, pois esta ainda pode recorrer ao agravo da decisão de deserção do recurso, entretanto dificilmente terá outra decisão favorável, porque o vício esta no preparo, na forma incorreta em que foi realizado o deposito recursal.   

 

Data de publicação: 25/10/2013

Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. DESERÇÃO. DEPÓSITO RECURSAL EFETUADO NA GUIA DE DEPÓSITO JUDICIAL TRABALHISTA. INVALIDADE. O Tribunal Pleno desta Corte, em sessão realizada em 23/05/2011, editou a Súmula nº 426, consolidando o entendimento de que é obrigatória a utilização da guia GFIP na hipótese em que existe vínculo de emprego entre as partes, in verbis: - DEPÓSITO RECURSAL. UTILIZAÇÃO DA GUIA GFIP. OBRIGATORIEDADE. Nos dissídios individuais o depósito recursal será efetivado mediante a utilização da Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social - GFIP, nos termos dos §§ 4º e 5º do art. 899 da CLT , admitido o depósito judicial, realizado na sede do juízo e à disposição deste, na hipótese de relação de trabalho não submetida ao regime do FGTS-. Nesse contexto, inviabiliza-se o processamento do recurso de revista, visto que a decisão denegatória do recurso se encontra em sintonia com a atual e notória jurisprudência sumular do TST, nos termos do artigo 896 , § 4º , da CLT e da Súmula nº 333 do desta Corte. Agravo de instrumento desprovido.

 

Recentemente decisão tem tratado do tema:

ACÓRDÃO - TRT 17ª Região - 0109800-38.2013.5.17.0121

RECURSO ORDINÁRIO

Relatora:

DESEMBARGADORA WANDA LÚCIA COSTA LEITE FRANÇA DECUZZI EMENTA DEPÓSITO RECURSAL EFETIVADO MEDIANTE GUIA IMPRÓPRIA E DISTINTA DA GFIP. DESERÇÃO. OCORRÊNCIA.

Nos termos da Súmula 426 do TST, nos dissídios individuais, o depósito recursal será efetivado mediante utilização da Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social – GFIP, nos termos dos §§ 4º e 5º do art. 899 da CLT, razão pela qual deve ser reputado deserto o recurso quando for utilizada guia imprópria.

         JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE

Não conheço do recurso ordinário empresarial, porque deserto.

Consoante se observa dos documentos de fls. 72 e fls.72-verso, os valores depositados a título de custas e depósito recursal foram efetuados mediante guias impróprias, quais sejam -- “Guia para Depósito Judicial Trabalhista --, quando deveria ter se utilizado a GRU e a GFIP (Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social), respectivamente”.

Em relação ao equívoco quanto ao modo de realizar o depósito recursal, esta relatora entendia não haver obstáculo ao conhecimento do apelo, com base no princípio da instrumentalidade das formas e em decisão proferida pela 8ª Turma do TST (TST-RR- 115640-96.2007.5.17.0005, Relatora: Ministra Dora Maria da Costa, 8ª Turma do TST, por unanimidade, em 03.03.2010, publicado no DJU de 05.03.2010).

Ocorre que o Tribunal Pleno do TST, no julgamento do Incidente de Uniformização de Jurisprudência de autos n.º 91700- 09.2006.5.18.0006, decidiu aprovar tese jurídica no tocante à obrigatoriedade, em regra, de o depósito recursal realizar-se pela guia GFIP e editar Súmula sobre o tema.

A Súmula em comento, Súmula 426, recebeu a seguinte redação:

SUM-426 DEPÓSITO RECURSAL. UTILIZAÇÃO DA GUIA GFIP.

OBRIGATORIEDADE (editada em decorrência do julgamento do processo TST-IUJEEDRR 91700-09.2006.5.18.0006) - Res.

174/2011, DEJT divulgado em 27, 30 e 31.05.2011 Nos dissídios individuais o depósito recursal será efetivado mediante a utilização da Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social – GFIP, nos termos dos §§ 4º e 5º do art. 899 da CLT, admitido o depósito judicial, realizado na sede do juízo e à disposição deste, na hipótese de relação de trabalho não submetida ao regime do FGTS.

 

Isto posto importante frisar que a consequência do equivoco no ato de efetivar o deposito recursal por meio da GFIT, leva o recurso a ser considerado deserto, não tendo a parte recorrente alternativa somente agravar e aguardar outra decisão que possivelmente não será diferente, visto que a primeira segue em consonância com a lei vigente.

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marcondes Silva De Sá) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados