JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

ÉTICA PLATÔNICA


Autoria:

Silvana Dantas Britto


Estudos Sociais, Pedagogia e Direito

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Platão estabelece uma hierarquia das idéias e o lugar surpremo está reservado ao bem, de todas as idéias é a mais valiosa, por isso das ciências a mais nobre a ser ensinada, pois dela dependerão todas as virtudes num idealismo moral intenso e justo

Texto enviado ao JurisWay em 31/03/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

INTRODUÇÃO

 

      Dentre todos os acontecimentos trágicos vivenciados nos jornais do nosso cotidiano, como homicídios bárbáries de vários tipos, assaltos, pessoas com envolvimento em drogas, entre outros, surge um questionamento: Onde estamos errando? como a sociedade pode resolver esses problemas? Qual a importância da política nesse contexto?

      No meio de tanta insegurança e dúvida o cidadão se encontra perdido entre o certo, o bem e o mau, e assim a cociedade caminha sem saber onde encontrará a luz da verdade. O que se discute nesse artigo é exatamente isso, a necessidade do "ressurgimento" da ética no meio social.

      Discursos sobre ética não faltam, mas as atitudes não caminham juntas com esses discursos, principalmente no meio político. As pessoas começaram a perder a esperança na palavra ética, usada constantemente no tempo atual, mas sem demonstrações de resultados, o que banalizou o termo ético no Brasil, como também, justiça, liberdade, igualdade, solidariedade e direitos humanos. Com a descrença do brasileiro nos termos citados, surge a desconfiança, o que acaba causando um incômodo. E há quem chegue a exprimir desconforto físico ao ouvir a palabra ética.

      Uma desconfiança que se reflete nos dias de hoje nos termos de segurança quando as pessoas em suas resid~encias colocam câmaras, cerca elétrica. Nas empresas com crachá, e quando dentro da própria não pode entrar em outro setor. A partir do momento que tudo passa a ser monitorado  para garantir a segurança, que na verdade é a representação do medo, observamos o quanto a moral está desvalorizada. Pois, antigamente nas escolas os alunos respeitavam os professores porque eram os ensinamentos que recebiam no seu cinho familiar e não se achava necessário câmeras em sala de aula. E hioje está se fazendo necessário para monitorar o comportamento e o coibir a cometer qualquer atirude contra a ética social. E por tudo isso faz necessário reconhecer a ÉTICA, em toda a sua compreensão. A humanidade vem caminhando para a perda dos valores morais. O que torna não mais a questão de sensatez e sem de sobrevivência. Pois, o que favorece reconhecer a dignidade da pessoa, previsto como princípio fundamental da República, se a conduta pessoal não se pauta por ela. A derrocada dos valores fez surgir sequelas gravíssimas. O terror na sociedade se alastra com fam´lias atingidas pelas drogas dentro dos seua lares, e os destruindo. Os conflitos fundiários se intensificam. A intolerância ataca minorias e o fanatismo ocupa o vazio fabricado por uma educação em crescente déficit.

      O Poder Público mostra-se ineficiente na sua atuação em todos os setores da vida do cidadão. As famílias já não estão sendo capazes de propagarem a transmissão dos valores cidadãos e acabam passando para as escolas essa obrigação que a família deixou de realizar, no entqanto, nas escolas também não conseguem ter esse controle. A religião com simpatizantes sem nenhum compromisso com a crença. O que alastra a falta de esperança das pessoas. A car~encia ética permeia uma sociedade cada vez mais egoísta, materialista e consumista.

      E dentre, tudo isso surge a importância que toda pessoa exerça a sua responsabilidade indivicual, cidadã e social. E esse é o papel da ética atualmente.

 

ÉTICA

 

      Há quem não distinga ética de moral. No entanto, a palavra ética vem do grego e significa costumes e a palavra moram vem do latim com o mesmo significado. O que não deixa de ser importante a conceituação dos dois. A ética é a ciência dos costumes, já a moral é o objketo da ciência. E, como ciência a ética procura extrair dos fatos morais os princípios gerais a eles aplicáveis, ou seja, a ética veste um conteúdo mais teórico que a moral.

      O conteúdo da ética mostra os valore e princípios que norteiam a existência das pessoas. Ela aprimora e desenvolve o sentido moram do comportamento, além de influenciar a conduta huimana. Assim, co complexo de normas éticas se alicerça em valore, normalmente designados de valores do bom. Toda norma descreve o que é bom (certo) e o que é mau (errado). Todo juízo normativo é regra de conduta, mas nem toda regra de conduta, mas nem toda regra de conduta é uma norma, pois algumas regras de conduta tem caráter obrigatório, enquanto outras são facultativas. No entanto, é da essência da norma a possibilidade de sua violação.

      A moral é a formação do caráter individual. É aquilo que leva as pessoas a enfrentar a vida com um estado de ânimo capaz de enfrentar as revezes da existência.É algo que nos faz sentir bem após a realização de alguma atitude. É o que define o que é moral e não é moral é a consciência humana, a consciência moral.

      Os valores morais estão dentre a subjetividade humana, que desencadeia ao decorrer da sua viv~encia, como, as decepções, as emoções, os aprendizados, tudo que passa a caracterizar a personalidade. O fruto da criação subjetiva é amoral e a norma moral é o convencionalismo.

      A moral é algo individual, surge de acordo com os preceitos que se vive e que se julga ser bom. Pois, os valore não se criam nem se transformam, se descobrem ou se ignoram. Uma das missões da ética consiste precisamente em afinar no homem o órgão moral que torna passível tal descobrimento.

      MoraL e Ética tem haver com limitação da liberdade, costumamos achar que a moral é impedimento a fazer o que desejamos. A utilização desse conceito sobre a Moral é completamente equivocado. Em outras palavras a moral nada mais é do que o esforço que fazemos o tempo inteiro para escolher o melhor caminho para nossa vida justamente quando temos liberdade para isso, porque quando não ha liberdade de escolha não há Moral. A Moral é o pensamento livre sobre a vida, é o esforço intelectual que fazemos para escolher o melhor caminho e jogar fora outros caminhos que não nos interessam.

      Enquanto na Moral você escolhe o que faz, a que caminho seguir, e ao escolher ignora tantos outros. A Ética é um esforço que fazemos para conviver, o que a fez ter uma dimensão coletiva. Já a moral é individual. Nos dois casos a liberdade é fundamental.

      Você só moralioza quando dá ao outro a oportunidade de soberania da decisão. O papel moralizador é ensinar para os filhos porque é necessário algo para que possa ele moralmente decidir.

      A Ética tem que atingir uma universalidade, superar os interesses pessoais e colaborar para que os interesses alheios também sejam considerados, ou seja, atuar de forma a atenuar os interesses dos afetados pela conduta pessoal. É de suma importância a participação da juventude atual o interesse da Ética para que os valores se acentuem e a humanidade não continue no seu declínio universal.

 

A ÉTICA PLATÔNICA

 

      Platão (427-437 a.C.) filósofo ateniense desenvolveu a teoria das idéias. Uma concepção de que o mundo é inteligível quando ele é imubntável, ou seja, a idéia de que fazemos das coisas, o ideal as sombras sobre as idéias. Por exemplo, sabemos o que uma árvore independente de sua forma somente pela idéia de árvore que possuímos. A outra concepção é a do mundo sensível que é o reino mutável, relativo, ou seja, o mundo material que tocamos.

      No livro República, Platão explica a moral em um momento do livro, em que Platão conta a história de um pastor chamado Gyges que encontra por acaso uma caverna onde jaz um cadáver que usava e de posse dele se tronara invisível, e ao perceber isso comete as piores atrocidades, como matar o rei, seduzir a rainha e assim por diante. O que podemos concluir é que a moral é aquilo que você faria mesmo que não fosse invisível. E o que a pessoa faria semente se fosse invisível e na sua forma de invisibilidade é prud\~encia, medo de fazer na frente dos outros. E Moral é exatamente que mesmo que ninguém vê-lo você não faria, portanto não adianta fiscalizar nada muda na Moral.

      Para explicar melhor sua teoria, ele conta o mito da caverna, no livro VII. Uma caverna reinava escuridão mal conseguia prevalecer um pouco de luz, onde todos homens estão acorrentados desde a infância, de tal forma que só enxergavam numa parece no fundo sobras. Do lado de fora prevalência a luz. A escuridão metaforicamente é a ignorancia e a luz o justo. Após um deles conseguir se soltar das correntes e sair para ver a luz e contemplar os verdadeiros objetos, ele sai da ignorância, e ao voltar para contar das descobertas e soltar os demais na caverna não foi recebido, e dito como louco. E, assim preferiram permanecer na ignorância.

     Para Platão o bem é em primeiro lugar a finalidade ou alvo da vida, a idéia mais valiosa, pois ele dependerá de todas as demais virtudes. Se não tivermos o bem nada possuimos. Em segundo lugar é a condição do conhecimentop, recordar o que já se sabia, o que tona o mundo inteligível e o espírito inteligente e o terceiro e mais importante é a causa criadora  que sustenta todo o mundo e tudo o que econtém aquilo que dá a tudo o mais a sua própria existência.

      A razão é o olhar intelectual que guiará o homem até a descoberta do conhecimento, se usava de forma correta. Poratnto, a humanidade precisa ir em busca da luz da verdade e do bem.

 

CONCLUSÃO

 

      A Ética encontrada em Platão tras a discurssão de qual o ideal de justiça, do bem da vida e sociedade, o ideal de cidade. A idéia plat|ônica é da separação do mundo em dois: material, sensível, imperfeito. E o mundo das perfeições, da forma, das idéias, das coisas puras. E a perfeição só é encontrada no momento em que se filosofa, que sai da escuridão, em busca do conhecimento, da luz, da verdade. E para se conquistar esse conhecimento tem que ter ciência que nada se sabe, e assim sair do mundo imperfeito para o mundo perfeito. Sai da aparência para a realidade. Apontamentos que ficam claros com a alegora da caverna presente em sua obra A República.

      A Ética está presente em busca do grande valsor da vida, na condução da prática do bem pelo homem, e esse depende de todas as virtudes e valores que a pessoa viveu e aprendeu. E cabe a pessoa querer ver com o olhar da razão, enxergar além dos que estão ao seu redor e dessa forma encontrar a felicidade tão almejada pela humanidade.

      Hoje eatmos em busca da cidade perfeita, mas ao invés de utilizarmos a ética para o bom convívio estamos com medo da pópria humanidade, do que até onde o home é capaz de chegar. desde que o homem descobriu cada vez mais o seu poder racional e o desenvolveu no meio científico tentam uns dominar os outros. Surge assim a perda da moral, onde como foi dito se a pessoa é capaz de fazer algo que ninguem tenha como descobri que foi ela, essa pessoa não tem moral.

      O exercício do Direito está dentro da ética platônica pois esse não usa do poder coercitivo e só do cunho ético brasileiro que atualmente é a sua Carta Constitucional de 1988, onde preza pela dignidade humana e coloca o homem como o seu principal bem.

      Um bom exemplo da Ética Platônica é ainstituição universitária que tem como seu objetivo trazer o conhecimento para seus acadêmicos. E, nos acadêmicos de \Direito estudamos além das leis outras disciplinas interdisciplinares de sociologia, política, fislosofia, entre outros, dessa forma ampliando o nosso conhecimento com o objetivo do crescimento para a "luz".

 

BIBLIOGRAFIA

 

NALINI, José Renato. Ética Geral e Profissional. São Paulo: Revista dos Tribunais

PLATÃO, A República. São Paulo: Nova Cultural, 2004.

 

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Silvana Dantas Britto) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados