JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Recolhimentos previdenciários e fiscais sobre acordo na Justiça do Trabalho


Autoria:

Rogerio Silveira De Lima


Advogado - Universidade Cidade de São Paulo; Pós Graduado Direito Previdenciário - EPDS; Contador - Instituto Santanense de Ensino Superior; Sócio em Colligare Perícias e Cálculos Judiciais Mais de 10 anos de experiência nas áreas jurídica e contábil

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O MÚTUO CONSENSO PARA AJUIZAMENTO DO DISSÍDIO COLETIVO DE NATUREZA ECONÔMICA

Assédio Moral No Ambiente do Trabalho

DISPENSA DE PROVA PERICIAL QUANDO DE PAGAMENTO DE ADICIONAL DE PERICULOSIDADE POR MERA LIBERALIDADE TRAZIDA PELA OJ 406 DO SDI-1.

Pejotização e a precarização das relações de emprego

REFERÊNCIAS, UM OBSTÁCULO ao EXERCÍCIO DO DIREITO TRABALHISTA.

Justa Causa na Esfera Trabalhista

NORMAS INTERNACIONAIS DE PROTEÇÃO AO TRABALHO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E REPRESSÃO AO TRABALHO ESCRAVO

Teletrabalho: uma garantia de direitos ao empregado e uma solução à crise do empresário

Dano Extrapatrimonial na Justiça do Trabalho - Qual vida vale mais?

JUSTIÇA DO TRABALHO: PRESTAÇÃO JURISDICIONAL RÁPIDA, PORÉM, DENTRO DA LEGALIDADE

Mais artigos da área...

Resumo:

É devida contribuição sobre o valor objeto do acordo, observados os critérios legais e a discriminação das parcelas, que devem guardar relação com as verbas pleiteadas e deferidas nos autos.

Texto enviado ao JurisWay em 09/05/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Dentre as formas de encerramento da discussão judicial, a conciliação – ou acordo – é uma das formas mais rápidas de por fim ao processo, sendo esta muito utilizada pela justiça do trabalho.

Com efeito, a legislação trabalhista possibilita a realização de acordo a qualquer momento, sendo certo que a CLT é expressa em seu art. 764, ao afirmar que os dissídios – individuais ou coletivos – sempre estarão sujeitos à conciliação.

Na prática forense verifica-se que o Juiz, na condução do processo trabalhista e objetivando maior celeridade processual, incentiva a composição entre as partes. Tal procedimento encontra respaldo na legislação celetista, mais precisamente nos art. 846 e 850 da CLT, que permitem a realização do acordo quando da realização da audiência inicial, ou ainda na audiência de instrução:

"Art. 846 - Aberta a audiência, o juiz ou presidente proporá a conciliação.

(...)

Art. 850 - Terminada a instrução, poderão as partes aduzir razões finais, em prazo não excedente de 10 (dez) minutos para cada uma. Em seguida, o juiz ou presidente renovará a proposta de conciliação e não se realizando esta, será proferida a decisão."

Mesmo após a prolação da sentença, ou ainda, já na fase de execução e apresentados cálculos de liquidação do julgado, podem as partes firmar acordo no qual mutuamente convencionam os valores a serem pagos, a forma de pagamento e, ainda, os títulos a serem pagos. Tal afirmativa encontra respaldo no § 6ª, do art. 832 da CLT, com redação dada pela Lei 11.457/07:

“Art. 832 - Da decisão deverão constar o nome das partes, o resumo do pedido e da defesa, a apreciação das provas, os fundamentos da decisão e a respectiva conclusão.

(...)

§ 6º O acordo celebrado após o trânsito em julgado da sentença ou após a elaboração dos cálculos de liquidação de sentença não prejudicará os créditos da União.”

A partir daí grande discussão surgiu no âmbito jurídico – e contábil – quanto ao recolhimento previdenciário, uma vez que a redação do § 6ª do art. 832 da CLT afirmava que o acordo firmado após a prolação da sentença meritória não poderia afetar o crédito previdenciário que já estaria constituído pela decisão proferida pelo juiz, motivo pelo qual, independentemente do valor objeto do acordo as contribuições previdenciárias incidiriam sobre as parcelas e verbas deferidas em sentença.

Em contraponto, havia o entendimento de que a contribuição previdenciária deveria incidir sobre os valores efetivamente pagos, uma vez que o fato gerador de incidência da contribuição previdenciária é o pagamento de valores alusivos a parcelas de natureza remuneratória (salário de contribuição).

Tempo depois, objetivando solucionar o suposto conflito, veio à lume a Lei 11.941/09, que introduziu o § 5ª ao art. 43 da Lei 8.212/91, assim especificando:

“Art. 43. Nas ações trabalhistas de que resultar o pagamento de direitos sujeitos à incidência de contribuição previdenciária o juiz, sob pena de responsabilidade, determinará o imediato recolhimento das importâncias devidas à Seguridade Social.

(...)

§5º Na hipótese de acordo celebrado após ter sido proferida decisão de mérito, a contribuição será calculada com base no valor do acordo.”

Ainda assim, surgiram dúvidas e questionamentos quanto à efetiva base de cálculo de apuração das contribuições previdenciárias em casos de celebração de acordo, o que levou o Tribunal Superior do Trabalho (“TST”), em Abr/2010, a editar a Orientação Jurisprudencial nª 376:

“OJ-SDI-I - 376. Contribuição Previdenciária. Acordo homologado em juízo após o transito em julgado da sentença condenatória. Incidência sobre o valor homologado.

É devida a contribuição previdenciária sobre o valor do acordo celebrado e homologado após o trânsito em julgado de decisão judicial, respeitada a proporcionalidade de valores entre as parcelas de natureza salarial e indenizatória deferidas na decisão condenatória e as parcelas objeto do acordo.”

Feitas tais considerações, passamos a analisar mais detidamente o procedimento a ser adotado para a apuração dos valores devidos a título de contribuições previdenciárias e fiscais incidentes sobre o acordo firmado na justiça do trabalho.

Contribuição Previdenciária – INSS

Em se tratando de acordo trabalhista, o cálculo da contribuição social seguirá os critérios dispostos no art. 43 da Lei nª 8.212/91, no art. 276 do Decreto nª 3,048/99 e na Instrução Normativa MPS/SRP nº 03/05 no período agosto/05 a out/09 e Instrução Normativa RFB nº 971/09, a partir de novembro/09.

Se não houver discriminação das verbas que compõem o montante do acordo, a contribuição incide sobre o total da avença, conforme disposto no § 1ª, do art. 43, da Lei nª 8.212/91, acrescentado pela Lei 11.941/09 e Dec. nª 3.048/99, art. 276, § 2º, OJ SDI-1 nº 368/TST e IN/RFB nº 971/09, art. 102.

O Dec. 3.048/99 prevê, ainda, no § 3º do art. 276, que não pode ser considerada como discriminação de parcelas legais de incidência de contribuição previdenciária, a fixação de percentual de verbas remuneratórias e indenizatórias constantes dos acordos homologados.

Como citado anteriormente, até a edição da Lei nª 11.941/09, DOU 28/05/09, na hipótese do acordo ter sido celebrado após o trânsito em julgado da sentença ou após a elaboração dos cálculos de liquidação, a contribuição social era apurada sobre as verbas salariais indicadas na sentença ou sobre os cálculos homologados, visto que nos termos do § 6º do art. 832, da CLT, acrescentado pela Lei nª 11.457/06, o acordo após o trânsito em julgado da sentença ou após a elaboração dos cálculos não prejudicaria os créditos da União.

Porém a Lei nª 11.941/09 alterou tal entendimento, acrescentando o § 5º ao art. 43 da Lei nª 8.212/91 e dispondo que na hipótese de acordo celebrado após ter sido proferida decisão de mérito, a contribuição deverá ser apurada com base no valor acordado. A mudança proporcionada pela Lei nª 11.941/09 facilitou a elaboração dos cálculos, principalmente nos casos de sentenças não líquidas e processos sem cálculos homologados, onde não há quantificação da base de cálculo da contribuição social.

A discriminação das parcelas objeto do acordo deve guardar relação com as verbas pleiteadas e deferidas nos autos.

Contribuição cota reclamante

Para cálculo da contribuição previdenciária cota reclamante, havendo ou não discriminação das parcelas que compuseram o acordo, observar-se-á a tabela de salário de contribuição vigente na época do pagamento das parcelas para o cálculo da contribuição social incidente sobre o acordo.

Contribuição cota empregador

Já a contribuição do empregador é calculada aplicando os percentuais devidos pela empresa, de acordo com o seu enquadramento (“SAT/RAT”), sobre as parcelas do acordo.

Caso o acordo seja firmado, sem reconhecimento de vínculo empregatício, a contribuição previdenciária, na hipótese de mera extinção de relação jurídica havida entre as partes, abrangia até Março/03 somente a cota patronal, não havendo contribuição previdenciária cota reclamante.

A alíquota da contribuição previdenciária cota reclamada incidente sobre o total do acordo ou sobre o valor de cada parcela – quando o acordo for quitado em parcelas – era de 15% até Fevereiro/00 e de 20% a partir de Março/00, de acordo com o disposto no inciso III do art. 22, da Lei nª 8.212/91, acrescentado pela Lei nª 9.376/99.

Se a reclamada optante pelo SIMPLES ou entidades beneficentes de assistência social e não havendo o reconhecimento de vínculo empregatício, nada era devido a título de contribuição previdenciária, nos termos dos §§ 1º e 2º, da Lei nª 9.317/96 e do art. 201, § 7º, do Dec. nª 3.048/99 para as primeiras e art. 55 da Lei nª 8.212/91 em relação às segundas.

Para as empresas em geral, a alíquota a ser descontada do crédito do prestador de serviços, observando o limite máximo do salário de contribuição, é de 11% sobre o total da remuneração devida, paga ou creditada ao contribuinte individual, e de 20% quando se tratar de entidade beneficente de assistência social isenta das contribuições sociais patronais. Dessa forma, o total a ser recolhido pelas empresas em geral corresponde a 11% acrescidos de 20% referente à cota do empregador. Lembrando sempre que os 11% descontados do contribuinte individual estão limitados ao teto máximo.

Imposto de Renda Retido na Fonte – IRRF:

O cálculo do imposto de renda é efetuado sobre cada uma das parcelas do acordo pagas em meses distintos, observando a discriminação das parcelas componentes do acordo e as tabelas para apuração do imposto vigentes nos meses dos pagamentos.

Há que se observar que se não houver discriminação das parcelas que compuseram o acordo, o imposto de renda incide sobre o total da avença, nos exatos termos do que dispõe o art. 28, §2º da Lei 10.833/03.

A Lei nº 7.713/88, em seu artigo 12-A, estabelece regime especial de tributação, contudo, para que se enquadre a apuração nessa sistemática é necessário que o acordo contenha:

a)   _ o valor de todas as parcelas salariais e indenizatórias objeto do acordo e a que título se referem, ou;

b)  _ a indicação que as parcelas acordadas referem-se àquelas constantes no pedido inicial ou deferidas pela sentença, desde que líquido o pedido ou o comando sentencial.

Indicando o acordo, tão somente uma quantia fixa como parcela salarial ou indenizatória, sem individualizar a que títulos se referem, não é possível a apuração do imposto pela regra do art. 12-A da Lei nº 7.713/88, uma vez que ausente parâmetro para determinar as verbas referentes ao pagamento e o respectivo período.

Deve-se observar, ainda, se há parcelas do acordo quitadas dentro do mesmo mês. Isto porque, em havendo pagamento no mesmo mês, o cálculo deve ser efetuado com base no total pago no mês. As parcelas pagas dentro do mesmo mês deverão ser somadas para formarem a base de cálculo do IR naquele mês.

Para apuração do imposto, de acordo com o disposto no art. 10, da Instrução Normativa da Receita Federal do Brasil nº 1.127/2011, que trata do recebimento de rendimentos acumulados, no mesmo mês, o valor da parcela atual será acrescentado ao total das parcelas pagas anteriores, devendo ainda, ser identificado o número de meses a que se referem o valor tributável pago e rateá-lo pelas parcelas do acordo.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Rogerio Silveira De Lima) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados